Subjetivações rizomáticas e a ideia de corpo sem órgãos em A fúria do corpo, de João Gilberto Noll

  • Francisca Gilmara da Silva Almiro UERN
  • Roniê Rodrigues da Silva UERN
Palavras-chave: Literatura Brasileira Contemporânea, João Gilberto Noll, Identidade, Corpo sem Órgãos, Rizoma

Resumo

O trabalho apresenta uma leitura da obra A Fúria do corpo, de João Gilberto Noll, a partir dos conceitos de Corpo sem Órgãos e Rizoma propostos pelos filósofos franceses Gilles Deleuze e Félix Guattari. Nesse sentido, objetiva estudar a construção identitária das personagens da referida narrativa, estabelecendo uma associação com essas noções filosóficas, problematizando, sobretudo, a errância das personagens e a linguagem utilizada para a composição da obra. Ao longo da leitura crítica, destacaremos como o texto de Noll nos desafia à construção de sentidos através de uma subjetividade constituída a partir de linhas de fuga, ideia discutida pelos filósofos supracitados. Ao adentrarmos no texto ficcional pelo viés de tais linhas, é possível entender como as personagens percebem e vivem suas experimentações rizomáticas. Desse modo, não se pretende aqui atribuir sentidos fechados à narrativa, mas sugerir que o Corpo sem Órgãos e o Rizoma são características que representam as experiências errantes das personagens encontradas na escrita de Noll.

Biografia do Autor

Francisca Gilmara da Silva Almiro, UERN
Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Letras – Universidade do Estado do Rio Grande do Norte
Roniê Rodrigues da Silva, UERN
Doutor em Literatura comparada. Professor Adjunto da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Referências

BAUMAN, Z. Identidade. Entrevista a Benedetto Vecchi. Tradução brasileira de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2005. BÍBLIA, Português. Bíblia Sagrada. Tradução de Ivo Storniolo e Euclides Martins Balancin. São Paulo: Paulus, 1991.

DELEUZE, Gilles & GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia, vol. 1. Tradução de Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. São Paulo: Ed. 34, 1995.

EAGLETON, Terry. As ilusões do pós modernismo. Tradução de Elisabeth Barbosa. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1998.

_____. Marxismo e crítica literária. Tradução de Matheus Corrêa. São Paulo: Unesp, 2011.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização e tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

GUATTARI, Félix & ROLNIK, Suely. Micropolítica: Cartografias do desejo. 11.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

LUKÁCS, Georg. A fisionomia intelectual dos personagens artísticos. In: _____. Marxismo e teoria da literatura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

_____. Arte e sociedade: escritos estéticos 1932 -967. Organização, apresentação e tradução de Carlos Nelson Coutinho e José Paulo Netto. 2 ed. Rio de Janeiro: Editora, UFRJ, 2011.

MAFFESOLI, M. Sobre o nomadismo: vagabundagens pós-modernas. Rio de Janeiro / São Paulo: Record, 2001.

NOLL, João Gilberto. A Fúria do corpo. São Paulo: 1981.

SANTIAGO, Silviano. O narrador pós-moderno. In: _____. Nas malhas da letra. Rio de Janeiro: Rocco, 2010.

Publicado
2019-07-04
Como Citar
ALMIRO, F. G. DA S.; SILVA, R. R. DA. Subjetivações rizomáticas e a ideia de corpo sem órgãos em A fúria do corpo, de João Gilberto Noll. Revista Graphos, v. 21, n. 1, p. 261-275, 4 jul. 2019.