Uma análise do tríplice conceito de mito

  • Prisciane Pinto Fabricio Ribeiro Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Resumo

A proposta deste trabalho centra-se em analisar uma perspectiva triangular do conceito de mito, apresentada sob três formas de exposição do termo, a saber, mythos, μύθος e mito. A grafia latina mythos designará, em linhas gerais, o constructo do pensamento primitivo imbuído de sacralidade, compreendido na pesquisa a partir de excertos das obras homéricas e hesiódicas. Depois será observada, na Poética de Aristóteles, como essa noção desenvolveu-se dando margem para o surgimento do conceito aristotélico de μύθος (grafia grega), elemento constitutivo da composição literária, a fabulação, e, por fim, o termo mito (grafia portuguesa) será percebido como a unidade entre os dois conceitos anteriores, definido como uma narrativa ficcional cuja base foi desencadeada nos primórdios.

Biografia do Autor

Prisciane Pinto Fabricio Ribeiro, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)
Formada no curso de Letras Clássicas, com habilitação em grego e latim, mestre em Letras e doutoranda na mesma área.

Referências

ARISTÓTELES. Poética. Tradução: Eudoro de Souza. São Paulo: Ars Poetica, 1992.

BURKERT, Walter. Religião grega na época arcaica e clássica. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1993.

CAMPBELL, Joseph. Las máscaras de Dios: mitología primitiva. Traducción: Isabel Cardona. Madrid: Alianza Editorial, 1991.

CAMPBELL, Joseph. O herói de mil faces. Tradução: Adail Ubirajara Sobral. São Paulo: Cultrix, 1997.

CAMPBELL, Joseph. O poder do mito. Tradução: Carlos Felipe Moisés. São Paulo: Palas Athena, 1990.

CASSIRER, Ernest, El mito del Estado. Traducción: Eduardo Nicol. Ciudad de México: Fondo de Cultura Económica, 1968.

CHANTRAINE, Pierre. Dictionnaire étymologique de la langue grecque: histoire de mots. Paris: Klincksieck, 1968.

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário: introdução à arquetipologia geral. Tradução: Hélder Godinho. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

ELIADE, Mircea. Aspects du mythe. Paris: Idees; Éditions Gallimard, 1989.

ELIADE, Mircea. Imagens e símbolos. Lisboa: Artes e Letras; Arcadia, 1979.

ELIADE, Mircea. Mito e realidade. Tradução: Pola Civelli. São Paulo: Perspectiva, 1972.

ELIADE, Mircea. O mito do eterno retorno. Lisboa: Edições 70, 1969.

ELIADE, Mircea. Tratado da História das Religiões. Tradução: Fernando Thomaz e Natália Nunes. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

ERNOUT, Alfred; MEILLET, Antoine. Dictionnaire étymologique de la langue latine: histoire des mots. Paris: Klincksieck, 2001.

JAEGER, Werner Wilhelm. Paidéia: a formação do homem grego. Tradução: Artur M. Pereira. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

KITTEL, Gerhard; FRIEDRICH, Gerhard. Compendio del diccionario teológico del nuevo testamento. Traducción: Carlos Alonso Vargas y el equipo de la Comunidad Kairós de Buenos Aires. Michigan: Libros Desafío, 2003.

MALINOWSKY, Bronislaw. Magia, ciencia y religión. Traducción: Antonio Pérez Ramos. Barcelona: Planeta-Agostini, 1948.

MARDONES, José Maria. El retorno del mito: la racionalidad mito-simbolica. Madrid: Editorial Sintesis, 2000.

MORGAN, Kathryn. A. Myth and philosophy from the Presocratics to Plato. Cambridge; New York: Cambridge University Press, 2000.

OTTO, Walter Friedrich. Teofania: o espírito da religião dos gregos antigos. Tradução: Ordep Trindade Serra. São Paulo: Odysseus, 2006.

PLATÃO. A República. Tradução de J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 2006.

PLATÃO. Eutifron, Apologia de Sócrates e Críton. Tradução: José Trindade Santos. 4. ed. Lisboa: Imprensa Nacional; Casa da Moeda, 1993.

PLATON. Timée, Critias. Traduction: Luc Brisso. Paris: G. F. Flammarion, 1999.

REALE, Giovanni. Pré-socráticos e orfismo. Tradução: Marcelo Perine. 2. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2012. (História da filosofia grega e romana; v. 1)

RICOEUR, Paul. Teoria da interpretação: o discurso e o excesso de significação. Tradução: Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 1976.

STAHLIN, G. Mythos. In: KITTELL, G. Theologisches Worterbuch zum Neuem Testament – IV. 2. ed. Stuttgart: Kohlhammer, 1942. p. 769-803.

VERNANT, Jean-Pierre. Mito e sociedade na Grécia Antiga. Rio de Janeiro: José Olympio, 1992.

Publicado
2018-12-28
Como Citar
Ribeiro, P. P. F. (2018). Uma análise do tríplice conceito de mito. Letras & Ideias, 2(2), 133-145. Recuperado de https://periodicos.ufpb.br/index.php/letraseideias/article/view/45027
Seção
Artigos