Caracterização morfológica de plântulas de Luffa cylindrica L. germinadas in vitro

Priscila Alves Barroso, Mailson Monteiro do Rêgo, Elizanilda Ramalho do Rêgo, Kaline da Silva Nascimento, Karmita Thainá Correia Ferreira, Andrezo Adenilton Santos

Resumo


A bucha (Luffa cylindrica L.) é uma planta cultivada em todos os estados brasileiros, devido a uma grande plasticidade da planta quanto ao clima. Na medicina popular esse fruto é conhecido por seu efeito purgativo. Atualmente, é utilizada contra reumatismo e dores; os frutos secos são comercializados e indicados para casos de renite e sinusite, e suas folhas são usadas para acalmar dores de cabeça. O objetivo desse trabalho foi verificar a morfogênese de plântulas de L. cylindrica cultivadas in vitro, em três variações dos nutrientes do meio MS Murashige e Skoog (1962) e três tratamentos de quebra de dormência. O experimento foi realizado no Laboratório de Biotecnologia Vegetal da Universidade Federal da Paraíba, Centro de Ciências Agrárias, Areia-PB. O material vegetal utilizado foram sementes de bucha com quatro anos de armazenamento. Analisou-se: presença/ausência de raiz, número de raízes por plântula, comprimento da raiz, comprimento do hipocótilo, número de folhas, comprimento de folha e largura de folha. Os dados quantitativos foram submetidos à análise de variância pelo teste F em nível de 5% de significância. Conclui-se com esse experimento que o melhor meio para morfogênese em L. cylindrica é o meio 3 (MS – ¼ dos sais basais) e que os tratamentos para superar a dormência das sementes não apresentaram diferenças significativas.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25066/agrotec.v35i1.20387

Revista Agropecuária Técnica
ISSN impresso 0100-7467
ISSN online 2525-8990


Este periódico está indexado em:




Índice h (Google Scholar)=14


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional