A DÉCADA DA EDUCAÇÃO E AS POLÍTICAS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UM CONVITE À REFLEXÃO

Autores

  • FABIOLA ANDRADE PEREIRA Universidade Federal do Tocantins
  • MARIA JOSÉ DE PINHO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS
  • Edna Maria da Cruz Pinho UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS

Resumo

Resumo: O presente artigo apresenta-se como um convite à reflexão acerca das políticas de formação de professores no Brasil executadas na Década da Educação e de forma especifica, faz referência às políticas de formação que ressoaram nos anos 90 no Estado do Tocantins. O mesmo tem por objetivo apresentar os contextos e os sentidos das políticas educacionais assumidas pelo governo brasileiro e como consequência seus reflexos na formação de professores, compreendida nesse contexto enquanto direito. Tal formação assume uma posição de inacabamento e isso se reflete numa formação permanente com vistas a proporcionar a preparação profissional. Nessa direção, observa-se que o enraizamento de processos formativos de longo prazo poderá trazer sérias consequências para a ação educacional (desde a perda da referência da qualidade até a perda de elementos mínimos nos processos das relações humanas). Assim, há uma necessidade premente de redimensionar a concepção de formação humana relativa às crises no mundo do trabalho e das exigências mercadológicas e economicistas que orientaram as reformas ocorridas na educação brasileira no período estudado. Ratifica-se ainda a importância de se rever a continuidade daquilo que chamamos de políticas de formação deformantes. Acreditamos que esse deve ser um imperativo aos educadores que acreditam na educação e que buscam construir um projeto educativo emancipatório e humanizador.

Palavras chaves: Política Educacional. Formação de Professores. Década da Educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

FABIOLA ANDRADE PEREIRA, Universidade Federal do Tocantins

Professora da Universidade Federal do Tocantins. Atua no Departamento de Educação / Cuso de Pedagogia. É MESTRE em Educação pela Universidade Federal da Paraíba  e  doutoranda em Educação vinculada à linha de pesquisa Educação Popular do PPGE na mesma Universidade.

MARIA JOSÉ DE PINHO, UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS

Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo ; Professora da UFT - Universidade Federal de Tocantins  e dos  Programas de Pós – Graduação Mestrado e Doutorado em Língua e Linguagem e Mestrado em Educação.

Edna Maria da Cruz Pinho, UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Tocantins.

Referências

ARAÚJO, Nataniel da Vera-Cruz Gonçalves. O Normal Superior telepresencial e a trilogia:política educacional, formação de professoras(es) e educação a distância. 2008. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2008.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. LDB -Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996

CAMPOS, Maria Malta. A formação de professores para crianças de 0 a 10 anos: modelos em debate. Educação & Sociedade. Campinas: Cedes, n. 68, p.126-142, 1999.

CUNHA, Maria Isabel da (org). Pedagogia Universitária: energias emancipatórias em tempos neoliberais. Araraquara, SP: Junqueira & Marin, 2006.

________Inovação como perspectiva emancipatória no ensino superior: mito ou possibilidade? In: CANDAU, Vera Maria (org,). Ensinar e aprender: sujeito, saberes e pesquisa. Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino (ENDIPE). Rio de Janeiro: DP&A, 2002. p.133-147.

DOURADO, Luiz Fernandes. A reforma do Estado e as políticas de formação de professores nos anos 1990. In: DOURADO, L.; PARO, V. H (Orgs.). Políticas Públicas & Educação Básica. São Paulo: Xamã, 2001.

________Reforma do Estado e as políticas para educação superior no Brasil nos anos 90. Educação & Sociedade. Campinas: CEDES, n. 80, v. 23. p.235 – 276, setembro, 2002.

FREITAS, Helena Costa Lopes de. Formação de professores no Brasil: 10 anos de embate entre projetos de formação. Educação & Sociedade. Campinas: CEDES, n. 80, v. 23, p. 137-168, setembro, 2002.

_______ A (nova) política de formação de professores: a prioridade postergada. Educação e Sociedade. Campinas: CEDES Especial. vol. 28, n. 100, p. 1203-1230, out. 2007.

______ A reforma do ensino superior no campo da formação dos profissionais da educação básica: as políticas educacionais e o movimento dos educadores. Educação & Sociedade. Campinas: CEDES, n. 68, p.17- 44, 1999.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 13.ed. São Paulo: Paz e Terra, 1998.

GARCIA, Carlos Marcelo. Formação de professores: para uma mudança educativa. Portugal . Porto Editora. 1999.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. Política de formação profissional para a educação infantil: Pedagogia e Normal Superior. Educação & Sociedade. Campinas: Cedes, n. 68, p. 61-79, 1999.

KUENZER, Acácia Zeneida. Da dualidade assumida à dualidade negada: o discurso da flexibilidade justifica a inclusão excludente.Educação & Sociedade. Campinas: CEDES, n. 100, p.1153 – 1178, 2007.

__________As políticas de formação: a construção da identidade do professor sobrante. Educação & Sociedade. Campinas: CEDES, ano 20, n. 68, p.163-183, 1999.

MORAES, Maria Cândida. O paradigma educacional emergente. Disponível em: <http://www.ub.edu/sentipensar/pdf/candida/paradigma_emergente.pdf>. Acesso em: 13 mar. 2013.

PÉREZ GÓMES, A. I. A função e formação do professor/a no ensino para a compreensão: diferentes perspectivas. In: SACRISTÁN, J. Gimeno; PEREZ GÓMEZ, A.I. Compreender e transformar o ensino. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 1998. p. 353-380.

PINHO, Maria José. Políticas de Formação de Professores: Intenção e Realidade. Goiânia: Cânone, 2007.

ROCHA, José Damião Trindade. Sentidos, concepções e discursos da formação de professores no Brasil no final do século XX: respingos e estilhaços na educação do Tocantins. In DOURADO, Luiz Fernandes e OLIVEIRA, João Ferreira (orgs). Políticas e gestão da educação no Tocantins: múltiplos olhares. São Paulo: Xamã, 2008.

SILVA, Maria Abádia da. Intervenção e consentimento: a política educacional do Banco Mundial. Campinas, São Paulo: autores associados, FAPESP, 2002.

SHIROMA, Eneida Oto; MORAES, Maria Célia M. de; EVANGELISTA, Olinda. Política Educacional. Rio de Janeiro: DP&A, 2002, 2ª ed.

SUANNO, Marilza Vanessa Rosa e SILVA, Carlos Cardoso. Resiliência, adversidade criadora e educação In SUANNO, Marilza Vanessa Rosa, DITTRICH, Maria Glória e MAURA, Maria Antonia Pujol (orgs.). Resiliência, Criatividade e Inovação: potencialidades transdisciplinares na educação. Goiania, GO. UEG: Ed. América, 2013.

WECHSLER, Solange Muglia. Criatividade e inovação no contexto brasileiro. In: Anais textos completos. I Congresso Internacional criatividade e inovação: visão e prática em diferentes contextos. Disponível em . Acesso em: 22 fev.2013.

Downloads

Publicado

2014-07-31

Como Citar

PEREIRA, F. A.; DE PINHO, M. J.; DA CRUZ PINHO, E. M. A DÉCADA DA EDUCAÇÃO E AS POLÍTICAS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UM CONVITE À REFLEXÃO. Revista Temas em Educação, [S. l.], v. 23, n. 1, p. 104–115, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/rteo/article/view/18786. Acesso em: 14 jun. 2024.

Edição

Seção

ARTIGO DE REVISÃO