ANÁLISE DO DISCURSO EM FOUCAULT E O PAPEL DOS ENUNCIADOS: PESQUISAR SUBJETIVIDADES NAS ESCOLAS

Autores

  • Julia Mayra Duarte Alves Universidade Federal de Alagoas
  • Laura Cristina Vieira Pizzi Universidade Federal de Alagoas

Resumo

Este texto apresenta os caminhos de uma pesquisa que utilizou a Análise do Discurso (AD) a partir do pensamento de Michel Foucault, principalmente, da noção de que o sujeito não possui uma essência, mas que sua subjetividade é constituída no e pelo discurso. A investigação buscou observar como garotos são interpelados e subjetivados pelos enunciados que circulam em uma escola pública de ensino fundamental, relacionados ao filé, um artesanato produzido tradicionalmente, apenas por mulheres. Foram utilizadas algumas atitudes metodológicas sugeridas por Fischer a partir das contribuições de Foucault: a linguagem e o discurso são lugares de lutas permanentes; os enunciados são raros e nem sempre são óbvios e exclusivos; é preciso atentar às práticas discursivas e não discursivas; e a de que é preciso manter uma atitude de dúvida diante dos aspectos investigados. Apresentamos uma discussão sobre estas atitudes e buscamos destacar a função produtiva do discurso e dos efeitos de verdade na produção de subjetividades. O texto visa contribuir para os debates na área da análise do discurso destacando dois elementos dessa metodologia inspirada em Foucault: a necessária relação entre o aspecto teórico e o metodológico e o entendimento de que o discurso produz determinados sujeitos. Nesse sentido, a análise do discurso mais do desvelar a verdade dos discursos, busca repensar seus efeitos na constituição dos sujeitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julia Mayra Duarte Alves, Universidade Federal de Alagoas

Docente do CEDU/UFAL. Mestre em Educação pelo PPGE/UFAL e integrante do grupo de pesquisa ”Currículo, atividade docente e subjetividades”.

Laura Cristina Vieira Pizzi, Universidade Federal de Alagoas

Docente do CEDU e do PPGE/UFAL. Doutora em Educação pela PUC/SP: Currículo e líder do grupo de pesquisa “Currículo, atividade docente e subjetividades”.

Referências

ALVES, Julia Mayra Duarte. “Oxe, eu sou macho, professor!”: a escola e os processos de subjetivação dos meninos em um bairro de Maceió/AL. 118 f. Dissertação de Mestrado em Educação, PPGE – Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2013.

CHIZZOTTI, Antonio. Pesquisa em ciências humanas e sociais. São Paulo: Cortez. 1995.

DANTAS, Carmem L. Rendeiras de Riacho Doce - pesquisa e texto. Rio de Janeiro: Funarte, CNFCP, 2002.

FISCHER, Rosa M. B. Foucault e a análise do discurso em educação. Cadernos de Pesquisa. Rio de Janeiro, n. 114, p. 197-223, 2001.

______. A paixão de trabalhar com Foucault. In: COSTA, Marisa V. (Org.). Caminhos investigativos: novos olhares na pesquisa em educação. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002, p. 39-60.

______. Foucault revoluciona a pesquisa em educação? Perspectiva. Florianópolis, v. 21, n. 2, 2003, p. 371-389.

______. Verdades em suspenso: Foucault e os perigos a enfrentar. In: COSTA, Marisa V. (Org.) Caminhos investigativos II: outros modos de pensar e fazer pesquisa em educação. Rio de Janeiro: Lamparina editora, 2007, p. 48-70.

FOUCAULT, Michel. História da loucura. São Paulo: Perspectiva, 1972.

______. História da sexualidade 2: o uso dos prazeres. Rio de Janeiro: Graal, 1984.

______. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Campinas: Loyola, 1996.

______. Foucault. In: MOTTA, Manoel. B. (Org). Ditos e escritos V. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

______. Subjetividade e verdade. In: _____. Resumo dos cursos do Collège de France (1970-1982). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1997. p. 107-115.

______. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.

GREGOLIN, Maria do R. Foucault e Pêcheux na análise do discurso: diálogos e duelos. São Carlos: Claraluz, 2007.

LAKATOS, Eva M; MARCONI, Marina de A. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Atlas, 1994.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MESQUITA, Marcos R.; ALVES, Julia M. D.; MARTINS, Mário H. da M. Gênero, arte e cultura: discutindo o caso dos rendeiros do Pontal da Barra. In: LEITÃO, Heliane de A. L. (Org.) Coisas do gênero: diversidade e desigualdade. Maceió: EDUFAL, 2011, p. 147-165.

PINHEIRO, Odette. G. Entrevista: uma prática discursiva. In: SPINK, M. J. (org.) Práticas discursivas e produção de sentido no cotidiano: aproximações teóricas e metodológicas. São Paulo: Cortez, 2000, p.183-214.

PIZZI, Laura C. V. Pesquisando as diferenças no currículo: contribuições da análise do discurso. In: CAVALCANTE, Maria A. S. e FUMES, Neiza L. F. (Orgs.) Educação e Linguagem: saberes, discursos e práticas. Maceió: EDUFAL, 2006, p. 21-33.

PIZZI, Laura C. V. et al. Análise sobre Currículo como Discurso, Texto e Narrativa. In: MACEDO, Elisabeth; MACEDO, Roberto S.; AMORIM, Antonio C (Orgs.) Discurso, texto, narrativa nas pesquisas em currículo. Campinas: FE/UNICAMP, 2009, p. 16-29.

ROCHA, Décio; DAHER Maria D. C.; SANT'ANNA, Vera L. A. A entrevista em situação de pesquisa acadêmica: reflexões numa perspectiva discursiva. Revista Polifonia, n. 8. Cuiabá: EdUFMT, 2004, p. 161-180.

SANT´ANA, Moacir M. de. O Pontal da Barra através de um parecer. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas. Maceió, v. 41, 1989.

SILVA, Tomaz T. As pedagogias psi e o governo do eu nos regimes neoliberais. In: _____ (Org.). Liberdades reguladas: a pedagogia constutivista e outras formas de governo do eu. Petropolis: Vozes, 1998, p. 7-13.

VEIGA-NETO, Alfredo. Foucault & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

Downloads

Publicado

2014-06-29

Como Citar

ALVES, J. M. D.; PIZZI, L. C. V. ANÁLISE DO DISCURSO EM FOUCAULT E O PAPEL DOS ENUNCIADOS: PESQUISAR SUBJETIVIDADES NAS ESCOLAS. Revista Temas em Educação, [S. l.], v. 23, n. 1, p. 81–94, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/rteo/article/view/19678. Acesso em: 23 maio. 2024.

Edição

Seção

ARTIGO DE REVISÃO