Do ciborgue às espécies companheiras: leituras de ficções de Jeanette Winterson e Karen Joy Fowler

  • Ildney Cavalcanti UFAL
Palavras-chave: Ciborgue, Espécies companheiras, Ontologias pós-humanas, Jeanette Winterson, Karen Joy Fowler

Resumo

Este trabalho está centrado em duas figuras cruciais para o pensamento crítico de Donna Haraway: o ciborgue (1985) e as espécies companheiras (2003). Surgida no famoso “A Cyborg Manifesto: science, technology, and socialist feminism in the late twentieth century”, a primeira, de continuado impacto nos debates contemporâneos, ajudou a demarcar uma ontologia póshumana de viés utópico, contribuindo para o avanço do pensamento feminista para além dos essencialismos e dos binarismos da cultura, numa postura crítica e irônica, alinhada à ênfase nas diferenças que caracterizou os feminismos nos anos 80. Os limites da teorização sobre o ciborgue são apontados pela própria Haraway, ao justificar o seu segundo manifesto, The Companion Species Manifesto (O manifesto das espécies companheiras) – cujas ideias são retomadas em When Species Meet [Quando as espécies se encontram] (2008) – com a percepção de que o ciborgue não conseguiria mais, por si só, dar conta da tarefa feminista que ambiciona(ra). Nas leituras dos romances The Stone Gods [Os Deuses de Pedra], (2007), de Jeanette Winterson, e We Are All Completely Beside Ourselves [Estamos Completamente Fora de Controle] (2013), de Karen Joy Fowler, analiso figurações ficcionais destas duas metáforas, apontando linhas de continuidade e ruptura com foco na questão das ontologias pós-humanas e explorando as possibilidades de intensificarmos os diálogos entre os estudos literários e o pensamento instigante dessa estudiosa e ativista feminista.

Biografia do Autor

Ildney Cavalcanti, UFAL
Doutor em English Studies pela University of Strathclyde. Professora Associada, PPGLL, Fale, Universidade Federal de Alagoas, Brasil

Referências

BALSAMO, Anne. Technologies of the gendered body: reading cyborg women. Durham and London: Duke U.P., 1999.

BECK, Evelyn. Winterson, Jeanette. The stone gods. Library Journal. March 15th, 2008. [resenha]

BLOCH, Ernst. A philosophical view of the detective novel. In: The utopian function of art and literature: selected essays. Tradução Jack Zipes e Frank Mecklenburg. Cambridge, Mass., e Londres: MIT Press, 1995.

_____. The principle of hope. Tradução Neville Plaice, Stephen Plaice e Paul Knight. Cambridge, Mass.: The MIT Press, 1995.

BRANDÃO, I.; CAVALCANTI, I.; COSTA, C.L.; LIMA, A.C. (Orgs.) Traduções da cultura: perspectivas críticas feministas 1970-2010. Florianópolis: Mulheres, Ed Ufsc; Maceió: Edufal, 2017.

CALARCO, Mathew. Boundary issues: human-animal relationships in Karen Joy Fowler´s We are all completely beside ourselves. Modern Fiction Studies, 60, n. 3, 2014.

CAVALCANTI, Ildney. A distopia feminista contemporânea: um mito e uma figura. In: MUZART, Zahidé; BRANDÃO, Izabel (Orgs.). Refazendo nós: ensaios sobre mulher e literatura. Florianópolis: Ed. Mulheres; Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2003.

_____. “You’ve been framed”: o corpo da mulher nas distopias feministas. In: BRANDÃO, Izabel (Org.). O Corpo em Revista: olhares interdisciplinares. Maceió: Edufal, 2005.

CAVALCANTI, I.; HARAN, J. O feminismo multiespécies de Donna Haraway. In: BRANDÃO, I.; CAVALCANTI, I.; COSTA, C.L.; LIMA, A.C. (Orgs.) Traduções da cultura: perspectivas críticas feministas 1970-2010. Florianópolis, Maceió: Mulheres/Edufal/EdUfsc, 2017.

_____. O amor em tempos distópicos: corpos utópicos em The stone gods, de Jeanette Winterson. In: CAVALCANTI, Ildney; PRADO, Amanda (orgs.) Mundos gendrados alternativamente: ficção científica, utopia, distopia. Maceió: Edufal, 2011.

_____. The writing of utopia and the feminist critical dystopia: Suzy McKee Charnas´s Holdfast Series. In: BACCOLINI, Raffaella; MOYLAN, Tom (eds.). Dark horizons: science fiction and the dystopian imagination. Nova Iorque e Londres: Routledge, 2003.

GREBOWICZ, M.; MERRICK, Helen. Beyond the cyborg – adventures with Donna Haraway. Nova Iorque: Columbia University Press, 2013.

FOUCAULT, Michel. Os corpos utópicos, as heterotopias. Tradução Selma Muchail. São Paulo: N-1 Edições, 2013.

FOWLER, Karen Joy. We are all completely beside ourselves. Londres: Serpent´s Tail, 2014.

HARAN, Joan. Revisioning feminist futures: literature as social theory. PhD Thesis. University of Warwick, 2003.

HARAWAY, Donna. A game of cat´s cradle: science studies, feminist theory, cultural studies. Configurations (1), 1994. p. 59-71,.

_____. Birth of the kennel: a lecture by Donna Haraway. Aug. 2000. Disponível em: http://www.egs.edu/faculty/donna-haraway/articles/birth-of-the-kennel/ Acesso em: 15 jul. 2014.

_____. Manifestly Haraway. Minneapolis / London: University of Minnesota Press, 2016. 120

_____. Manifesto ciborgue: ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX. Tradução Tomaz Tadeu. In: HARAWAY, D.; KUNZRU, H.; TADEU, T. (Orgs.). Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

_____. Otherworldly conversations; terran topics; local terms. In: The Haraway reader. New York: Routledge, 2004.

_____. Simians, cyborgs, and women: the reinvention of nature. London: Free Association Books, 1991.

HARDING, Sandra. The science question in feminism. Ithaca, NY: Cornell University Press, 1986.

_____. Whose science? Whose knowledge? Thinking from women's lives. New York: Cornell University Press, 1991.

KAFKA, Franz. Um médico rural – pequenas narrativas. Tradução Modesto Carone. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

KIRKUP, Gill et al. (Eds.) The gendered cyborg: a reader. London & New York: Routledge, 2000.

OLIVEIRA NETO, Pedro Fortunato. Uma micro-utopia na distopia: a recusa à lógica do canibal em A estrada, de Carmac McCarthy. Trabalho de Conclusão de Curso. Graduação em Letras – Inglês. Universidade Federal de Alagoas, 2016.

SARGENT, Lyman Tower. Do dystopias matter? In: VIEIRA, Fátima (ed.). Dystopia(n) matters – on the page, on screen, on stage. Newcastle upon Tyne: Cambridge Scholars Publishing, 2013.

WINTERSON, Jeanette. The stone gods. London, Penguin, 2008.

WHICH universe are we in? [Em que universo estamos?] (Horizon, BBC 2, 2014).

Publicado
2019-01-25
Como Citar
CAVALCANTI, I. Do ciborgue às espécies companheiras: leituras de ficções de Jeanette Winterson e Karen Joy Fowler. Revista Graphos, v. 20, n. 2, p. 102-120, 25 jan. 2019.
Seção
Artigos do Dossiê