“Me mata, meu homem!”: violência e sexualidade em Navalha na carne

  • Rainério dos Santos LIMA UFOPA
Palavras-chave: Violência, Dramaturgia, Plínio Marcos

Resumo

Esse artigo analisa a peça Navalha na carne, do dramaturgo brasileiro Plínio Marcos, com foco no vínculo entre violência e sexualidades que define as relações intersubjetivas entre os sujeitos ficcionais. Parte-se das considerações de Peter Szondi sobre “a peça de um só ato” e do drama de confinamento para se entender as relações de poder entre os personagens do drama. Marginais do lúmpen, os três personagens de Navalha na carne – Vado, Neusa Sueli e Veludo – se caracterizam como sujeitos marcados pela violência, pelas sexualidades e pela sociabilidade degradada, cujas ações exteriorizam os traumas de vida e estabelecem um perverso jogo de poder e de exploração mútua.

Referências

ANDRADE, Welington. O teatro da marginalidade e da contracultura. In: FARIAS, João Roberto (Dir.). História do teatro brasileiro, v.2: do modernismo às tendências contemporâneas. São Paulo: Perspectiva: Edições SESCSP, p.239-257.

ARISTÓTELES. Poética. Trad. Eudoro de Souza. São Paulo: Ars Poética, 1993.

BENJAMIN, Walter. Jogo e prostituição. In: _____. Charles Baudelaire: um lírico no auge do capitalismo. Trad. José Martins Barbosa, Hermeson Alves Batista. São Paulo: Brasiliense, 1989, p.237 – 271.

COSTA, Jurandir Freire. A inocência e o vício. 4ª ed. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1992.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade II: O uso dos prazeres. 11ª ed. trad. de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984. Hegel. Estética: poesia. Trad. Álvaro Ribeiro. Guimarães Editores, 1964.

LUNA, Sandra. A tragédia no teatro do tempo: das origens clássicas ao drama moderno. João Pessoa: Ideia, 2008.

MARCOS, Plínio. Plínio Marcos: melhor teatro. São Paulo: Global, 2003.

ROMANO, Luiz Antonio Contatori. O teatro de Sartre. In: _____. A passagem de Sartre e Simone de Beauvoir pelo Brasil em 1960. Campinas, SP: Mercado de Letras: São Paulo: Fapesp, 2002, p.297-358.

ROSENFELD, Anatol. Navalha na nossa carne. In:_____. Primas do teatro. São Paulo:

EDUSP, São Paulo: Perspectiva; Campinas: EDUNICAMP, 1993, p.143-148.

ROSSET, Clément. O princípio da crueldade. Trad. De José Thomaz Brum. Rio de Janeiro: Rocco, 2002.

SANTIAGO, Silviano. A democratização no Brasil (1979-1981), cultura versus arte. In:

_____. O cosmopolitismo do pobre: crítica literária e cultural. Belo Horizonte: EDUFMG, 2004, p.134-155.

SARRAZAC, Jean-Pierre (org.). Léxico do drama moderno e contemporâneo. Trad. André Telles. São Paulo: Cosac & Naify, 2012.

SARTRE, Jean-Paul. Entre quatro paredes. Trad. Alcione Araújo e Pedro Hussal. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

SZONDI, Peter. Teoria do drama moderno (1880-1950). Trad. Luís Sérgio Repa. São Paulo: Cosac & Naify, 2001.

VIEIRA, Paulo. Plínio Marcos: a flor e o mal. Petrópolis RJ: Editora Firmo, 1994.

WILLIAMS, Raymond. Tragédia moderna. Trad. Betina Bischof. São Paulo: Cosac & Naify, 2002.

Publicado
2017-12-26
Como Citar
LIMA, R. DOS S. “Me mata, meu homem!”: violência e sexualidade em Navalha na carne. Revista Graphos, v. 19, n. 2, p. 165-185, 26 dez. 2017.
Seção
Artigos do Dossiê