Políticas públicas à inserção das tecnologias na educação

Autores

Palavras-chave:

Políticas Públicas, Inclusão Digital, Educação Básica

Resumo

Este trabalho constitui parte dos resultados de uma pesquisa de Mestrado em Educação já defendida, com o objetivo de analisar o percurso histórico das políticas públicas à inclusão digital na educação. A metodologia adotada foi de abordagem qualitativa, com pesquisa documental sobre as políticas públicas voltadas para inserção da Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDIC) na educação no período de 1980 a 2023. Os achados demonstram que os primeiros esforços de inserção e utilização das TDIC na educação pública brasileira tiveram início com o conceito de inserção. Posteriormente, esse processo evoluiu para uma perspectiva de universalização e, nos últimos dez anos, passou a ser compreendido como inclusão. Observa-se que o uso das tecnologias digitais na educação ultrapassa as barreiras de governos específicos e se estabelece como uma política de Estado. Essa mudança de paradigma reconhece a importância das tecnologias digitais para o desenvolvimento da educação e da sociedade em geral, garantindo sua continuidade e aprimoramento independentemente de trocas de governo. Apesar das contribuições, é importante reconhecer que existem desafios e limitações associados à implementação desses programas. Questões como infraestrutura inadequada, falta de formação de professores e acesso desigual ainda representam obstáculos significativos que precisam ser superados para garantir o sucesso a longo prazo dessas iniciativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elisandra Aparecida Moura Dexheimer, Universidade do Planalto Catarinense - Unipac

Mestre em Educação pela Universidade do Planalto Catarinense - UNIPLAC, com a dissertação intitulada " Inclusão Digital na Formação dos Estudantes do Sistema Municipal de Educação de LAges (SC)", integrante do grupo de pesquisa Sistemas, Tecnologias e Educação - EDUTECS DA UNIPLAC e do Projeto de Pesquisa em Tecnologias e Inovação em Educação- coordenado pela Dra. Madalena Pereira da Silva. Pós graduada em Gestão Escolar, pelo Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC), tendo como trabalho de conclusão de Curso, o artigo "Planejar para quê? Percepções dos Professores sobre o Planejamento Estratégico Escolar. Graduada em Ciências Biológicas, pela Universidade do Planalto Catarinense (UNIPLAC), 2006. Professora efetiva na Rede Municipal de Ensino de Lages. Experiência como coordenadora na Formação Continuada de professores do componente curricular de Ciências, Programa de Educação Ambiental e no Programa de Educação Fiscal, nos anos de 2013 à 2016.Participou do Processo de Construção do Currículo da Base da Educação Infantil e do Ensino Fundamental do Território Catarinense (2019). Atualmente exerce a função de auxiliar de direção na EMEB Professora Belizária Rodrigues e CEIM Prof. Rosvita Lima BorgesTem interesse em pesquisas nos seguintes temas: 1) Tecnologias Educacionais, Inclusivas e de Aprendizagem; 2) Inclusão Digital; 3) Inteligência Artificial na Educação. 

Referências

BIESTA, Gert. Odever de resistir: sobre escolas, professores e sociedade. Educação. Porto Alegre, v. 41, n. 1:21-29, janeiro/abril 2018.

BRASIL. [Constituição (1988) ]. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, Coordenação de Ed técnica 2018. p.66.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. PROINFO –Programa Nacional de Informática na Educação: diretrizes. Brasília: MEC, 1997.

BRASIL. [Constituição (1988) ]. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, Coordenação de Ed técnica 1995.

BASNIAK, M. I. SOARES, M. T. C. O ProInfo e a disseminação da Tecnologia Educacional no Brasil. Revista Educação Unisinos. 2016, Universidade do Vale do Rio dos Sinos. p. 201-214. Disponível:revistas.unisinos.br/index.php/educacao/article/viewFile/edu.2016.2006/5441 Acesso em: 15 fev.2023.

CARVALHO, Ana Beatriz; ALVES, Thelma Panerai. Apropriação tecnológico e cultura digital: O programa “Um computador por aluno¨ no interior do nordeste brasileiro”. In: Logos (UERJ. Impresso), v. 18, p. 88-101.

DELGADILLO, Karin; GOMEZ, Ricardo; STOLL, Klaus. Telecentros comunitários para o desenvolvimento humano: lições sobre telecentros comunitários na América Latina e Caribe. Quito: Fundação Chasquinet, 2002.

HEINSFELD, B. D.; PISCHETOLA, M. O discurso sobre tecnologias nas políticas públicas em educação. Educação e Pesquisa, v. 45, 2019.

LEMOS, A. Cibercultura: Tecnologia e vida social na cultura contemporânea. Porto Alegre: Sulina, 2013.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

MACIEL, João Wandemberg Gonçalves. O ciberespaço e a leitura: novos desafios para o professor. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE LEITURA, 2007, João Pessoa. Anais. João Pessoa: Ideia, 2007. p. 453-457.

MINAYO, M. C. Pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Instituto Sírio Libanês. 2014.

MORAES, Maria Cândida. Informática Educativa no Brasil: Um pouco de história. Brasília, 1993. p.19-33.

NASCIMENTO, J. K. F. do. Informática aplicada à educação. 2007. Disponível em: . Acesso em: 06 abril. 2024.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA (UNESCO). Declaração Mundial de Educação para Todos: satisfação das necessidades básicas de aprendizagem. Jomtien, 1990; Paris: UNESCO, 1990. Disponível em: <https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000262860_por> Acesso em: 06 abril. 2024.

PISCHETOLA, Magda. Inclusão digital e educação: a nova cultura da sala de aula. Petrópolis/Rio de Janeiro: Vozes/PUC-Rio, 2016.

WARSCHAUER, Mark. Tecnologia e inclusão social: a exclusão digital em debate. São Paulo: Senac, 2006.

Downloads

Publicado

2024-05-14

Como Citar

DEXHEIMER, E. A. M.; PEREIRA DA SILVA, M. Políticas públicas à inserção das tecnologias na educação. Revista Educare (Online), [S. l.], v. 10, p. 1–22, 2024. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/educare/article/view/69851. Acesso em: 22 jun. 2024.