Maura Lopes Cançado: considerações em torno do início da literatura feminina autobiográfica no Brasil

  • Márcia Moreira Custódio Intituto Federal do Triângulo Mineiro - Campus Avançado Uberaba Parque Tecnológico http://orcid.org/0000-0001-9168-6367
  • Alex Correia Jardim Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes)
Palavras-chave: Literatura feminina, Escrita de si, Maura L. Cançado, Literatura autobiográfica, Loucura

Resumo

A proposta do texto é problematizar a literatura feminina no Brasil, em especial aquela de perspectiva autobiográfica. Esse ‘estilo’ de escrita em Maura L. Cançado nos mostra que neste gênero a literatura se mistura com o próprio ato de escrever, um tipo de murmúrio estranho que não se restringe a uma mera consciência crítica. E é pela escrita de Hospício é deus – diário I (1965) e de O sofredor do ver (1968) que a escritora faz uma consagração das palavras e expressa, a partir daquilo que a transvasa, sua inquietude em relação ao mundo, às pessoas, às relações. Em Maura, a “palavra literária é um ‘arrombamento’”, escapando-se das limitações da mera linguagem formal. Nesse sentido, Maura escapa a uma busca pela verdade ou estabelecimento de uma metanarrativa e se insurge no direito de falar, de instituir um território, um possível qualquer. É a partir desse fio condutor que pensaremos a obra de Maura Lopes Cançado, enfatizando a relação entre escrita ficcional e autobiográfica, indicando de que modo autora e personagem se imbricam e expressam sentimentos em relação a uma determinada ordem constituída e estabelecida.

Biografia do Autor

Márcia Moreira Custódio, Intituto Federal do Triângulo Mineiro - Campus Avançado Uberaba Parque Tecnológico
Mestre em Letras/Estudos Literários pela Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes); Doutora em Letras/Estudos Literários pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes); Professora EBTT do IFTM/Campus Avançado Uberaba Parque Tecnológico.
Alex Correia Jardim, Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes)
Doutor em Filosofia. Professor do Mestrado em Letras/Estudos Literários. Professor do Mestrado Profissional em Filosofia e Coordenador do Laboratório de Filosofia, Ciências Humanas e Outros Sistemas de Pensamento pela Universidade Estadual de Montes Claros-MG

Referências

BLANCHOT, M. O livro por vir. Tradução de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

BLANCHOT, M. O espaço literário. Tradução de Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Rocco, 2011.

CANÇADO, M. L. O sofredor do ver. Rio de Janeiro: José Álvaro Editor, 1968.

CANÇADO, M. L. Hospício é deus: Diário I. Rio de Janeiro: Círculo do Livro, 1991.

CANÇADO, M. L. O sofredor do ver. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

CANÇADO, M. L. Hospício é deus: Diário I. 5. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

CASTELLO BRANCO, Lúcia. O feminino ofício de uma escrita delirante. In: A mulher escrita. Rio de Janeiro: Lamparina Editora, 2004.

CUSTÓDIO, M. M. Literatura e loucura: a carnalidade da loucura de Maura Lopes Cançado em Hospício é deus. Dissertação (Mestrado em Letras/Estudos Literários), Universidade Estadual de Montes Claros, Minas Gerais, 2014.

CUSTÓDIO, M. M. A escrita de Maura Lopes Cançado: um contraponto com a (des)articulação da linguagem do louco. Tese (Doutorado em Letras/Estudos Literários), Universidade Federal do Espírito Santo, Espírito Santo, 2017.

DELEUZE, Gilles. Crítica e clínica. Tradução de Peter PálPelbart. São Paulo: 34, 1997.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Ed. 34, 1997, v. 4.

FOUCAULT, M. História da loucura: na Idade Clássica. Tradução de José Teixeira Coelho Neto. 9. ed. São Paulo: Perspectiva, 2010.

JARDIM, Alex C.; MAIA, Claudia de Jesus. Loucura e literatura: aproximações entre Lima Barreto e Michel Foucault. Poiesis: Revista de Filosofia, Montes Claros, v. 12, n. 1, 2015, p. 60-73.

PELBART, P. P. A nau do tempo rei: 7 ensaios sobre o Tempo da Loucura. Rio de Janeiro: Imago. 1993.

Publicado
2020-01-30
Como Citar
CUSTÓDIO, M. M.; JARDIM, A. C. Maura Lopes Cançado: considerações em torno do início da literatura feminina autobiográfica no Brasil. Revista Graphos, v. 21, n. 3, p. 77-90, 30 jan. 2020.