REFLEXÕES QUANTO ÀS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE INGLÊS AOS SURDOS

EM BUSCA DE PROPOSTAS PLURILINGUES

Autores

  • Fernanda Seidel Bortolotti Unicentro
  • Eliziane Manosso Streiechen Unicentro

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2359-7003.2022v31n2.63065

Palavras-chave:

educação de surdos, ensino de inglês, plurilinguismo

Resumo

O conhecimento da Língua Inglesa, principal escolha mundial, quando se trata do aprendizado de uma língua adicional, proporciona acesso às informações e à comunicação em grande parte dos continentes. Contudo, as práticas pedagógicas são fundamentais no processo de ensino/aprendizagem de qualquer língua estrangeira. A adequação dessas práticas permite que alunos surdos também adquiram uma segunda língua.  Nessa direção, a presente revisão sistemática tem como intuito analisar o cenário atual das pesquisas na área de ensino de línguas para surdos, particularmente, quanto à adoção de técnicas para ensinar Inglês a estes estudantes. Após seleção, dez produções foram consideradas para o corpus. Os resultados revelam que os estudos científicos, bem como as leis, que amparam os direitos dos surdos em sua escolaridade, progrediram ao longo dos anos, o que permite compreender esses processos de forma mais profunda. No Brasil, no que se refere ao ensino de Inglês para surdos, os achados apontam para a necessidade de se adotar a abordagem plurilíngue, considerando a Libras como Língua 1 (L1), o Português como Língua 2 (L2) e o Inglês como Língua 3 (L3) nesse processo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Seidel Bortolotti, Unicentro

Doutoranda em Educação pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO).

Eliziane Manosso Streiechen , Unicentro

Docente do Departamento de Letras da Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO), campus Irati-PR. Doutora em Educação pelo Programa de Pós-Graduação da Universidade Estadual de Ponta Grossa-PR.

Referências

ÁVILA, Paula Aparecida; TONELLI, Juliana Reichert Assunção. As motivações para a implementação do ensino de língua inglesa nos anos iniciais de escolarização em uma escola municipal pública. Acta Scientiarum. Language and Culture, v. 42, n. 1, p. 1-10. Maringá, 2020. Disponível em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciLangCult/article/view/50986/751375150052. Acesso em: 13 fev. 2021.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: Ministério da Educação, 2017. Disponível em: http://basecurricular.portalsas.com.br/wp-content/uploads/2018/04/Base-Documento-Completo.pdf. Acesso em: 03 fev. 2021.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 13 fev. 2021.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm. Acesso em: 13 fev. 2021.

BRASIL. Medida Provisória nº 746, de 22 de setembro de 2016. Institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral, altera a Lei n º 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e a Lei n º 11.494 de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, e dá outras providências. Brasília: Presidência da República. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Mpv/mpv746.htm. Acesso em: 13 fev. 2021.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais. Terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua estrangeira. Brasília: Ministério da Educação, 1998. Disponível em: https://www.apostilasopcao.com.br/arquivos-opcao/erratas/11197/69245/parametros-curriculares-nacionais-terceiro-e-quarto-ciclos-do-ensino-fundamental.pdf. Acesso em: 03 fev. 2021.

BRITO, Rejane Cristina de Carvalho. Representações do professor de língua inglesa no ensino inclusivo dos alunos surdos. Orientadora: Maralice de Souza Neves. 2010. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2010.

CARVALHO, Raquel Araújo Mendes de. Desafios e possibilidades do ensino da língua inglesa para surdos. Orientadora: Dilys Karen Rees. 2014. Dissertação (Mestrado em Letras e Linguística) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2014.

CAMPELLO, Ana Regina; REZENDE, Patrícia Luiza Ferreira. Em defesa da escola bilíngue para surdos: a história de lutas do movimento surdo brasileiro. Educar em Revista, p. 71-92. Curitiba, 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/j/er/a/6KfHLbL5nN6MdTjjd3FLxpJ/?lang=pt. Acesso em: 03 fev. 2021.

COLANI, Pedro; IANUSKIEWTZ, Andréia Dias. Reflexões sobre o ensino-aprendizagem de inglês para surdos. In: ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA – EnICT, 4., 2019, Araraquara. Anais [...]. Araraquara, 2019. Disponível em: https://arq.ifsp.edu.br/eventos/index.php/enict/4EnICT/paper/view/404. Acesso em: 03 fev. 2021.

FACCI, Marilda Gonçalves Dias; MEIRA, Marisa Eugênia Melillo; TULESKI, Silvana Calvo. A exclusão dos “incluídos” – uma crítica da psicologia da educação à patologização e medicalização dos processos educativos. 2. ed. Maringá: EDUEM, 2012.

GARSTKA, Rodrigo; STREIECHEN, Eliziane Manosso. A escrita de sinais no contexto inclusivo brasileiro. Revista Interlinguagens, Irati, v. 1, n. 4, p. 166-184, 2013. Disponível em: https://revistainterlinguagens.blogspot.com/2017/09/. Acesso em: 03 fev. 2021.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2016.

MORAES, Antônio Henrique Coutelo de; CAVALCANTI, Wanilda Maria Alves. Uma experiência de ensino de inglês para surdos: novas possibilidades de aquisição de fluência. In: JORNADA DO GRUPO DE ESTUDOS LINGUÍSTICOS DO NORDESTE, 24., 2021, Natal. Anais [...]. Natal, 2012. Disponível em: http://gelne.com.br/arquivos/anais/gelne-2012/Arquivos/%C3%A1reas%20tem%C3%A1ticas/Aquisi%C3%A7%C3%A3o%20e%20ensino%20de%20l%C3%ADnguas%20adicionais/Ant%C3%B4nio%20e%20Wanilda%20-%20UMA%20EXPERI%C3%8ANCIA%20DE%20ENSINO.pdf. Acesso em: 03 fev. 2021.

MORAES, Antônio Henrique Coutelo de; BARROS, Solange Maria de. Reflexões sobre políticas que orientam o ensino de inglês para surdos no Brasil. Revista Diálogos, Cuiabá, v. 8, n. 3, p. 190-206, 2020. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/revdia/article/view/11236. Acesso em: 06 fev. 2021.

PESSANHA, Anna Paula Bahia; SILVA, Solimar Patriota. O ensino de língua inglesa a alunos surdos. In: CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA, 19., 2015, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: http://www.filologia.org.br/xix_cnlf/cnlf/10/011.pdf. Acesso em: 06 fev. 2021.

SOUSA, Aline Nunes de. Reflexões sobre as práticas de ensino de uma professora de inglês para surdos: a língua de sinais brasileira como mediadora do processo de ensino-aprendizagem. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 14, n. 4, p. 1015-1044. Florianópolis, 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbla/v14n4/aop6114.pdf. Acesso em: 06 fev. 2021.

SOUSA, Aline Nunes de. Educação plurilíngue para surdos: uma investigação do desenvolvimento da escrita em português (segunda língua) e inglês (terceira língua). Orientadora: Ronice Müller de Quadros. 2015. Tese (Doutorado em Linguística) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

SOUZA, Sebastiana Almeida; ALMEIDA, Sérgio Henrique de Souza. Leitura-escrita em inglês com surdos: uma abordagem dialógica. Revista Eventos Pedagógicos, Sinop, v. 10, p. 140-148, 2014. Disponível em: http://sinop.unemat.br/projetos/revista/index.php/eventos/article/view/1397. Acesso em: 06 fev. 2021.

STEYER, Daiana. “Não tem material didático para surdo; eu pesquiso a vida inteira”: impressões de professores de língua portuguesa e inglesa sobre o ensino e material didático para surdos. Orientadora: Cátia de Azevedo Fronza. 2020. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) - Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2020.

STREIECHEN, Eliziane Manosso; KRAUSE-LEMKE, Cibele. Análise da produção escrita de surdos alfabetizados com proposta bilíngue: implicações para a prática pedagógica. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 14, p. 957-986, 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbla/a/qmLbFqKMTNf6DJ9rPG3jHXk/abstract/?lang=pt&format=html. Acesso em: 13 fev. 2021.

SWALES, John M.; FEAK, Christine B. Academic writing for graduate students: Essential tasks and skills. 3. ed. Ann Arbor, EUA: University of Michigan Press, 2012.

Downloads

Publicado

2022-08-31

Como Citar

SEIDEL BORTOLOTTI, F.; MANOSSO STREIECHEN , E. . REFLEXÕES QUANTO ÀS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE INGLÊS AOS SURDOS: EM BUSCA DE PROPOSTAS PLURILINGUES. Revista Temas em Educação, [S. l.], v. 31, n. 2, p. 74–88, 2022. DOI: 10.22478/ufpb.2359-7003.2022v31n2.63065. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/rteo/article/view/63065. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

ARTIGO DE REVISÃO