Plantas de uso terapêutico na comunidade rural Bezerro Morto, São João da Canabrava, Piauí, Brasil

Autores

  • Tássio Marcílio Francisco Gomes Universidade Federal do Piauí - UFPI Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente- PRODEMA
  • João Batista Lopes Universidade Federal do Piauí
  • Roseli Farias Melo de Barros Universidade Federal do Piauí
  • Nelson Leal Alencar Universidade Federal do Piauí

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1981-1268.2017v11n1.33683

Resumo

A Etnobotânica é um ramo da ciência bastante estudado, na perspectiva do entendimento da inter-relação entre plantas e pessoas de culturas diversas. Objetivou-se levantar as espécies de uso terapêutico na comunidade rural Bezerro Morto, município de São João da Canabrava, avaliando-se a importância, manipulação dos fitoterápicos, indicações de uso, versatilidade locais, bem como evidências da hipótese da diversificação, além da identificação de modelos de compartilhamento de conhecimentos tradicionais. Realizaram-se entrevistas semiestruturadas com 24 informantes-chaves, em 41 excursões, e paralelamente turnês-guiada para coleta das plantas, com avaliação da Importância Relativa (IR) e Valor de Uso (VU) potencial e atual para espécies citadas. Identificaram-se 25 espécies, distribuídas em 23 gêneros, 18 famílias botânicas, que obtiveram 34 indicações terapêuticas, sendo a maioria de espécies exóticas. Phyllanthus niruri L. apresentou maior IR (2,00), enquanto o maior VUatual foi de Lippia alba (Mill.) N. E. Br. ex P. Wilson (0,71). Quanto ao VUpotencial, Aloe vera (L.) Burm. f. e P. niruri L. obtiveram o valor de 0,08. As maiores indicações das plantas foram para o sistema digestório (24) e respiratório (18), destacando-se má digestão (12) e gripe (15). Prevaleceu o modelo vertical de repasse dos saberes tradicionais, apesar dos intercâmbios interculturais. O pequeno número de espécies ocorre devido ao acúmulo de conhecimento, em que as plantas exóticas incrementam o acervo de conhecimentos e de possibilidades de tratamentos, não havendo erosão ou aculturação, porém a hipótese da diversificação fica evidenciada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tássio Marcílio Francisco Gomes, Universidade Federal do Piauí - UFPI Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente- PRODEMA

Licenciado em Ciências Biológicas, pela Universidade Estadual do Piauí - UESPI, Técnico em Meio Ambiente - SEDUC-PI/IFPR, Especialista em Educação Ambiental - FIJ, Mestrando em Desenvolvimento e Meio Ambiente - UFPI/PRODEMA.

Referências

AGUIAR RB.; GOMES JRC. 2004. Projeto Cadastro de Fontes de abastecimento por Água Subterrânea, Estado do Piauí: Diagnóstico do Município de São João da Canabrava, CPRM – Serviço Geológico do Brasil. Fortaleza, 19 p.

ALBUQUERQUE UP. 2005. Introdução à Etnobotânica. 2 ed. Rio de Janeiro: Interciência, 80 p.

ALBUQUERQUE UP et al. 2010. Métodos e técnicas para coleta de dados etnobiológicos. In: ALBUQUERQUE UP.; LUCENA RFP.; CUNHA LVFC. (Orgs.), Métodos e técnicas na pesquisa etnobiológica e etnoecológica, Recife – PE: NUPPEA, p. 39-64.

ALBUQUERQUE UP. 2006. Re-examining hypotheses concerning the use and knowledge of medicinal plants: a study in the Caatinga vegetation of NE Brazil. Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine, 2(30):1-10.

ALENCAR MT. 2010. Caracterização da Macrorregião do Semiárido Piauiense. In: SOUZA E SILVA CM et al. (Orgs.), Semiárido Piauiense: Educação e Contexto, Campina Grande: INSA, p.15-16.

ALENCAR NL. 2012. Farmacopéias tradicionais: o papel das plantas medicinais na sua constituição, formação e manutenção em comunidades da Caatinga. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-graduação em Botânica da Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife. 129 f.

ALENCAR NL. 2008. O papel das plantas exóticas em farmacopeias tradicionais. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-graduação em Biologia Vegetal da Universidade Federal de Pernambuco, Recife. 64 f.

ALENCAR NL. et al. 2010. The inclusion and selection of medicinal plants in traditional pharmacopoeias – evidence in support of the diversification hypothesis. Economic Botany, 64(1):68-79.

APG IV. 2016. An Update of the Angiosperm Phylogeny Group Classification fo the Orders and Families of Flowering Plants: APG IV. Botanical Journal of the Linnean Society, 181(2):1-20.

ARAÚJO TAS. et al. 2014. Plantas Medicinais. In: ALBUQUERQUE UP. (Org.), Introdução à Etnobiologia. Recife – PE: NUPPEA, p.91-98.

ARÉVALO-MARÍN E. et al. 2015. Traditional Knowledge in a Rural Community in the Semi-Arid Region of Brazil. Ethnobotany Research & Applications, 14:331-344.

BAPTISTEL AC. et al. 2014. Plantas Medicinais Utilizadas na Comunidade Santo Antônio, Currais, Sul do Piauí: um enfoque etnobotânico. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, 16(2):406-425.

BEGOSSI A. et al. 2009. Ecologia de pescadores da Mata Atlântica e da Amazônia. São Paulo: Fapesp, 332 p.

BERNARD HR. 1988. Research in Cultural Anthropology, Sage. CA: Newbury Park, 520 p.

BRASIL. 2012. Resolução Nº 466, de 12 de Dezembro de 2012. Estabelece diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Disponível em: < http://conselho.sa ude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf> Acesso em: 05 set. 2016.

BENNETT BC.; PRANCE GT. 2000. Introduced plants in the indigenous farmacopeia of Northern South America. Economic Botany, 54(1):90-102.

CAVALLI-SFORZA LL.; FELDMAN MW. 1981. Cultural Transmission and Evolution: a quantitative approach. New Jersey: Princeton University Press, 388 p.

CEPRO – Fundação Centro de Pesquisas Econômicas e Sociais do Piauí. 2010. Piauí em Números. 8 ed. Teresina – PI. Disponível em: <http://www.cepro.pi.gov.br/download/201105/CEPRO03_01af599

c.Pdf> Acesso em: 10 set. 2016.

CPRM – Serviço Geológico do Brasil. 2003. Atlas Digital dos Recursos Hídricos Subterrâneos do Município de São João da Canabrava. Disponível em: < http://www.cprm.gov.br/rehi/atlas/piaui/mapas/187.pdf> Acesso em: 05 set. 2016.

Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: < http://floradobrasil.jbrj.gov.br/ >. Acesso em: 01 ago. 2016.

HEWLETT BS.; CAVALLI-SFORZA MW. 1986. Cultural Transmission Among Aka Pygmies. American Anthropologist, 88(4):922-934.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. 2014. Município de São João da Canabrava, Piauí. Disponível em: < http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&cod

mun=220985&search=piaui|sao-joao-da-canabrava|infograficos:-informacoes-completas> Acesso em: 23 mai. 2016.

LINS NETO EMF et al. 2014. Domesticação de Plantas. In: ALBUQUERQUE UP. (Org.), Introdução à Etnobiologia, Recife – PE: NUPPEA, p. 127-135.

LOPES CGR et al. 2016. Conhecimento tradicional de plantas medicinais na comunidade tabuleiro do Mato de Floriano, Piauí, Brasil. Revista Espacios, 37(15):23.

LORENZI H.; ABREU MATOS FJ. 2008. Plantas Medicinais do Brasil: nativas e exóticas, 2 ed. Nova Odessa – SP: Instituto Plantarum, 576 p.

LUCENA RFP de. 2009. Avaliando a eficiência de diferentes técnicas de coleta e análise de dados para a conservação da biodiversidade a partir do conhecimento local. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-graduação em Botânica da Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife. 124 f.

MORI AS et al. 1989. Manual de manejo do herbário fanerogâmico. 2 ed. Ilhéus – BA: Centro de Pesquisa do Cacau, 103p.

OLIVEIRA FCS et al. 2010. Plantas Medicinais Utilizadas em Comunidades Rurais de Oeiras, Semiárido Piauiense. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, 12(3):282-301.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÙDE – OMS. 2008. Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde – CID 10. Disponível em: < http://www.datasus.gov.br/cid10/V2008/cid10.htm>Acesso em: 26 ago. 2016.

Programa de Saúde da Família – PSF. 2016. Comunidade Bezerro Morto, São João da Canabrava – PI.

RANGEL ALMEIDA CFCB et al. 2010. A comparison of knowledge about medicinal plants for three rural communities in the semi-arid region of northeast of Brazil. Journal of Ethnopharmacology, 127(3):674-684.

ROSSATO SC et al. 1999. Ethnobotany of caiçaras of the Atlantic Forest Coast (Brazil). Economic Botany, 53(4):387-395.

SILVA FS et al. 2011. Dynamics of traditional knowledge of medicinal plants in a rural community inthe Brazilian semi-arid region. Brazilian Journal of Pharmacognosy, 21(3):382-391.

SILVA JDA et al. 2015. Ethnobotanical survey of medicinal plants used by the community of Sobradinho, Luís Correia, Piauí, Brazil. Journal of Medicinal Plants Research, 9(32):872-883.

SILVA MP et al. 2014a. Estudo Taxonômico e Etnobotânico sobre a Família Asteraceae (Dumortier) em uma Comunidade Rural no Nordeste do Brasil. Revista Gaia Scientia, ed. esp. Populações Tradicionais:110-123.

SILVA S et al. 2014b. Conhecimento e Uso de Plantas Medicinais em uma Comunidade Rural no Município de Cuitegi, Paraíba, Nordeste do Brasil. Revista Gaia Scientia, 8(1):248-265.

SOLDATI GT. 2014. A Transmissão do Conhecimento Local ou Tradicional e o Uso dos Recursos Naturais. In: ALBUQUERQUE, U. P. (Org.), Introdução à Etnobiologia. Recife – PE: NUPPEA, p. 151-156.

WHO. 2011. Traditional Medicines: Global Situation, Issues and Challanges. In: The World Medicines Situation. 3 ed. Geneva: WHO, p. 2-16.

WOOD C.; HABGOOD N. 2010. Medicinal Plantas. In: Why people need plants. London: The Open University and Royal Botanic Gardens – Kew, p. 75-87.

Downloads

Publicado

2017-03-31

Como Citar

GOMES, T. M. F.; LOPES, J. B.; BARROS, R. F. M. de; ALENCAR, N. L. Plantas de uso terapêutico na comunidade rural Bezerro Morto, São João da Canabrava, Piauí, Brasil. Gaia Scientia, [S. l.], v. 11, n. 1, 2017. DOI: 10.22478/ufpb.1981-1268.2017v11n1.33683. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/gaia/article/view/33683. Acesso em: 14 abr. 2024.

Edição

Seção

Ciências Ambientais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>