Secagem de residuos de Spondias sp. em camada fina

  • Francinalva Cordeiro de Sousa IFAL/UFCG
  • Luzia Marcia de Melo Silva IFAL/UFCG
  • Daniele Martins Lemos IFAL
  • Inácia dos Santos Moreira UFCG
  • Analha Dyalla Feitosa Lins ufcg
  • Deise Souza de Castro
  • Ana Paula Trindade Rocha UFCG

Resumo

Os resíduos gerados do processamento de frutas possuem em sua composição muitos nutrientes, que deveriam ser aproveitados tantos para alimentação humana, quanto para a fabricação de ração animal, como uma forma de evitar o desperdício e minimizar o problema da poluição ambiental e também da desnutrição. As Spondias são espécies endêmica da caatinga com grande potencial agroindustrial. O presente trabalho visou avaliar as curvas de secagem dos resíduos de cajá e de umbu-cajá em estufa com circulação de ar, nas temperaturas de 50, 60 e 70 ºC e velocidade de 1m.s¹. Os dados experimentais foram ajustados as equações de Page, Midilli et al. e Wang & Sing. Com base nos resultados apresentados pode-se concluir que, para as condições operacionais utilizadas, a cinética de secagem das cascas de cajá e de umbu-cajá ocorreu nos períodos de taxa decrescente; a equação de Page foi a que melhor representou o fenômeno de secagem para as cascas de cajá, enquanto que o umbu-cajá, a equação de Midilli apresentou os melhores resultados.
Publicado
2015-10-23
Seção
Artigo Científico