A (des)construção do self em A paixão segundo G.H.: travessias melancólicas

  • Vanalucia Soares da Silveira Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Instituto Federal da Paraíba (IFPB)

Resumo

A busca para ser engendra o enredo do romance A Paixão segundo G.H., da autora brasileira Clarice Lispector. A protagonista, de identidade abreviada, desemboca em um processo de des(construção) do Self, despertado pelo fenômeno de identificação projetiva com uma barata, na tentativa de encontrar um significante para si. G.H. faz travessias melancólicas, mergulha em um desabamento interior, desmantelando-se em um jogo entre ausência e presença, verdade e falsidade, com o fito de nomear a Coisa que habita o seu Self. Nisso, desliza-se sucessivamente, constrói-se, desconstrói-se e reconstrói-se na fantasia do retorno às origens, para sempre perdidas, percorrendo, assim, um movimento narcísico de incapacidade de superação do luto arcaico. G.H. desloca-se incessantemente, arremessa-se ao abismo melancólico, à presença do Nada, do Vazio; em seu seio letal, em núpcias com a Morte, luta para nomear o seu transbordamento de dor. Em suplência dessa voz, que não escutamos, e com as contribuições teóricas, sobretudo, de Freud (2016), Klein (1996; 1974), Gomes (2017), Kristeva (1989) e Derrida (1981; 2002), objetivamos analisar as travessias esteticamente melancólicas de G.H. em seu processo de (des)construção do Self. Para tanto, deslizamos pelos conceitos de melancolia, Self, desconstrução e sustentação. Destarte, a proposta não é buscar um significante para a Coisa, dar-lhe um lugar, mas compreendê-la no terceiro espaço, nos interstícios, na zona fronteiriça, onde o Self continuamente se movimenta.

Biografia do Autor

Vanalucia Soares da Silveira, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Instituto Federal da Paraíba (IFPB)

Possui Mestrado em Letras pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN); Especialização em Estudos Literários e Graduação em Licenciatura em Letras, com habilitação em Língua Vernácula e Língua Inglesa, pela Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). Atualmente, é professora efetiva e coordenadora do Curso Superior de Licenciatura em Letras do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus Sousa; aluna do Curso de Doutorado em Letras, da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), e integrante do Projeto de Pesquisa Literatura, Gênero e Psicanálise (LIGEPSI) - UFPB. Tem experiência na área de Letras, com ênfase para as literaturas brasileira, inglesa e africana. Suas pesquisas voltam-se para questões de gênero, sexualidade, raça e cultura, trabalhando, portanto, com teorias críticas feministas, pós-coloniais, culturais e psicanalíticas.

Referências

A TERCEIRA LÂMINA. Zé Ramalho. Disponível em: https://www.letras.mus.br/ze-ramalho/49360/. Acesso em: 21 maio 2018.

ANADIPLOSE. Disponível em: https://www.infoescola.com/linguistica/anadiplose/. Acesso em: 21 maio 2018.

BAKHTIN, M.; VOLOCHINOV, V. N. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Tradução: Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. 10. ed. São Paulo: HUCITEC, 2002.

DERRIDA, J. Plato’s Pharmacy. In: DERRIDA, J. Dissemination. Tradução: Barbara Johnson. Chicago: The University of Chicago, 1981. p. 61- 171.

DERRIDA, J. A escritura e a diferença. Tradução: Maria Beatriz Marques Nizza da Silva. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 2002.

DOLTO, F. A imagem inconsciente do corpo. São Paulo: Perspectiva, 2015.

DOLTO, F. Solidão. Tradução: Ivone Castilho Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

FIGUEIREDO, L. C. Cuidado, Saúde e Cultura: trabalhos psíquicos e criatividade na situação do analisante. São Paulo: Escuta, 2014.

FOUCAULT, M. A Ordem do Discurso. Tradução: Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Edições Loyola, 2009.

FREUD, S. Luto e Melancolia (1917 [1915]). In: FREUD, S. Introdução ao narcisismo: ensaios de metapsicologia e outros textos (1914-1916). Tradução: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2016. p. 170-194.

FREUD, S. O inquietante (1919). In: FREUD, S. História de uma neurose infantil: (“O homem dos lobos”): além do princípio do prazer e outros textos (1917-1920). Tradução: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. p. 279-292. (Obras completas; v. 14)

GOMES, S. A Gramática do silêncio em Winnicott. São Paulo: Zagodoni, 2017.

KLEIN, M. Amor, culpa e reparação. In: KLEIN, M. Amor, culpa e reparação e outros trabalhos (1921-1945). Rio de Janeiro: Imago, 1996. p. 346-384.

KLEIN, M. Inveja e gratidão. Rio de Janeiro: Imago, 1974.

KRISTEVA, J. Sol negro: depressão e melancolia. Rio de Janeiro: Rocco, 1989.

LISPECTOR, C. A Paixão segundo G.H. Rio de Janeiro: Rocco, 2009.

LISPECTOR, C. A hora da estrela. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

LAMBOTE, M. C. O discurso melancólico. Tradução: Sandra Regina Felgueiras. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 1997.

LOBO, A. M. C. A melancolia entre os antigos: entre a distemia e a ataraxia. In: LOBO, A. M. C.; FONSECA, A. C. M. (org.). Corpos deslocados: cartografias da loucura. Curitiba: Juruá, 2015, p. 31-49.

MÜLLER-GRANZOTO, M. J.; MÜLLER-GRANZOTO, R. L. Psicose e sofrimento. São Paulo: Summus, 2012.

NASIO, J-D. A dor de amar. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

SABIÁ. Chico Buarque. Disponível em: https://www.letras.com.br/chico-buarque/sabia. Acesso em: 21 maio 2018.

STEIN, C. As erínias de uma mãe: ensaio sobre o ódio. Tradução: Nelson da Silva Jr. São Paulo: Escuta, 1988.

Publicado
2018-12-28
Como Citar
SILVEIRA, V. S. DA. A (des)construção do self em A paixão segundo G.H.: travessias melancólicas. Letras & Ideias, v. 2, n. 2, p. 146-159, 28 dez. 2018.
Seção
Artigos