A opressão materna em Selo das despedidas, de Heloneida Studart

  • Enedir Silva Santos UFMS
  • Kelcilene Grácia Rodrigues UFMS
Palavras-chave: Narrativa, Autoria Feminina, Romance, Maternidade

Resumo

A figura materna resulta em um estereótipo moldado por sentimentos de zelo e abnegação. Este modelo é reforçado pelas mídias, pela religião e também pela literatura, principalmente a escrita por homens, que insistem em veicular a imagem de boa mãe, pois pela responsabilização – um dos pilares da sociedade – ocorre o incentivo à sedimentação de um dos lugares sociais ocupados pela mulher. Entretanto, a maternidade não é feita apenas de flores e do amor materno, como demonstra Badinter (1985); à literatura feita por mãos femininas, por meio da representação, como evidenciam Castello Branco e Brandão (1989), cumpre o dever de desconstruir essa ideia, revelando os lados positivos e negativos desse papel. Em Selo das despedidas, Heloneida Studart evidencia a opressão materna por meio da exposição da trajetória familiar das Nogueira de Alencar. Neste romance, evidenciamos as marcas da maternidade na criação das meninas-mulheres, pois se percebe que a opressão é repassada, sucessivamente, de mãe para filhas, o que incorre em transgressão e resistência uma vez que personagens distintas rompem a castração materna e social.

Biografia do Autor

Enedir Silva Santos, UFMS
Doutora em Letras – Estudos Literários pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Diretora escolar da rede municipal de São José do Rio Preto, São Paulo
Kelcilene Grácia Rodrigues, UFMS
Doutora em Estudos Literários pela UNESP/Araraquara. Docente do Curso de Letras e do PPG-Letras da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Referências

BADINTER, Elisabeth. O amor conquistado: o mito do amor materno. Trad. de Waltensir Dutra. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo: a experiência vivida, vol. 2. Trad. de Sérgio Milliet. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016.

BRANCO, Lúcia C.; BRANDÃO, Ruth S. A mulher escrita. Rio de Janeiro: Casa Maria Editorial: LTC, 1989.

COELHO, Nelly N. Dicionário crítico de escritoras brasileiras: 1711-2001. São Paulo: Escrituras Editora, 2002.

DALCASTAGNÈ, Regina. Literatura brasileira contemporânea: um território contestado. Vinhedo: Horizonte, 2012.

DALCASTAGNÈ, Regina. A construção do feminino no romance brasileiro contemporâneo. s/d. Disponível em: http://www.crimic.paris-sorbonne.fr/IMG/pdf/dalcastagne.pdf Acesso em: 10 ago. 2018. DALCASTAGNÈ, Regina. Espaço de cumplicidade: a representação da figura materna na literatura brasileira contemporânea. 1999. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/cerrados/article/download/13319/pdf_292 Acesso em: 13 ago. 2018. LEITE, Ivana A. Mãe, o cacete. In: RUFFATO, Luiz (org.). 25 mulheres que estão fazendo a nova literatura brasileira. Rio de Janeiro: Record, 2004. p. 213-216

SARTRE, Jean-Paul. Que é a literatura? Trad. de Carlos F. Moisés. 3. ed. São Paulo: Ática, 2004.

STEVENS, Cristina Maria Teixeira. O corpo da mãe na literatura: uma ausência presente. 2007. Disponível em:

http://www.repositorio.unb.br/bitstream/10482/3785/1/CAPITULO_CorpoM%C3%A3eLiteratura.pdf Acesso em: 10 ago. 2018.

STUDART, Heloneida. Selo das despedidas. Rio de Janeiro: Ao livro técnico, 2000.

TEIXEIRA, Níncia Cecília R. Borges. Mãe e monstro: A desconstrução da figura materna na escrita de autoria feminina. Revista Terra roxa e outras terras: Revista de Estudos literários. Londrina, v. 20, p. 46-55, 2010. Disponível em: http://www.uel.br/pos/letras/terraroxa/g_pdf/vol20/TRvol20e.pdf Acesso em: 10 ago. 2018.

TELLES, Lygia F. Uma branca sombra pálida. In: ______. A noite escura mais eu. 4 ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1998. p. 127-142.

Publicado
2019-01-25
Como Citar
SANTOS, E. S.; RODRIGUES, K. G. A opressão materna em Selo das despedidas, de Heloneida Studart. Revista Graphos, v. 20, n. 2, p. 07-24, 25 jan. 2019.
Seção
Artigos do Dossiê