O DEBATE PEDAGÓGICO EM TORNO DA DIVERSIDADE SEXUAL A PARTIR DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO PARFOR

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v17i1.66805

Palavras-chave:

Diversidade sexual, Formação de professores, PARFOR

Resumo

O artigo tem por objetivo descrever e analisar como o Curso de Licenciatura em Pedagogia na modalidade PARFOR da Universidade do Estado do Amapá (UEAP) tem se organizado quanto à oferta de disciplinas e ao debate pedagógico da diversidade sexual e sua relação com a educação libertadora. Trata-se de pesquisa documental, que se utilizou da análise de projetos pedagógicos de curso (PPC), matrizes curriculares e ementários dos componentes curriculares do referido curso, os quais foram submetidos à técnica de análise do conteúdo. Os resultados demonstraram que, em detrimento do seu anúncio, o curso não contempla de forma efetiva os debates, tanto da educação libertadora quanto o debate pedagógico da diversidade sexual na formação de professores no PARFOR. Depreendeu-se que existe uma contradição entre o anunciado e o que é de fato concretizado. A partir do estudo documental de planos de curso e do projeto pedagógico, compreendeu-se que existe, sim, uma tentativa de colocar no papel o debate da diversidade, numa perspectiva democrática de inclusão, que na prática se torna inócua, pois tal anúncio visa atender apenas a adequações linguísticas e discursivas não opressivas, porém isso não significa, efetivamente, ações teóricas e práticas antiopressivas em termos da diversidade sexual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Wollacy Esquerdo Lima, Universidade Federal do Amapá, Brasil.

Mestre em Educação pela Universidade Federal do Amapá e Coordenador do Curso de Matemática e Pedagogia da Faculdade Madre Tereza.

Alexandre Adalberto Pereira, Universidade Federal do Amapá, Brasil.

Doutor em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia e Professor da Universidade Federal do Amapá.

Referências

APPLE, Michel W. Educando à direita: mercados, padrões, Deus e desigualdade. São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire, 2003. (Biblioteca freiriana; v.5)

AQUINO, Julio Groppa (org.). Diferenças e Preconceitos na Escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 1998.

ARROYO, Miguel G. Outros Sujeitos, Outras Pedagogias. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

BARDIN, Laurence. Análise do conteúdo. Lisboa- Portugal: Ed.70, 2004.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Casa Civil, 1996

BRASIL. Ministério da Educação. Decreto n. 6.755, de 29 de janeiro 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica, disciplina a atuação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES no fomento a programas de formação inicial e continuada, e dá outras providencias. Brasília: Senado federal, 2009. Disponível em: https://legis.senado.leg.br/norma/411017#:~:text=INSTITUI%20A%20POLITICA%20NACIONAL%20DE,CONTINUADA%2C%20E%20DA%20OUTRAS%20PROVIDENCIAS. Acesso em: 22 fev. 2022.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria-Geral. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Decreto n. 8.752, de 9 de maio de 2016. Dispõe sobre a Política Nacional de Formação dos Profissionais da Educação Básica. Brasília: Casa Civil, 2016. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Decreto/D8752.htm#art19. Acesso em: 22 fev. 2022.

COPPETTE, Maria C. Educação Intercultural e sensibilidade: possibilidades para a docência. 2012. 593 f. Tese (Doutorado) – Curso de Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012.

DINIS, Nilson Fernandes. Homofobia e educação: quando a omissão também é signo de violência. Educar em Revista, Curitiba, n. 39, p. 39-50, jan./abr. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/er/n39/n39a04. Acesso em: 21 fev. 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-40602011000100004

FLEIRI, Reinaldo M. Intercultura e Educação. Revista Brasileira de Educação, n. 23, p. 16-35, maio/ago. 2003. Acesso em: 21 fev. 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-24782003000200003

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. 1. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1967.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, Paulo. Educação e Mudança. 21. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

LOGETO, Michele Sodré. A recontextualização das Leis 10.639/03 e 11.645/08 nos currículos dos cursos de Pedagogia da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – UESB. Vitória da Conquista: Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, 2020.

LOURO, Guacira Lopes. Corpo, Gênero e Sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Rio de Janeiro: Vozes, 2003.

PARFOR. Fórum Estadual Permanente de Apoio à Formação Docente – FEDAP-AP. Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica. Relatório das Atividades do PARFOR e FEDAP/AP. ANO 2022. Macapá: PARFOR, dez. 2022.

SACRISTÁN, José Gemeno. O currículo: uma reflexão sobre a prática [recurso eletrônico]. 3. ed. Porto Alegre: Penso, 2020.

SALVADOR, Angelo Domingos. Métodos e técnicas de pesquisa bibliográfica. 11. ed. São Paulo: Sulinas, 1986.

SANTOS, Sueli Andrade dos.; SOUZA, Maria de Fátima Matos de. O PARFOR como Política Pública de (com)formação de professores: reflexões necessárias. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 7, p. e45211730202, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i7.30202. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/30202. Acesso em: 8 abr. 2023. DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v11i7.30202

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos e identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

SOARES, Zeline Pereira; MONTEIRO, Simone Souza. Formação de professores/as em gênero e sexualidade: possibilidades e desafios. Educar em Revista, Curitiba, v.35, n. 73, p. 287-305, jan./fev. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/0104-4060.61432

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ (UEAP). Projeto Pedagógico de Pedagogia/PARFOR. Macapá, 2009.

VASCONCELOS, Elizandra Rego de. A formação de professores na Amazônia e as dimensões socioambientais: um estudo sobre o PARFOR. 2016. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2016.

Downloads

Publicado

03-04-2024

Como Citar

LIMA, W. E.; PEREIRA, A. A. O DEBATE PEDAGÓGICO EM TORNO DA DIVERSIDADE SEXUAL A PARTIR DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO PARFOR. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 17, n. 1, p. e66805, 2024. DOI: 10.15687/rec.v17i1.66805. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/rec/article/view/66805. Acesso em: 22 maio. 2024.