Ensaio de crítica autobiográfica: trajetos de vida e documentos de percurso nos procedimentos metodológicos de escrita de um romance

  • Luciany Aparecida Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira / UNILAB
Palavras-chave: Crítica autobiográfica, Trajetos de vida, Documentos de percurso, Cartografias de mulheres, Brasil Colônia

Resumo

Nesse texto apresento procedimentos metodológicos que venho realizando no processo de produção e escrita de um romance. Faço aqui um ensaio de crítica autobiográfica, pontuando esse conceito como aproximação e cruzamento entre campos da história e da criação literária. Os resultados da pesquisa que realizo para a produção do texto ficcional são lidos como documentos de percurso. São esses trajetos de vida ou micro-histórias de algumas mulheres que na sociedade colonial brasileira (séculos XVIII e XIX) foram comerciantes em trânsito de mercadorias e realizaram pontuais movimentos de liberdade (escrava/liberta; casada/separada; comerciante), destacando encruzilhadas entre essas trajetórias como pontos de apoio e resistência.

Biografia do Autor

Luciany Aparecida, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira / UNILAB
Campus dos Malês - Curso de Letras

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo? E outros ensaios. Trad. Vinícius Nicastro Honesko. Chapecó: Argos, 2009.

APARECIDA, Luciany Alves Santos. Modelos vivos em uso: Poesia e performance de Ricardo Aleixo (em) um exercício crítico de literatura contemporânea. 2015. Tese (Doutorado em Letras) – Programa de Pós-graduação em Letras. Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa. p. 254 f.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. Trad. Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo, 2016.

FRAGA FILHO, Walter. Encruzilhadas da Liberdade: histórias de escravos e libertos na Bahia, 1870-1910. São Paulo: Editora da Unicamp, 2006.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Produção de presença: o que o sentido não consegue transmitir. Trad. Ana Isabel Soares. Rio de Janeiro: Contraponto: Ed. PUC-Rio, 2010.

IVO, Isnara Pereira. Homens de caminhos: trânsitos, comércio e cores nos sertões da América portuguesa – século XVIII. 2009. Tese (doutorado) – Programa de Pós-Graduação em História/UFMG, Belo Horizonte, MG.

LEJEUNE, Philippe. Pactoautobiográfico de Rousseau à internet. Trad. Jovita Maria Gerheim Noronha e Maria Inês Coimbra Guedes. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008. p. 103 a 109.

PAIVA, Eduardo França. Mulheres de diversas “qualidades” e seus testamentos na colonial, escravista e mestiça capitania das Minas Gerais. In: XAVIER, Giovana; FARIAS, Juliana Barreto; GOMES, Flávio (orgs.). Mulheres Negras no Brasil Escravista e do Pós- Emancipação. São Paulo: Selo Negro, 2012. p. 11-23.

PAIVA, Eduardo França. Escravidão e universo cultural na colônia, Minas gerais, 1716- 1789. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2001.

PAIVA, Eduardo França. Escravos e libertos nas Minas Gerais do século XVIII: estratégias de resistência através dos testamentos. 3ed. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: PPGH-UFMG, 2009.

REIS, Isabel Cristina Ferreira. A família negra no tempo da escravidão: Bahia 1850-1888. Tese (Doutorado em História) – Departamento de História do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas/Universidade de Campinas, Campinas, 2007.

REIS, João José; AZEVEDO, Elciene (Orgs.). Escravidão e suas sombras. Salvador:

EDUFBA, 2012.

REIS, João José. Raimundo Sodré: um sacerdote africano: escravidão, liberdade e candomblé na Bahia do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

SANTANA, Clíssio Santos. “Ele queria viver como se fosse homem livre”: escravidão e liberdade no Termo de Cachoeira (1850-1888). Dissertação, Programa de Pós-Graduação em História Social, Universidade Federal da Bahia, 2014, p. 177.

NATÁLIA, Lívia. Sobejos do mar. Salvador: Edições Caramurê, 2017.

XAVIER, Giovana; FARIAS, Juliana Barreto; GOMES, Flávio (Orgs.) Mulheres Negras no Brasil Escravista e do Pós-Emancipação. São Paulo: Selo Negro, 2012.

Publicado
2020-01-30
Como Citar
APARECIDA, L. Ensaio de crítica autobiográfica: trajetos de vida e documentos de percurso nos procedimentos metodológicos de escrita de um romance. Revista Graphos, v. 21, n. 3, p. 157-171, 30 jan. 2020.