Espaços perdidos e identidades outras: um arquivo que se abre ao sul

  • Edgar Cézar Nolasco UFMS
  • Tiago Osiro Linhar Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.
Palavras-chave: Literatura, Fronteira, Espaços, Autobiografia, Arquivo

Resumo

Pelo viés da crítica biográfica fronteiriça (NOLASCO, 2013), o presente trabalho pretende evocar espaços de caráter autobiográfico partindo de um espaço ficcional. Trata-se do palácio/cartel da novela Trabajos del reino, uma metáfora que toma as proporções de um arquivo que se abre ao Sul. Contudo, teorizo a partir de meu bios, pautando na premissa que – em uma perspectiva descolonial – o espaço prevalece à noção do tempo. A fim de remontar minhas vivências e experiências pessoais, ao invés de fazer um percurso cronológico e temporal, divido este texto em três espaços simbólicos: o palácio; o castelo e a casa. Espaços que me constituem como um sujeito que habita a fronteira do sistema mundial colonial/moderno. Para tanto, a discussão será ilustrada com passagens da novela Trabajos del reino do escritor mexicano Yuri Herrera (2004). Empreendo, assim, uma busca que culminará em um espaço autobiográfico ligado ao nome que remete à minha identidade; em suma, um espaço, como tantos outros, que se perde e se resgata ao Sul.

Biografia do Autor

Tiago Osiro Linhar, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.
Doutorando em Estudos de Linguagens pela UFMS e membro do Núcleo de Estudos Culturais Comparados (NECC).

Referências

ARFUCH, Leonor. Auto/biografia como (mal de arquivo). In: SOUZA, Eneida Maria de;

MARQUES, Reinaldo (org.). Modernidades alternativas na América Latina. Belo Horizonte. Editora UFMG, 2009. p. 370-382.

DERRIDA, Jacques. Mal de Arquivo: uma impressão freudiana. Jacques Derrida. Tradução de Claudia de Moraes Rego. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

______. Força de lei. Editora: WMF Martins Fontes, 2010.

GROSFOGUEL, Ramón. El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Santiago Castro-Gómez y Ramón Grosfoguel (org.). – Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007.

HERRERA, Yuri. Trabajos del reino. España. Editorial Periférica, 2010.

HOUAISS, A.; VILLAR, M. S. Dicionário da língua portuguesa. 2. ed. – revista e aumentada. Rio de Janeiro: Objetiva, 2004.

JOHANSEN, Kevin. Sur o no Sur. Argentina: Los años luz discos, 2002.

KLINGER, Irene Daiana. Escritas de si, Escrita do outro: auto ficção e etnografia na narrativa latino-americana contemporânea. Tese de doutorado em letras. Literatura comparada. Rio de Janeiro: UERJ, 2006.

MIGNOLO, Walter D. Histórias locais/Projetos Globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Minas Gerais: Editora UFMG, 2003.

______. Habitar la frontera: sentir y pensar la descolonialidad (antologia 1999-2014). Francisco Carballo y Luis Alfonso Herrera Robles (Prólogo y selección). Editora Fundación

CIDOB; Edição: 1 (20 de fevereiro de 2015), 2015.

______. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: literatura, língua e identidade, n. 34, 2008. p. 287-324.

NOLASCO, Edgar Cezar. Perto do coração selbaje da crítica fronteriza. São Carlos: Pedro & João Editores, 2013.

______. Memórias subalternas latinas: ensaio biográfico. Caderno de estudos culturais. V. 5, n. 10, 2013. p. 65-88.

______. Fronteiras platinas em Mato Grosso do Sul (Brasil/Paraguai/Bolívia). Edgar Cézar Nolasco (org). Editora Pontes, 2017. Revista Graphos, vol. 21, n° 3, 2019 | UFPB/PPGL | ISSN 1516-1536

OLVERA, Ramón Gerónimo. Sólo las cruces quedaron: literatura y narcotráfico. Tesis Doctoral, 2013. Disponível em: https://www.academia.edu/6991581/Solo_las_cruces_quedaron._Literatura_y_narcotr%C3%A1fico. Acesso em: 10 de julho de 2015.

ORTEGA, Francisco. Para uma política da amizade: Arendt, Derrida, Foucault. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2000.

SANTOS, Boaventura de Souza; MENESES, Maria Paula (org.). Epistemologias do sul. Edições Almeida AS, 2009.

SOUZA, Eneida Maria de. Crítica cult. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

Publicado
2020-01-30
Como Citar
NOLASCO, E. C.; LINHAR, T. O. Espaços perdidos e identidades outras: um arquivo que se abre ao sul. Revista Graphos, v. 21, n. 3, p. 130-156, 30 jan. 2020.