O olhar do Outro na constituição do Eu

uma leitura psicanalítica do mito de Narciso

Resumo

Na Grécia antiga, até meados do século V, o conceito de mito estava associado com a necessidade humana de aplicar o caráter racional à realidade. É pelo mythos que as brumas do desconhecimento humano, sobre o mundo, são dissipadas. Esse logos, imbricado com as narrativas de seres mágicos que detinham poderes, muitas vezes, relacionados às forças da natureza, norteavam a religiosidade do homem. Após o século V, com a ascensão da filosofia, o discurso mítico passa a ser colocado em xeque e, dessa forma, as rupturas entre mythos e logos são estabelecidas. Contudo, as narrativas míticas reverberam, ao longo dos séculos e nas mais diversas culturas, aspectos basilares da natureza humana. Através de suas personas, essas narrativas são vislumbrados como mimese daquilo que é intrínseco a todos nós: as vicissitudes que constituem, por excelência, a arquitetura da subjetividade. Não obstante, assim como o homem clássico, o psicanalista busca, através dessas narrativas clássicas, teorizar sobre a essência humana, marcando, em um tempo primordial, fatos que dizem de nossa generalidade como seres desejantes. O presente trabalho tem por objetivo desenvolver uma leitura psicanalítica do mito de Narciso, na versão do livro Metamorfoses, de Ovídio. Um questionamento norteia, de forma geral, as diretrizes desse etudo: quais os elementos do corpus reverberam na teoria psicanalítica que abarca os pressupostos teóricos sobre o narcisismo primário? Outras indagações nos motivam, entre elas: quais os pontos convergentes/divergentes entre as teorias psicanalíticas adotadas acerca do narcisismo primário? Para tanto, recorremos as contribuições de Sigmund Schlomo Freud (1856-1939); Jacques-Marie Émile Lacan (1901-1981) e Françoise Dolto (1908-1988). Cada um dos autores apresentam sua concepção sobre o narcisismo infantil divergindo entre si e reverberando aspectos do discurso mítico.

Publicado
2019-12-30
Como Citar
OLIVEIRA, S. O olhar do Outro na constituição do Eu. Letras & Ideias, v. 3, n. 2, p. 240-265, 30 dez. 2019.
Seção
Dossiê: Interdiálogos entre Psicanálise e Literatura