A criação reflexiva do erotismo na tessitura lírica de Adélia Prado

  • Amanda Ramalho de Freitas BRITO UNEAL
  • Hermano de França RODRIGUES UFPB
Palavras-chave: Erotismo, Poesia, Reflexividade

Resumo

Este artigo analisa a construção metapoética (reflexividade) do erotismo em Adélia Prado, procurando investigar como o sagrado torna-se parte constitutiva do corpo-poema. Ideia discutida por meio da análise do texto Festa do corpo de Deus. Nossa leitura está fundamentada, principalmente, nas discussões teóricas de Bataille (2014), que pensa a construção erótica em seu aspecto de contemplação e meditação poética, como um mecanismo que situa o ser conscientemente no universo, uma vez que repercute a transgressão necessária à descontinuidade da vida.

Referências

ALVES, José Hélder Pinheiro. “Oráculos de Adélia”. In: Revista de literatura brasileira Teresa. N° 1, 1° semestre de 2000. São Paulo: Ed. 34, 2000, p. 233 – 236.

ANTELO, Raúl. “O lugar do erotismo”. In: O erotismo. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2014.

BANDEIRA, Manuel. Itinerário de Pasárgada. São Paulo: Global, 2012.

BATAILLE, Georges. O erotismo. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014.

BOSI, Alfredo. O ser e o tempo da poesia. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

BRANCO, Lúcia Castello. “Erotismo”. In: O que é: amor, erotismo, pornografia. São Paulo: Círculo do Livro, 1994. CÂNDIDO, Antônio. “O direito à Literatura”. In: Vários escritos. São Paulo: Duas Cidades, 1995.

CESAR, Ana Cristina. Crítica e tradução. São Paulo: Ática, 1999.

DURIGAN, Jesus Antônio. Erotismo e Literatura. São Paulo: Ática, 1985.

MOISES, Massaud. A criação literária: poesia. 11. Ed – São Paulo: Cultrix, 1989.

PRADO, Adélia. Poesia Reunida. Rio de Janeiro: Record, 2006.

STAM, Robert. A literatura através do cinema: realismo, magia e a arte da adaptação. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

Publicado
2017-12-26
Como Citar
BRITO, A. R. DE F.; RODRIGUES, H. DE F. A criação reflexiva do erotismo na tessitura lírica de Adélia Prado. Revista Graphos, v. 19, n. 2, p. 21-30, 26 dez. 2017.
Seção
Artigos do Dossiê