Becos da memória, de Conceição Evaristo: uma escrevivência da memória da mulher negra no Brasil

Resumo

Em Becos da memória diversas histórias se entrelaçam contando do dia a dia numa favela prestes a ser destruída na área central de Belo Horizonte. O olhar da protagonista Maria-Nova prevalece no texto, embora a narrativa se apresente por vezes em terceira pessoa conte sobre a vida das outras personagens. É a Maria-Nova que as pessoas da favela recorrem para contar suas memórias. Essas camadas variadas de memórias e vivências (tanto ouvidas, como vividas) que ela cria na escrita, formam uma subjetividade multifacetada de uma jovem mulher melancólica que sofre com o processo de desfavelamento. A partir desse texto, pensa-se de que forma se constrói a memória da/s mulher/es negras do Brasil, num contexto urbano de pobreza e marginalização dos anos 1980. As memórias de Maria-Nova são o recurso através do qual a escrevivência – conceito teórico-literário de Conceição Evaristo – se apresenta no texto literário: as mulheres negras estão inscritas a partir de suas vozes, com suas verdades, venturas e desventuras, longe dos estereótipos presentes em textos da literatura nacional. No presente artigo, objetivo discutir a escrevivência e a escrita de si em diálogo com o texto literário, percebendo os efeitos desse contar na construção de uma história e historiografia literária alternativas. 

Palavras-chave: Becos da Memória. Escrevivência. Escrita de si. Mulheres afro-brasileiras. 

Biografia do Autor

Eliza de Souza Silva Araujo, UFPB
Doutoranda no Programa de Pós Graduação em Letras na Universidade Federal da Paraíba. Atua na área de concentração Literatura, Teoria e Crítica e na linha de pesquisa Estudos Culturais e de Gênero, sob orientação da Profa. Dra. Liane Schneider.

Referências

ANDERSON, Linda. Autobiography: the new critical idiom. 2a. Ed. New York: Rouledge, 2011.

DRAKE, Kimberly. Rewriting the American self: race, gender and identity in the autobiographies of Frederick Douglass and Harriet Jacobs. IN: MELUS. Vol 22. No. 4. 1997.

EVARISTO, Conceição. Becos da memória. 1ª. Ed. Rio de Janeiro: Pallas, 2017.

______________. Da construção de Becos. IN: EVARISTO, C. Becos da memória. 1ª. Ed. Rio de Janeiro: Pallas, 2017.

______________. Gênero e etnia: uma escre(vivência) de dupla face. IN: MOREIRA, Nadilza M de B; SCHNEIDER, Liane (Orgs.). Mulheres no mundo: etnia, marginalidade e diáspora. João Pessoa: Idéia, 2005.

KLINGER, Diana. Escritas de si, escritas do outro: o retorno do autor e a virada etnográfica. 3ª. Ed. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2012.

MIRANDA, Adelaide C. Memória e cidade na narrativa brasileira contemporânea de autoria feminina. IN: DALCASTAGNÈ, Regina; LEAL, Virgínia Maria Vasconcelos. Espaço e gênero na literatura brasileira contemporânea. Porto Alegre: Zouk, 2015.

SANTOS SOUZA, Neusa. Tornar-se negro ou as vicissitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social. 2ª. Ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1983.

SCHMIDT, Simone P. Posfácio: a força das palavras, da memória e da narrativa. IN: EVARISTO, C. Becos da memória. 1ª. Ed. Rio de Janeiro: Pallas, 2017.

RAGO, Luzia Margareth. Introdução. IN: RAGO. Luzia M. A aventura de contar-se: feminismos, escrita de si e invenções da subjetividade. Campinas: Editora da Unicamp, 2013.

Publicado
2019-07-25
Como Citar
ARAUJO, E. DE S. S. Becos da memória, de Conceição Evaristo: uma escrevivência da memória da mulher negra no Brasil. Letras & Ideias, v. 3, n. 1, p. 13-29, 25 jul. 2019.
Seção
Dossiê: Tendências contemporâneas de autoria feminina