MULHERES NEGRAS E MATERNIDADE NA UNIVERSIDADE: UM ESTUDO DE CASO

Autores

  • Ana Karla de Jesus Rodrigues Instituto Federal de Brasília
  • Cândida Beatriz Alves Instituto Federal de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2359-7003.2021v30n3.59842

Palavras-chave:

Gênero, Maternidade, Universidade

Resumo

O presente trabalho tem como foco contribuir
com reflexões sobre como a maternidade
atravessa a vida de uma mulher negra, e como
isso reverbera na vida da mãe estudante. O
ingresso no ensino superior representa aos jovens
um marco do início da vida adulta, mas como
essa etapa é vivenciada por uma mulher, após a
chegada dos filhos? Apresentamos, aqui, a
trajetória de vida de uma mulher negra e mãe,
com foco em como suas percepções de
maternidade foram construídas em sua infância,
como ela vivencia a maternidade e como é
ingressar e permanecer no ensino superior nesse
contexto. O objetivo geral desta pesquisa é
compreender como posicionamentos em relação à
maternidade perpassam a trajetória de vida de
uma mulher negra, mãe e estudante e se refletem
em sua trajetória acadêmica e vivências pessoais.
A análise dos resultados foi feita em busca dos
significados construídos pela participante ao
longo de sua trajetória e que surgiram através da
narrativa da entrevistada. Por fim, foi possível
observar que os espaços acadêmicos não foram
pensados para pessoas negras, mães e crianças.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Karla de Jesus Rodrigues, Instituto Federal de Brasília

Licenciada em Letras - Português pelo Instituto Federal de Brasília (IFB). 

Cândida Beatriz Alves, Instituto Federal de Brasília

Doutora em Psicologia pela Universidade de Brasília (UnB). Professora do Instituto Federal de Brasília (IFB).

Referências

AKOTIRENE, C. O que é interseccionalidade? Coordenação Djamila Ribeiro. Belo

Horizonte: Letramento, Justificando, 2018.

ARIÈS, P. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986.

BADINTER, E. Um amor conquistado: o mito do amor materno, 1985.

DAVIS, A. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo Editorial, 2016.

BEAUVOIR, S. O segundo sexo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2014.

CHAUÍ, M. O que é ideologia. São Paulo: Ed. Brasiliense, 2017.

FEDERICI, S. Calibã e a Bruxa: Mulheres, corpo e acumulação primitiva. São Paulo:

Editora Elefante, 2017.

FEDERICI, S. O ponto zero da revolução: trabalho doméstico, reprodução e luta feminista.

Tradução: Coletivo Sycorax, São Paulo: Elefante, 2019.

GALVÃO, L. Mãe solteira não. Mãe solo! Considerações sobre a maternidade, conjugalidade

e sobrecarga feminina. Revista Direito e Sexualidade, v. 1, n. 1, 2020.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Editora Atlas, 2007.

GONZALEZ, L. Racismo e sexismo na cultura brasileira. In: SILVA, L. A. et al. Movimentos

sociais urbanos, minorias e outros estudos. Ciências Sociais Hoje, Brasília, ANPOCS n. 2, p.

-244, 1983.

HALASI, F. S. et al. A mulher brasileira contemporânea e a maternidade da culpa.

Dissertação (Mestrado em Psicologia). São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São

Paulo, 2018.

HENRIQUES, C. S. Mulher, universitária, trabalhadora, negra e mãe: a luta das alunas mães

trabalhadoras negras pelo direito à educação superior no Brasil. Universidade e Sociedade,

v. XVII, p. 171-191, 2016.

HIRATA, H.; KERGOAT, D. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos

de pesquisa, v. 37, n. 132, p. 595-609, 2007.

HOOKS, B. Vivendo de amor. In: Geledés, 2010, s/p. Disponível em:

https://www.geledes.org.br/vivendo-de-amor/. Acesso: 12/02/2021.

LÍDIA, L. B. G. Mulher, mãe e universitária: desafios e possibilidades de conciliar a

maternidade à vida acadêmica. Dissertação (Mestrado em Terapia Ocupacional). João Pessoa:

Universidade Federal da Paraíba, 2020.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 2004.

MELO, H. P.; CONSIDERA, Cláudio Monteiro; SABBATO, Alberto Di. Os Afazeres

Domésticos Contam!. Economia e Sociedade, v. 31, p. 168-185, 2007.

NUNES, C.; SILVA, L. M. N. Acesso e permanência na educação superior x exercício da

maternagem: entre trajetórias, representações e exigibilidade de políticas estudantis. Direito

UnB, n. 4, p. 41-79, 2020.

O'REILLY, A. Motherhood Hall of Fame – keynote speech, 2014. Disponível em

https://motherhoodfoundation.files.wordpress.com/2015/05/procreate_andrea_oreilly_july_1_

pdf. Acesso em 17 de março de 2021.

O'REILLY, A. Matricentric feminism: Theory, activism, and practice. Toronto: Demeter

Press, 2016.

PEREIRA, L. C.; ANDRADE, L. F. A mulher e a maternidade: as mudanças subjetivas

percebidas na mulher após a maternidade. Revista Brasileira de Ciências da Vida, v. 6, n. 1,

REIS, P. As narrativas na formação de professores e na investigação em educação. Nuances:

estudos sobre Educação, p. 17 - 34, 2008.

RIBEIRO, D. Feminismo negro para um novo marco civilizatório. Sur 24, v. 13 n. 24, p. 99 -

, 2016.

RICH, A. Of woman born: Motherhood as experience and institution. Nova Iorque/Londres:

W W Norton & Company, 1995.

SANTOS, G. S. Eu, Nega Fya e a solidão da mulher preta. Revell Revista de Estudos

Literários da UEMS, v. 1, n. 24, p. 351-374, 2020.

SAIÃO, Déborah Toméh. Pequenos homens, pequenas mulheres? Meninos, meninas?

Algumas questões para pensar as relações entre gênero e infância. Pro-Posições, v. 14, n. 3,

p. 67-87, 2003.

SANTOS, João Paulo Lopes; MOREIRA, Nubia Regina. Entre raça e gênero: significado das

cotas raciais para universitárias negras. Série-Estudos-Periódico do Programa de PósGraduação em Educação da UCDB, p. 77-100, 2019.

SCAVONE, Lucila. A maternidade e o feminismo: diálogo com as ciências sociais.

Cadernos Pagu, n. 16, p. 137-150, 2001.

SOUZA, F. Pode a subalterna falar? Breve crítica à ciência “sem corpo” e a defesa de outras

epistemologias para entendermos o mundo. Revista Contraponto, v. 6, n. 2, p. 85-92, 2019.

TARDIN, E. B.; BARBOSA, M. T.; LEAL, P. C. A. Mulher, trabalho e a conquista do espaço

público: reflexões sobre a evolução feminina no Brasil. Revista Transformar, n. 7, p. 119-

, 2015.

VÁZQUEZ, G. Maternidade e Feminismo: notas sobre uma relação plural. Revista Trilhas

da História, v. 3, n. 6, p. 167-181, 2014.

ZANELLO, V. Saúde Mental, Gênero e Dispositivos: Cultura e Processos de Subjetivação.

Curitiba: Appris, 2018.

Downloads

Publicado

2021-09-30

Como Citar

DE JESUS RODRIGUES, A. K. .; ALVES, C. B. MULHERES NEGRAS E MATERNIDADE NA UNIVERSIDADE: UM ESTUDO DE CASO. Revista Temas em Educação, [S. l.], v. 30, n. 3, p. 21–40, 2021. DOI: 10.22478/ufpb.2359-7003.2021v30n3.59842. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/rteo/article/view/59842. Acesso em: 16 jan. 2022.

Edição

Seção

RELATOS DE PESQUISA