O EMBATE ENTRE ARTES LIBERAIS E ARTES MECÂNICAS E O DISCURSO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XIX E INÍCIO DO SÉCULO XX

Autores

  • Maxwel F. Silva CEFET/MG - Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais

Resumo

Este artigo resulta dos estudos históricos em Educação Social, produto de pesquisa vinculada ao Programa de Pós-graduação – Mestrado em Educação Tecnológica do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. A problemática gira em torno do discurso sobre a educação profissional que se fez no Brasil em fins do século XIX e início do século XX e sua relação com a ordem pública, que também se alinha à ideia de civilidade, democracia, modernidade e progresso. A hipótese é que a educação profissional no Brasil como via de inserção do “desvalido da fortuna” ao meio social teve como pano de fundo o ideal desenvolvimentista do País. Subjacente a essa ideia, articulam-se o embate entre artes liberais e artes mecânicas que, desde os tempos clássicos, estigmatizou o saber manual, no Brasil marcado por um longo período de escravidão, e a educação social como meio de se “aplacar” a pobreza, aumentando a possibilidade, aos pobres, de melhores condições de vida por meio do sustento pelo trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maxwel F. Silva, CEFET/MG - Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais

Graduou-se em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais e em Tecnologia em Processos Gerenciais pela Faculdade de Tecnologia SENAI-Belo Horizonte. Realiza estudos de Pós-graduação – Mestrado em Educação Tecnológica pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais.

Referências

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. São Paulo: Abril Cultural, 1973. (Coleção Os Pensadores)

FONSECA, Celso Suckow. História do ensino industrial no Brasil. Rio de Janeiro: 1961.

GANDILLAC, Maurice de. Gêneses da modernidade. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995. (Coleção TRANS)

LOYN, Henry R. (Org.). Dicionário da Idade Média. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

OLIVEIRA, Bernardo Jefferson de. Francis Bacon e a fundamentação da ciência como tecnologia. 2. ed. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2010.

ROSSI, Paolo. Francis Bacon: da magia à ciência. Londrina, PR: Eduel; Editora UFPR, 2006.

SANTONI RUGIU, Antonio. Nostalgia do mestre artesão. Campinas: Autores Associados, 1998. (Coleção Memória da Educação)

SCHWARTZMAN, Simon; BOMENY, Helena Maria Bousquet; COSTA, Vanda Maria Ribeiro. Tempos de Capanema. São Paulo: Edusp; Paz e Terra, 1984.

SOUZA FILHO, Tarquinio. O ensino technico no Brasil. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1887.

THOMPSON, E. P. Costumes em comum. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

VERGER, Jacques. Homens e saber na Idade Média. Bauru, SP: EDUSC, 1999.

WHITE JR., Lynn. Tecnologia e invenções na Idade Média. In: GAMA, Ruy (Org.). História da técnica e da tecnologia (textos básicos). São Paulo: T. A. Queiroz, Ed. da Universidade de São Paulo, 1985.

Downloads

Publicado

2014-08-06

Como Citar

SILVA, M. F. O EMBATE ENTRE ARTES LIBERAIS E ARTES MECÂNICAS E O DISCURSO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XIX E INÍCIO DO SÉCULO XX. Revista Temas em Educação, [S. l.], v. 23, n. 1, p. 160–168, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/rteo/article/view/18898. Acesso em: 14 jun. 2024.

Edição

Seção

PONTOS DE VISTAS/NOTAS/COMENTÁRIOS