A COSMOGRAPHIA DE CLAUDIUS PTOLOMAEUS:UM MANANCIAL DE CONHECIMENTOS DOADO PELO IMPERADOR D. PEDRO II À BIBLIOTECA NACIONAL

  • Lívia Lindóia Paes Barreto

Resumo

A Geographia de Claudius Ptolomaeus é uma obra multifacetada e de caráter peculiar: o texto compõe-se quase totalmente de topônimos (8.000), mas as idéias aí expressas são de tal forma importantes que, embora escrita no século II d.C., em um momento de virada de século (anos de 1472/1475) ela é republicada em latim, língua de cultura naquele momento. Selecionamos dois recortes para estudá-la: 1. O caminho percorrido desde a primeira publicação até o início da Idade Média, sua sobrevivência sustentada pelas idéias inovadoras na elaboração de mapas, idéias que são a fonte dos grandes questionamentos sobre o espaço geográfico, no momento dos grandes descobrimentos. Escrita em Alexandria, cidade do Egito romanizado, a Geographia despertou a atenção dos árabes, no século IX e, no início do século XV (1406), traduzida para o latim, apresenta-se, na Europa, em códice manuscrito. Neste mesmo século são feitas numerosas cópias manuscritas, ainda conservadas e, no último quartel do século (1472/1475), são publicadas as primeiras edições em versão incunábula, todas em latim. 2. Comentários lingüísticos e análise das características do exemplar da edição de 1486, do acervo da Imperatriz D. Thereza Christina Maria e doado pelo Imperador D. Pedro II à Biblioteca Nacional. PALAVRAS-CHAVE: Geografia; Renascimento; descobrimento; língua latina.
Como Citar
BARRETO, L. L. P. A COSMOGRAPHIA DE CLAUDIUS PTOLOMAEUS:UM MANANCIAL DE CONHECIMENTOS DOADO PELO IMPERADOR D. PEDRO II À BIBLIOTECA NACIONAL. Revista Graphos, v. 11, n. 2, 11.