Diversidade e estrutura de espécies arbustivo-arbórea em área destinada ao manejo florestal no município de São Francisco do Piauí, Piauí

Resumo

Objetivou-se estudar a atividade florestal no Piauí, utilizando a metodologia do Manejo Florestal Sustentável
da Caatinga, em área de mata nativa com vegetação de transição entre cerrado e caatinga no assentamento Sambaibinha no Município de São Francisco do Piauí (PI). Foi realizado inventário florestal constando 21 parcelas de 400 m2 cada (20 x 20 m), distribuídas aleatoriamente no interior das UPAs. A estrutura da vegetação foi avaliada por meio dos parâmetros usuais e os indivíduos encontrados no interior das parcelas que apresentaram CAP ≥ a 10 cm a 1,30 m do solo foram medidos, sendo tomadas também sua altura total. As famílias mais representativas foram Fabaceae (19), Apocynaceae (6), Combretaceae (6), Myrtaceae (4) e Vochysiaceae (3) e as espécies mais significativas quanto ao valor de importância foram Terminalia fagifolia Mart. & Zucc., Croton argyrophylloides Müll. Arg., Cenostigma macrophyllum Tul. e Aspidosperma multiflorum A. DC. A altura média estimada foi de seis metros, e a máxima de 14 metros. A cobertura vegetal apresentou densidade absoluta de 1.538,095 ind.ha-1 arbustivos arbóreos, e área basal no peito de 13,46 m².ha-1, correspondendo a 388,17 st.ha-1 de volume empilhado. O projeto viabiliza a exploração sustentável da vegetação do assentamento, trazendo com isso geração de renda para as famílias e ao mesmo tempo uma maior conservação dos recursos naturais.

Referências

Alcoforado-Filho FG, Sampaio EVSB e Rodal MJN. 2003. Florística e fitossociologia de um remanescente de vegetação caducifólia espinhosa arbórea em Caruaru, Pernambuco. Acta Botanica Brasilica, 17:289-305.

Alves-Júnior FT, Lins CF, Brandão S, Rocha KD, Silva JT, Maragon LC. 2007.Estrutura diamétrica e hipsométrica do componente arbóreo de um fragmento de mata atlântica, Recife-PE. Cerne, 13(1): 83-95.

APG IV. 2016. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG IV. Botanical Journal of the Linnean Society, 181:1- 20.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Biodiversidade e Florestas. Departamento de Florestas. 2008. Programa Nacional de Florestas. Unidade de Apoio do PNF no Nordeste. Manejo sustentável dos recursos florestais da Caatinga / MMA. Secretaria de Biodiversidade e Florestas. Departamento de Florestas. Programa Nacional de Florestas. Unidade de Apoio do PNF no Nordeste. Natal: MMA.

Camargos JA, Czarneski CM, Meguerditchian I e Oliveira D. 2001. Catálogo de árvores do Brasil. Brasília: IBAMA/ Laboratório de Produtos Florestais.

Campelo FB. 2009. Uso sustentável integrado da biodiversidade na caatinga. Disponível em: http://www.sbs.org.br/destaques_usosustentavel.htm. Acesso em: 06 jul. 2016.

Carvalho AJE e Oliveira CR. 1993. Avaliação do estoque lenhoso. Inventário Florestal do Estado do Piauí. Projeto PNUD/FAO/IBAMA/BRA/87/007/ GOVERNO DO PIAUÍ. Documento de campo nº 26. (pág.32).

CEPRO. 1996. Diagnóstico das Condições Ambientais do Estado Piauí. Teresina.

CIENTEC – CONSULTORIA E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS LTDA. 2011. Mata Nativa: Sistema para análise fitossociológica e elaboração de planos de manejo de florestas nativas. Versão 3.0.9, Viçosa: CIENTEC LTDA.

COMITÊ TÉCNICO CIENTÍFICO DA REDE DE MANEJO FLORESTAL DA CAATINGA. 2005. Rede de manejo florestal da Caatinga: protocolo de medições de parcelas permanentes / Comitê Técnico Científico. Recife: Associação Plantas do Nordeste, 21 p.

Coutinho LM. 1978. O conceito do cerrado. Revista Brasileira de Botânica, 1(1):17-23.

CPRM - Serviço Geológico do Brasil Projeto cadastro de fontes de abastecimento por água subterrânea. 2004. Diagnóstico do município de São Francisco do Piauí - PI, estado do Piauí/ Organizado [por] Robério Bôto de Aguiar, José Roberto de Carvalho Gomes. Fortaleza: CPRM/PRODEEM, 08 p.

Drumond MA, Kiill LHP e Nascimento CES. 2002. Inventário e Sociabilidade de Espécies Arbóreas e Arbustivas da Caatinga na Região de Petrolina, PE, Brasil Florestal, 21(74):37-43.

Farias RRS e Castro AAJF. 2004. Fitossociologia de trechos da vegetação do Complexo de Campo Maior, Campo Maior, PI, Brasil. Acta botanica brasílica, 18(4):949-963.

Forzza RC et al. 2015. Introdução. In: LISTA DE ESPÉCIES DA FLORA DO BRASIL. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010.>

Acesso em: 10 mar. 2015.

Higuchi N, Jardim FCS, Santos J e Alencar JC. 1985. Bacia 3 – Inventário diagnóstico da regeneração natural. Acta amazônica, 5(1-2):199-233.

IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – 1991. PORTARIA NORMATIVA N.º 83, de 26/09/1991. Disponível em:

< http://www.mp.go.gov.br/nat_sucroalcooleiro/Documentos/legislacao/Geral/florestas/flo10.pdf>

Acesso em: 10 mar. 2015.

Lemos JR. 2004. Composição florística do Parque Nacional Serra da Capivara, Piauí, Brasil Rodriguésia, 55(85): 55-66.

Lemos JR e Rodal MJN. 2002. Fitossociologia do componente lenhoso de um trecho da vegetação de caatinga no parque nacional serra da capivara, Piauí, Brasil. Acta botanica brasilica 16(1): 23-42.

Lorenzi H. 2002a. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil, volume 1. 4. Ed. Nova Odessa/SP: Instituto Plantarum.

Lorenzi H. 2002b. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil, volume 2. 2. Ed. Nova Odessa/SP: Instituto Plantarum.

Maia GN. 2004. Caatinga: árvores e arbustos e suas utilidades. São Paulo: Leitura & Arte, 413 p.

Meira-Neto JAA, Martins FR. 2003. Estrutura do subbosque herbáceo-arbustivo da mata da silvicultura, uma Floresta Estacional Semidecidual no município de Viçosa-MG. Revista Árvore, 27: 459-471.

Meunier IMJ. 2014. Análises de sustentabilidade de planos de manejo florestal em Pernambuco. Tese de doutorado, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Departamento de Ciência Florestal. 137p. 2014.

Oliveira-Filho AT, Scolforo JRS e Mello JM. 1994. Composição florística e estrutura comunitária de um remanescente de floresta semidecídua montana em Lavras, MG. Revista Brasileira de Botânica, 17:167-182.

Pereira IML, Andrade LA, Barbosa MRV e Sampaio EVSB. 2002. Composição florística e análise fitossociológica do componente arbustivo-arbóreo de um remanescente florestal no Agreste Paraibano. Acta Botânica Brasilica, 16(3):357-369.

Pereira FM, Freitas BM, Alves JE, Camargo RCR, Lopes MTR, Neto JMV e Rocha RS. 2004. Flora apícola no Nordeste. (Embrapa Meio-Norte. Documentos, 104) Teresina: Embrapa Meio-Norte, 40p.

Queiroz LP. 2009. Leguminosas da caatinga. Feira de Santana: Universidade Estadual de Feira de Santana, 467 p.

Ribeiro JF, Sano SM, Macêdo J e Silva JA. 1983. Os principais tipos fisionômicos da região dos cerrados. Planaltina: CPAC/EMBRAPA. (Boletim de Pesquisa, n.21)

Riegelhaupt E, Pareyn FGC e Bacalini P. 2010a. O Manejo Florestal na Caatinga: Resultados da Experimentação. In: Gariglio MA et al. (orgs.) Uso sustentável e conservação dos recursos florestais da caatinga. Brasília: Serviço Florestal Brasileiro. p.256-275.

Riegelhaupt E, Pareyn FGC e Gariglio MA. 2010b. O Manejo Florestal como Ferramenta para o Uso Sustentável e Conservação da Caatinga. In: Gariglio MA et al. (orgs.) Uso sustentável e conservação dos recursos florestais da caatinga. Brasília: Serviço Florestal Brasileiro. p.346-366.

Rizzini CT. 1997. Tratado de fitogeografia do Brasil: aspectos ecológicos, sociológicos e florísticos. 2.ed. Rio de Janeiro: Âmbito Cultural. 747p.

SEMAR. Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos. 2005. Panorama da Desertificação no Estado do Piauí (Relatório de Consultoria), Teresina, Piauí, 21p. disponível em <http://www.mma.gov.br/estruturas/sedr_desertif/_arquivos/panorama_piaui.pdf>. acesso em 20-03-17.

Scolforo JSR. 1998. Modelagem do crescimento e da produção de florestas plantadas e nativas. UFLA/FAEPE, Lavras, p. 451.

Silva JA. 1994. Avaliação do estoque lenhoso. Inventário Florestal do Estado da Paraíba. Projeto PNUD/FAO/IBAMA/BRA/87/007/GOVERNO DA PARAIBA. Documento de Campo nº 21 (pág.32).

Silva-Júnior MC. 2005. Fitossociologia e estrutura diamétrica na mata de galeria do Pitoco, na reserva ecológica do IBGE, DF. Cerne, 11: 147-158.

Siqueira-Filho JA, Santos APB, Nascimento MFS, Santos FSE. 2009. Guia de Campo de Árvores da Caatinga. Petrolina: Editora e Gráfica Franciscana Ltda, 64p.

Publicado
2020-03-31
Como Citar
ANDRADE, F. N.; LOPES, J. B.; BARROS, R. F. M. DE; LOPES, C. G. R.; SOUSA, H. S. DE. Diversidade e estrutura de espécies arbustivo-arbórea em área destinada ao manejo florestal no município de São Francisco do Piauí, Piauí. Gaia Scientia, v. 14, n. 1, 31 mar. 2020.
Seção
Ciências Ambientais

Artigos mais lidos do (s) mesmo (s) autor (es)

1 2 3 > >>