A VISÃO ROMÂNTICA E O PATHOS DA EXISTÊNCIA EM GOETHE

  • Edilson Vilaço de Lima UFMA

Resumo

O seguinte trabalho surgiu da influência de Goethe e do romantismo no pensamento cultural da sociedade moderna do século XVIII. Que suscitou a refletir em consonância com o próprio pensamento goethiano algumas dessas elucubrações mais importantes na vida do homem moderno. Indagações que nos impelem a ser suscitados e a dividir tais dúvidas, e essa é uma das áreas que a pena de Goethe cortará no âmbito do conhecimento, ou como ele dizia, escrito na forma de uma ciência literária. Portanto, é na leitura e nos questionamentos acerca da natureza humana que Goethe consegue erigir uma Naturphilosophie – filosofia da natureza e uma poesia filosófica. A visão romântica como a oposição ao pensamento iluminista racional, e as artes e a literatura como expressões de resistência desse movimento literário. Enxergando no PATHOS – paixão ou sofrimento -, a visão universal, um élan que une todos os homens, denotando a arte como reflexo dos sentimentos, principalmente na obra Os Sofrimentos Do Jovem Werther. E apontar como essa visão romântica ou ultra-romântica que é a poesia se converte em um  espelho do mundo, com verso e anverso. E o pensamento goethiano conseguiu galgar os dois lados desse espelho, na forma da poesia e das indagações sobre a existência. É o que tentaremos mostrar e deslindar no cerne dessa pesquisa no que tange a tais problemas.

Referências

BOSCH, Bruno. A história da literatura alemã. São Paulo: Editora Herder, 1967.

CAEIRO, Olivio. Oito séculos de poesia alemã. Campinas: Fundação Calouste Gulbenkian, 1967.

CARPEAUX, Otto Maria. História da Literatura Ocidental. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2003. (Edições do Senado Federal. v. 107 – C).

CITATI, Pietro. Goethe. Trad. Rosa Freire d’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

ÉSQUILO. Prometeu acorrentado. São Paulo: Editora Compasso, 2008.

ERWIN, Thedor. Introdução à Literatura alemã. São Paulo: Buriti, 1980.

GOETHE, Johann Wolfgang Von. Os anos de aprendizado de Wilhelm Meister. Trad. Nicolino Simone Neto; apresentação de Marcus Vinicius Mazzari; posfácio de George Lukacs. São Paulo: Ed. 34, 2006.

______. Fausto: uma tragédia: primeira parte. Tradução do original alemão de Jenny Klabin Segall; apresentação e comentários e notas de Marcus Vinicius Mazzari; ilustrações de Eugene Delacroix. São Paulo: Ed. 34, 2004.

______. Os sofrimentos do jovem Werther. Trad. Erlon J. Paschoal. São Paulo: Nova Cultural 2000.

HOBSBAWN, Eric. A era das revoluções. Trad. Marcos Penchel e Maria L. Teixeira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1961.

JAEGER, Werner. A paidéia: a formação do homem grego. Trad. Artur M. Parreira. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

LEBRUN, Gerard. A filosofia e sua história. São Paulo: Cosac & Naify, 2006.

NIETZSCHE, Friedrich. A visão dionisíaca do mundo e outros textos da juventude. Trad. Marcos Sinésio de Souza, revista por Marcos Antonio Casanova. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

______. O Nascimento da Tragédia ou Helenismo ou Pessimismo. Notas, tradução e posfácio J. Guinsburg. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

______. Nietzsche e os Gregos: arte, memória e educação: assim falou Nietzsche. In: MARTINS, Ângela Maria Souza; FEITOSA, Charles; BARRANCHEA, Miguel Angel; PINHEIRO, Paulo. (Orgs.). Rio de Janeiro: Faperj; Unirio; Brasília, DF: Capes, 2006.

NUNES, Benedito. No tempo do nilismo e outros ensaios. Porto Alegre: Ática, 1993.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Discurso sobre a origem e a desigualdades entre os homens. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

SCHILLER, Friedrich. A educação estética do homem. São Paulo: Iluminuras, 2002.

Publicado
2016-05-04
Como Citar
LIMA, E. V. DE. A VISÃO ROMÂNTICA E O PATHOS DA EXISTÊNCIA EM GOETHE. Letras & Ideias, v. 1, n. 1, p. 133-153, 4 maio 2016.
Seção
Artigos