Mulheres, natureza mais-que-humana e movimentos transcorpóreos em contos de fadas de Marina Colasanti

Autores

  • Edilane Ferreira da Silva UFAL

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1807-8214.2020v29n1.52908

Palavras-chave:

Marina Colasanti. Contos de fada. Mais-que-humano. Transcorporalidade. Ecocrítica feminista.

Resumo

Neste trabalho, argumento que as personagens femininas e a natureza mais-que-humana dos contos de fadas de Marina Colasanti sofrem violências correlatas, executadas por personagens masculinas representativas da cultura capital-patriarcal. As personagens oprimidas, no entanto, resistem a essa hostilidade a partir de metamorfoses, que podem ser lidas, metaforicamente, como movimentos transcorpóreos, capazes de ressignificar a concepção das mulheres e da natureza, ambas consideradas passivas e aptas à exploração, pelo patriarcado. Sobre um possível essencialismo nessa interconexão, argumento que a autora usa-o de modo estratégico. O trabalho, portanto, desenvolve-se na esteira da ecocrítica feminista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2020-07-16

Como Citar

FERREIRA DA SILVA, E. Mulheres, natureza mais-que-humana e movimentos transcorpóreos em contos de fadas de Marina Colasanti. Revista Ártemis, [S. l.], v. 29, n. 1, p. 14–29, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.1807-8214.2020v29n1.52908. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/artemis/article/view/52908. Acesso em: 23 set. 2021.

Edição

Seção

Dossiê literatura e ecologia: vozes feministas e interseccionais