ACUMULAÇÃO DE BIOMASSA, TEORES E EXTRAÇÃO DE MICRONUTRIENTES EM PLANTAS DE MILHO IRRIGADAS COM ÁGUAS SALINAS

  • Geocleber Gomes de Sousa
  • Claudivan Feitosa de Lacerda
  • Giovana Lopes Silva
  • Cley Anderson Silva de Freitas
  • Lourival Ferreira Cavalcante
  • Carlos Henrique Carvalho de Sousa

Resumo

RESUMO: Em solos salinos a solubilidade de micronutrientes é particularmente baixa, podendo causar desequilíbrio nutricional às plantas e afetar seu crescimento. O objetivo deste trabalho foi avaliar o acúmulo de matéria seca e os efeitos da salinidade da água de irrigação sobre a extração e distribuição de micronutrientes em planta de milho. O experimento foi conduzido em condições de campo, no delineamento em blocos ao acaso, com cinco repetições. Os tratamentos empregados foram: T1 - (CEa de 0,8 dS m-1); T2- água salina ( CEa de 2,2 dS m-1); T3 - água salina (CEa de 3,6 dS m-1) e T - 4 água salina (CEA 5,0 dS m-1). As plantas de milho foram coletadas aos 90 dias após a semeadura, e obtidas à produção de matéria seca e os teores, extração e distribuição de micronutrientes. O estresse salino não proporciona redução da produção de biomassa na planta de milho na parte vegetativa, enquanto na parte reprodutiva esta produção decresce a partir de 2,2 dS m-1. A salinidade das águas aumentou a acumulação de cloreto nas folhas, colmos, sabugo e grãos, no entanto, aumentou os teores de ferro e manganês nos colmos, grãos e sabugos, e os de cobre e zinco nos colmo e sabugos. O aumento da concentração de sais na água de irrigação proporcionou um aumento nos totais extraídos de cloreto, ferro e manganês. Palavras-chave: Crescimento, Zea mays, Salinidade
Publicado
2010-11-07
Seção
Artigo Científico