OS SABERES DA PRÁTICA NECESSÁRIOS À CONSTITUIÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO PARA A VIDA EM FRANCOIS RABELAIS

Autores

  • Edna Maria Lopes Universidade Federal da Paraiba
  • Luiz Gonzaga Gonçalves Universidade Federal da Paraíba

Resumo

RESUMO

Este artigo tem o propósito de analisar como Francois Rabelais (1494-1553) no seu romance “Gargantua” desenvolve uma crítica ao formalismo ritual marcado pela educação dos “sofistas” (escolásticos), enfocando, ao mesmo tempo, a cultura oficial e a cultura não-oficial, a popular, ou seja, nos interessa analisar como a cultura popular é incorporada no romance para consubstanciar a crítica de Rabelais ao ensino escolástico, e como ele contribui para a reflexão  sobre a educação, sobre os saberes da prática e o conhecimento das coisas e das palavras. Faremos uma rápida análise dos capítulos que são destinados a educação de Gargantua buscando dialogar também com outros, diretamente relacionados ao tema tais como, o capítulo XXII sobre “Os divertimentos de Gargantua”, o capítulo XXIV, intitulado “O que fazia Gargantua quando o tempo estava chuvoso” e o capítulo XIII, “Como Gradgousier conheceu o espírito maravilhoso de Gargantua na invenção de um limpa-cu”.

Palavras-chave: cultura popular, educação, conhecimento.


[1] Doutoranda em Educação da Linha de Pesquisa em Educação Popular, do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Bolsista CAPES.  E-mail: medeiae@yahoo.com.br.

[2] Doutor em Educação, do Departamento de Fundamentação da Educação, do Centro de Educação, da Linha de Pesquisa Educação Popular, do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFPB.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edna Maria Lopes, Universidade Federal da Paraiba

Doutoranda em Educação da Linha de Pesquisa em Educação Popular, do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Bolsista CAPES.  E-mail: medeiae@yahoo.com.br.

Luiz Gonzaga Gonçalves, Universidade Federal da Paraíba

Doutor em Educação, do Departamento de Fundamentação da Educação, do Centro de Educação, da Linha de Pesquisa Educação Popular, do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFPB.

Referências

BIBLIOGRAFIA

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no renascimento: o contexto de Francois Rabelais (Trad. Yara Frateschi). 2. Ed. São Paulo: HUCITEC; Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1993.

DÉTIENE, Marcel e VERNANT, Jean-Pierre. Métis – as astúcias da inteligência. São Paulo, Odisseus, 2008.

EBY, F. História da Educação moderna: teoria, organização e prática educacional (séc. XVI-séc. XX). Porto Alegre: Globo, 1962.

GONÇALVES, Luiz Gonzaga. A educação de jovens e adultos e os saberes reservados ao silêncio. In CAPELLINI, V. F. C, ZANATA, Eliana M, SILVA, L. F. da, LEPRE, R.M. (Org): Formação de professores: compromissos e desafios da educação pública. V. II. São Paulo, Cultura Acadêmica, 2013.

HILSDORF, Maria Lúcia Spedo. Pensando a Educação nos Tempos Modernos. 2. Ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2005.

MONROE, Paul. 1869-1947. História da educação (Trad. Idel Beeker). 11 Ed. São Paulo: Editora Nacional, 1976.

RABELAIS, François. Gargantua (Trad. Aristides Lobo). São Paulo: HUCITEC, 1986.

SIENA, Rafael Matheus. Literatura Cômica Medieval: Uma Abordagem Histórica do Livro Gargantua de François Rabelais. Universidade Estadual de Londrina, 1999. Mimeografado.

Downloads

Publicado

2014-07-07

Como Citar

LOPES, E. M.; GONÇALVES, L. G. OS SABERES DA PRÁTICA NECESSÁRIOS À CONSTITUIÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO PARA A VIDA EM FRANCOIS RABELAIS. Revista Temas em Educação, [S. l.], v. 23, n. 1, p. 169–178, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/rteo/article/view/19805. Acesso em: 25 maio. 2024.

Edição

Seção

PONTOS DE VISTAS/NOTAS/COMENTÁRIOS