Da prática para o ensino e deste para a pesquisa. Ou não? Sobre heranças, desafios e perspectivas da tradução alemão/português no Brasil

  • João AZENHA JR. USP
Palavras-chave: formação de tradutores, interação teoria e prática de tradução

Resumo

Neste estudo, dividido em três partes, procuro, num primeiro momento, lançar um olhar retrospectivo sobre os caminhos da tradução alemão/português no Brasil. Essa mirada me ajuda a localizar e a sequenciar os domínios da prática, do ensino e da pesquisa, nessa ordem: de uma prática intermitente, desenvolvida desde meados do séc. XIX, aproximadamente, até sua sistematização parcial numa praxiologia por volta da década de 1970; desta para a demanda (e a resposta a ela) na constituição quase concomitante de cursos voltados à formação de tradutores; e desse momento de institucionalização do ensino para os primeiros contornos de uma pesquisa brasileira em tradução. Na costura dessas etapas, enxergo o evoluir das relações entre as habilidades linguísticas e as tradutórias, de um lado, mas também as transformações do conceito de traduzir, de outro, resultante das interações com áreas afins, em especial com os estudos linguísticos, literários, culturais e com a pesquisa sobre linguagens de especialidade. Num segundo momento, mais sincrônico, reconheço e saúdo a diversidade de abordagens sobre a questão da tradução nos diferentes níveis de formação e domínios de atuação, mas questiono tanto a desproporção de importância atribuída a cada domínio, quanto a posição, a meu ver secundária, da importância reservada aos conhecimentos das línguas envolvidas (o alemão e o português) e o processo de submissão aos ditames de um mercado e aos entraves de uma política educacional que privilegia a produtividade, muitas vezes à custa da qualidade da formação. Por fim, ensaio alguns prognósticos sobre áreas de formação e de pesquisa auspiciosas e, mesmo reconhecendo a autonomia dos domínios aqui abordados, pleiteio a exploração de interfaces entre eles e o reconhecimento (e a aceitação) de características locais como o único caminho viável para a consolidação de um campo disciplinar que, ao mesmo tempo, reflita um Brasil plural e responda, nem sempre em concordância, aos desafios de um mundo cada vez mais globalizado.

Referências

ANAIS do IV Encontro Nacional de Tradutores: A tradução: alvos e ferramentas. Universidade de São Paulo, de 1 a 4 de abril de 1990. São Paulo: FFLCH/DLM/CET, 1990.

AZENHA JR. J. (org.) – Os caminhos da institucionalização dos Estudos da Tradução no Brasil. Trabalhos apresentados por membros do GT de Tradução da ANPOLL por ocasião do XXI ENANPOLL, Encontro Nacional da Associação de Pós-Graduação em Letras e Linguística, realizado na PUC-SP em julho de 2006. [Trabalhos publicados no site do GT].

AZENHA JR. J. – Do silêncio à eloquência: uma leitura da “Poesia alemã traduzida no Brasil”. In: Caderno de Letras (UFRJ), vol. 27, p. 73-84, 2011.

AZENHA JUNIOR, J. 1985-2015: a recepção do Funcionalismo alemão e a consolidação da tradução na Área de Alemão da USP. In: UPHOFF et alii (orgs.). 75 anos de alemão na USP: reflexões sobre uma germanística brasileira. São Paulo: Humanitas, 2015, v. 1, p. 149-177.

AZENHA JUNIOR, J. O Curso de Especialização em Tradução da USP (1978-2006): histórico e desdobramentos. In: UPHOFF et alii (orgs.). 75 anos de alemão na USP: reflexões sobre uma germanística brasileira. São Paulo: Humanitas, 2015, v. 1, p. 35-45.

BARBOSA, J. A. Tradução e cultura no Brasil. In: ANAIS Do IV encontro nacional de Tradutores: A tradução: alvos e ferramentas. Universidade de São Paulo, de 1 a 4 de abril de 1990. São Paulo: FFLCH/DLM/CET, 1990, p. 21.

CAMPOS, G. Como fazer tradução. Petrópolis (RJ), Vozes, 1986.

CAMPOS, G. (org.) Poesia alemã traduzida no Brasil. Rio de Janeiro: Serviço de Documentação do MEC (Ministério da Educação e Cultura), 1960. Reedição: Livro de Ouro da Poesia Alemã. Rio de Janeiro: Ediouro, s/d.

CRUZ, C. Metamorfoses de Kafka. São Paulo: AnnaBlume/FAPESP, 2007.

HESSE, H. Schriften zur Literatur. In: Schweizer Monatshefte: Zeitschrift für Politik, Wirtschaft, Kultur. Band 39, Heft 4, (1959-1960), p. 314-316.

KRIEGER, M. G. (org.) – META. Journal des traducteurs. Translators’ Journal. Numéro Spécial: Traduction et Terminologie au Brésil. Translation and Terminology in Brasil. Vol. 41, no. 2. Montreal: Les Presses de l’Université, 1996.

LAGES, S. K. e LOMBARDI, A. (orgs.). La traduzione. Saggi e Documenti. Ministero per i beni culturali e ambientali. Divisione Editoria. Roma: 1995.

MAILLOT, J. A Tradução Científica e Técnica. Tradução de Paulo Rónai. Brasília: McGraw-Hill do Brasil/EdunB, 1975.

MATTOS, D. (ed.). Estudos de Tradutologia I. Brasília: Kontakt, 1981.

MILTON, J. O poder da tradução. São Paulo: Ars Poética, 1993.

MILTON, J. Translation Theory in Brazil. Bulletin of Hispanic Studies, LXXV, 1998.

PORTINHO, W. M. (org.). A Tradução Técnica e Seus Problemas. São Paulo, Álamo, 1984.

PORTINHO, W. M. Sindicato Nacional dos Tradutores – SINTRA: Breve histórico, situação atual e perspectivas. In: ANAIS do IV encontro nacional de Tradutores: A tradução: alvos e ferramentas. Universidade de São Paulo, de 1 a 4 de abril de 1990. São Paulo: FFLCH/DLM/CET, 1990, p. 141.

REISS, K. e VERMEER, H.-J. Grundlegung einer allgemeinen Translationstheorie. Berlin: De Gruyter, 1984.

RÓNAI, P. Escola de Tradutores. 4ª. Ed. revista e ampliada. Rio de Janeiro. Educom, 1976 [1952].

RÓNAI, P. A tradução vivida. 2ª. Ed. revista e aumentada. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1981 [1976].

RÓNAI, P. Homens contra Babel. Rio de Janeiro: Zahar, 1964.

RONAI, P. Guia Prático da Tradução Francesa. São Paulo: DIFEL, 1967.

ROSENTHAL, E. T. Tradução: ofício e arte. São Paulo: Cultrix/EDUSP, 1976.

ROSENTHAL, E. T. A alteridade na tradução literária. In: ANAIS do IV encontro nacional de Tradutores: A tradução: alvos e ferramentas. Universidade de São Paulo, de 1 a 4 de abril de 1990. São Paulo: FFLCH/DLM/CET, 1990, p. 174.

SILVEIRA, B. A arte de traduzir. São Paulo: Melhoramentos, Editora da UNESP, 2004 [1954].

SNELL-HORNBY, M. The Turns of Translation Studies. New paradigms or shifting viewpoints? Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 2006.

VERMEER, H. Esboço de uma teoria da tradução. Lisboa: ASA, 1986.

VERMEER, H. Aplicação de princípios da teoria da recepção à teoria da tradução. In: ANAIS do IV encontro nacional de Tradutores: A tradução: alvos e ferramentas. Universidade de São Paulo, de 1 a 4 de abril de 1990. São Paulo: FFLCH/DLM/CET, 1990, p. 48.

WOLF, M. (Hrsg.) – Übersetzungswissenschaft in Brasilien. Beiträge zum Status von „Original“ und Überesetzung. Mit einem Vorwort von Hans J. Vermeer. Übersetzungen von Helga Ahrens et alii. Tübingen: Stauffenburg, 1997.

WYLER, L. e BARBOSA, H. G. Brazilian Tradition. In: Baker, Mona. Routledge Encyclopedia of Translation Studies. London: Routledge, 2001, 326-332.

Publicado
2016-12-20
Como Citar
AZENHA JR., J. Da prática para o ensino e deste para a pesquisa. Ou não? Sobre heranças, desafios e perspectivas da tradução alemão/português no Brasil. Revista Graphos, v. 18, n. 2, p. 7-23, 20 dez. 2016.