Produtividade do alho em diferentes regiões do Rio de Janeiro, sob sistema orgânico de produção

HERNANDES OLIVEIRA FEITOSA, RODRIGO MODESTO JUNQUEIRA, JOSÉ GUILHERME MARINHO GUERRA, MARCELO GRANDE TEIXEIRA, FRANCISCO VILELA RESENDE, CLAYTON MOURA CARVALHO

Resumo


Procurou-se identificar neste estudo regiões no Estado do Rio de Janeiro com potencial produtivo no cultivo do alho, assim com identificar cultivares adaptadas às diferentes condições agroclimáticas do estado, em sistema orgânico de produção. Foram instalados experimentos (maio-setembro/2004) em diferentes localidades no Estado do Rio de Janeiro, nas seguintes regiões: Serrana (município de Nova Friburgo, altitude de 1.100 m), Metropolitana (Petrópolis, altitude de 1.100 m), Centro Sul (Paty do Alfeles, altitude de 700 m) e Baixada Fluminense (Seropédica, altitude de 30 m). O delineamento experimental utilizado para cada experimento, foi o de blocos ao acaso com 10 cultivares de alho comum e 4 repetições, onde em Seropédica teve 11 cultivares. Cada parcela correspondeu a 50 plantas, plantadas no espaçamento de 0,1 m x 0,2 m, sendo que foi considerada como área útil aquela ocupada por 24 plantas centrais, fazendo a exclusão de cada linha das laterais da parcela. Para as cultivares estudadas, nas regiões (Serrana, Centro sul, Metropolitana, e Baixada fluminense) do Estado do Rio de Janeiro, diante das características climáticas diferente, e nas condições dos experimentos, as cultivares Chinês Real, Gigante Roxão, Chinês São Joaquim e Cateto Roxo mostraram mais adaptadas.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25066/agrotec.v30i1.3254

Revista Agropecuária Técnica
ISSN impresso 0100-7467
ISSN online 2525-8990


Este periódico está indexado em:




Índice h (Google Scholar)=14


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional