Ensaio sobre o efeito do emprego e renda: o contraste das elasticidades das regiões do Brasil e a realidade do Piauí

Resumo

O Brasil é um país continental e exibe fortes disparidades inter-regionais. Teoricamente, na ciência, as variações da renda dependem das variações dos investimentos. Entretanto, o acesso aos dados torna-se um fator determinante, assim, o problema desse artigo configurou-se como: quais as diferenças de impactos do emprego sobre a renda nas regiões do Brasil? E, especificamente, no Piauí? Para resolver o referido problema, o objetivo foi avaliar as elasticidades da renda em relação ao estoque de emprego formal para os municípios das grandes regiões do Brasil e para o estado do Piauí. Assim, utilizou-se como método - um modelo de regressão linear com a variável dependente renda municipal corrente (PIB) e a independente estoque de emprego, ambas transformadas para forma logarítmica. O software utilizado foi o Gnu Regression Econometrics and Time-series Library (GRETL), rodando-se um modelo com os 5.565 municípios do Brasil e outro com os 224 municípios do Piauí, tendo por corte o ano de 2011 e; fontes básicas o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE 2014) e o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE 2014). Os resultados apontam relações inelásticas entre emprego e renda, entretanto com efeitos diferenciados das regiões do país e da sub-região (semiárido) do Piauí.

Biografia do Autor

Francisco Prancacio Araújo de Carvalho, Universidade Federal do Piauí / Depto de Economia
Prof. Departamento de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Piauí. Doutorando em Desenvolvimento e Meio Ambiente (Prodema-UFPI)
Jesusmar Ximenes Andrade, Universidade Federal do Piauí / Depto de Ciências Contábeis
Professor do Departamento de Ciências Contábeis da Universidade Federal do Piauí (UFPI). Doutor em Contabilidade pela Universidade de São Paulo (2011).
João Batista Lopes, Universidade Federal do Piauí / Centro de Ciências Agrárias
Professor do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal do Piauí (UFPI), doutor em Ciências (Energia Nuclear na Agricultura) pela Universidade de São Paulo (1998).

Referências

Aguilar Filho HAde, Saviani Filho H. 2017. A evolução da macroeconomia moderna entre perspectivas: em busca de uma sistematização. Revista de economia contemporânea, 21 (2).

Arthmar R, Cinelli CLK. 2013. A Economia Clássica entre o Laissez-Faire e o Socialismo. Economia, 14 (1): 227–252.

Azzoni, CR. 2001. Economic growth and regional income inequality Brazil. The Annals of Regional Science, 35: 133-152.

Bárcena A. 2017. CEPAL cita necessidade de novo modelo de desenvolvimento em fórum com Noam Chomsky. ONUBR: Desenvolvimento sutentável.

Barroso AS, Souza, R. 2013. A grande crise capitalista 2007-2013: gênese, conexões e tendências. São Paulo: Anita Garibaldi - Fundação Maurício Gabrois.

Bresser-Pereira LC. 2011. As duas fases da história e as fases do capitalismo. São Paulo: Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (FGV-EESP). (texto para discussão, nº 278, maio de 2011).

Brunhera DCU, Baço FMB, Mello, GRdeM. 2014. Capital humano e nível de renda: uma análise nos municípios do estado do Paraná. III Congresso Nacional de Pesquisa em Ciências Sociais Aplicadas – III CONAPE, Francisco Beltrão/PR, 01, 02 e 03 de outubro.

Cardoso Júnior JC. 2009. Desafios ao Desenvolvimento Brasileiro. Brasília: IPEA.

Carvalho FJCde, Paula LFde, Sicsú J, Souza FEPde, Studart, R. 2017. Economia Monetária e Financeira: Teoria e Política. Elsevier Brasil.

Chang H-J. 2004. Chutando a escada: a estratégia do desenvolvimento em perspectiva histórica. São Paulo: UNESP.

Cirino JF, Cassuce FCdaC. 2012. A relação entre geração de emprego e renda e a qualidade da educação no estado de minas gerais. Minas Gerais: Cedeplar/ UFMG.

Comparato, FK. 2011. Capitalismo: civilização e poder. Scielo.

Dedecca CS. 2012. Os países desenvolvidos e a desigualdade econômica. Economia e Sociedade, Campinas, 21 (3).

Feijó CA, Ramos RLO (org.). 2017. Contabilidade Social. 5ª ed. Rio de Janeiro: Campus / Elsevier.

Financial Times. 2017. Definition of classical economics. Site Financial times.

Friedman M. 2008. The concise encyclopedia of economics. Library of economics and liberty.

Fuller EW. 2013. The marginal efficiency of capital. Quarterly Journal of Austrian Economics. 16 (4): 379-400.

Furtado C. 1968. Um projeto para o Brasil. Rio de Janeiro: Saga.

Furtado C. 1999. O longo amanhecer: reflexões sobre a formação do Brasil. 2ª. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

García-Olivares A, Solé, J. 2015. End of growth and the structural instability of capitalism-From capitalism to a Symbiotic Economy. Futures, 68: 31- 43.

Gujarati DN e PORTER DC. 2011. Econometria básica. Porto Alegre: AMGH.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). 2014. Produto Interno Bruto dos Municípios 2011. Site do IBGE.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). 2018. Malhas municipais - Geociências: Downloads / organizacao_do_territorio / malhas_territoriais / malhas_municipais / municipio_2015. Site do IBGE.

IMF (International Monetary Fund). 2017. IMF annual report 2017: promoting inclusive growth. Annual Report of the Executive Board, Washington: IMF.

Jannuzzi PM. 2009. Indicadores Sociais no Brasil, 4a ed., São Paulo: Editora Línea.

Kalecki M. 1978. Teoria da Dinâmica Econômica. São Paulo: Abril Cultural.

Keynes JM. 1996. A teoria do emprego, do juro e da moeda. São Paulo: Abril Cultural.

Krugman P, Wells R. 2015. Macroeconomics. Worth Publishers.

Krugman P, Wells R. 2016. Macroeconomia. Elsevier.

Mészáros I. 2015. Para além do Capital: rumo a uma teoria da transição. Boitempo Editorial.

MI (Ministério da Integração Nacional). 2005. Nova delimitação do semi-árido brasileiro. MI.

MTE (Ministério do Trabalho e Emprego). Anuário estatístico RAIS – orientações para uso. 2010.

MTE (Ministério do Trabalho e Emprego). 2014. Dados sobre vínculos – estoque de emprego da Base RAIS: Dados. Programa de Disseminação de Estatísticas do Trabalho – PDET: Acesso Online a Base de Estatística RAIS pelo programa Dardo.

ONU (Nações Unidas). 2017. Sustainable Development Goals Report. New York: United Nations.

Ostry JD, Loungani P, Furceri D. 2016. Neoliberalism: Oversold? Finance and Development, 53 (2).

Paulani LM, Braga MB. 2013. A Nova Contabilidade Social: Uma Introdução a Macroeconomia. São Paulo: Saraiva.

Piketty, T. 2014. O Capital no Século XXI. Rio de janeiro: Editora Intrínseca LTDA.

Ramírez JC et al. 2007. Economía y territorio en América Latina y el Caribe: desigualdades y políticas: Documento presentado en la XII Conferencia de Ministros y Jefes de Planificación de América Latina y el Caribe. Brasília: ILPES, CEPAL, ONU.

Ricardo D. 1996. Princípios de economia política e tributação. São Paulo: Nova Cultural.

Sader E. 2008. Desequilíbrios estruturais do capitalismo atual. Le monde Diplomatique Brasil, 14 (2).

Santos, FPdosR. 2017 Evolução da consciência desenvolvimentista: da Cepal à Escola de Campinas. Textos Econômicos, Florianópolis, 20 (2): 119 – 135.

Say, J-B. 1855. A treatise on political economy. C. R. Prinsep, trans. And Clement C. Biddle. (Library of economics and liberty).

Sen A. 2010. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras.

Silveira R. 2005. Concentração Industrial Regional, Especialização Geográfica e Geografia Econômica: Evidências para o Brasil no Período 1950-2000. Revista Econômica do Nordeste, 36 (2): 189-208.

Skidelsky R. 2011. The relevance of Keynes. Cambridge Journal of Economics, 35: 1-13.

Smith A. 1996. A riqueza das nações: investigação sobre sua natureza e suas causas. São Paulo: Nova Cultural.

Stiglitz JE. 2016. O Grande Abismo - Sociedades desiguais e o que podemos fazer sobre isso. Rio de Janeiro.

Thirlwall AP. 2007. Keynes and economic development. Economia aplicada. Ribeirão Preto, 11 (3).

Thisse JF. 2011. Capítulo 1 - Geografia Econômica. In: CRUZ, BDO et al. Economia regional e urbana: teorias e métodos com ênfase no Brasil. Brasília: IPEA.

Ucak A. 2015. Adam Smith: The Inspirer of Modern Growth Theories. Procedia – Social and Behavioral Sciences, 195: 663-672.

Vercellone C. 2003. Sommes-nous sortis du capitalisme industriel. Paris: Université Paris 1 Panthéon-Sorbonne (Post-print ande working pappers), Hal.

Yamamori T. 2017. The concept of need in Adam Smith. Cambridge Journal of Economics, 41 (2): 327–347.

Zanirato SH, Rotondaro T. 2016. Consumo, um dos dilemas da sustentabilidade. Estudos avançados, São Paulo, 88 (30).

Publicado
2020-03-31
Como Citar
ARAÚJO DE CARVALHO, F. P.; ANDRADE, J. X.; LOPES, J. B. Ensaio sobre o efeito do emprego e renda: o contraste das elasticidades das regiões do Brasil e a realidade do Piauí. Gaia Scientia, v. 14, n. 1, 31 mar. 2020.
Seção
Ciências Ambientais