COOPERAÇÃO E EMPATIA:

UMA ARTICULAÇÃO EM FAVOR DOS FUNDAMENTOS NATURAIS PARA A MORALIDADE

  • Rafael Francisco Hiller Unisinos
  • Heloisa Allgayer Unisinos
Palavras-chave: Empatia, Cooperação, Etologia, Hume, Evolução

Resumo

O objetivo deste artigo é trazer subsídios teóricos e empíricos que possam fundamentar uma abordagem naturalista do fenômeno moral. A moralidade, neste artigo, será entendida enquanto um fenômeno necessário para a manutenção da vida em grupo dos mamíferos sociais de vida complexa. Tal hipótese será defendida ao longo deste trabalho, a partir da defesa de uma relação existente entre empatia e cooperação dentro do grupo de grandes primatas, mais especificamente nas comunidades de Chimpanzés (Pan troglotydes versus). Esta pesquisa está ancorada pelas descobertas realizadas por Hume, principalmente, nas discussões em torno da sua proposta de tratar as questões pertencentes ao campo da filosofia moral a partir do emprego de métodos experimentais, bem como por novos avanços nas ciências biológicas e cognitivas que permitem buscar novas resoluções para as indagações presentes há séculos no campo especulativo da filosofia moral. As pesquisas etológicas com primatas fornecem subsídios indispensáveis para a sustentação da hipótese de que algumas emoções aparecem como resposta a certos fatos socialmente considerados de grande valia. Desta forma, intento demonstrar que os elementos indispensáveis para o surgimento de um determinado fenômeno moral estão contidos na estrutura biológica de mamíferos sociais de vida complexa. Certamente, os dados empíricos e teóricos trazidos por esta pesquisa, contribuem de forma significativa para a sustentação do argumento a favor de uma teoria que procura entender a moralidade através de bases evolucionistas.

Referências

ALEXANDER, R. The Biology of Moral system. De Gruyter, New York, 1987.

AVELAR, T. MATOS,M. Seleção de Parentesco e altruísmo. Análise Psicológica, 1-2-3 (VII),p.57-62, 1989.

AXELROD, R. The evolution of Cooperation. Basic Books, New York, 1984.

BARD, K. (2007). Neonatal imitation in chimpanzees (Pan Troglodytes) tested with two paradigms. Animal Cognition, 10, 233–242.

BRITO, A. N. de. 2001. Hume e o empirismo na moral. Philósophos, Goiânia, v.6, n. 1 e 2, p.11-25.

CASANOVA, C., R. CEBALLOS, P.C. LEE. Innovate Social Behavior in Chimpanzees,2008.

______. Introdução à Antropologia Biológica: Princípios Evolutivos, Genética e Primatologia.Lisboa: ISCSP,2006.

(Pan troglodytes). American Journal of Primatology, 70: 54-61.

CARVALHO, J. Comportamento Social em Chimpanzés ( Pan troglodytes): Manutenção de Estatuto Social e Hierarquia Social de Dominância, Lisboa. 2008.68f. Dissertação (Mestrado em Biologia Humana e Ambiente)- Faculdade de ciências da Universidade de Lisboa- Centro de Biologia Ambiental.

COLLINGE, N. Introduction to Primate Behavior. Kendall/Hunt Publishing Company. Iowa,1993.

CRAILSHEIM. et al. Social competence of adult chimpanzees (Pan troglodytes) with severe deprivation history: I. An individual approach.Developmental Psychology, [s.l.], v. 47, n. 1, p.77-90, 2011. American Psychological Association (APA).

DARWIN, C. The Origin of Species by Means Of Natural Selection, or the Preservation of Favored Races in the Struggle for Life. 6 ed.London: John Murray, 1872a.

________. The expression of the emotion in Man and Animals. New York. D Appleton Company, 1872b.

_______. The Descent of man, and selection in relation to sex. New Jersey. Princeton University. 1981.961p.

DARWALL,S.(1998).Empathy,sympathy, care.Philosophical Studies, 89,261-282.7

DE WAAL, F. Good natured: The origins of right and wrong in humans and other animals. Cambridge, MA: Harvard University Press,1996.

_______. 1989. Food sharing and reciprocal obligations among chimpanzees. Journal of Human Evolution, 18: 433–459.

DUNBAR, R. I. M. The social brain hypothesis. Evolutionary Anthropology, 6, 178-190, 1998.

ESTRADA, A. Comportamiento animal: el caso de los primates. México: Fondo de Cultura Económica, 1991. 172 p.

FISHER,RA. The genetical Theory of Natural Selection. Clarendon Press, Oxford, 1930.

GOODALL, J. The Chimpanzees of Gombe. Patterns of Behavior. The Belknap Press of Havard University Press. Cambridge , Massachusets, and London, England,1986.

HAMILTON, W.D. The genetical evolution of social behaviour. I,II. J. Theor Biol.7,1-52,1964.

HEPPER,P,G. Kin recognition: functions and mechanisms. A review. Biol.Rev,1986.

HUME, D. Investigações sobre o entendimento humano e sobre os princípios da moral. Traduzido por José Oscar de Almeida Marques. São Paulo, Unesp, 2004.

_________. Tratado da natureza humana: uma tentativa de introduzir o método experimental de raciocínio nos assuntos morais. Traduzido por Débora Danowski. São Paulo, Unesp, 2009.

_________. Do contrato original. In: Ensaios Morais, Políticos e Literários. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da moeda, 2002

HU, H.Y, et al.Evolutionofthehuman-specificmicroRnAmiR-941.NatureCommunications|3:1145|DoI:10.1038/ncomms2146, 2012.

LIEBERMAN, C.et al. Nature 433, 312, 2005.

MESQUITA, M. O papel dos mecanismos psicobiológicos de sociabilidade no comportamento moral, 2015,143f. Tese. (Tese em filosofia)- Escola de Humanidades, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo.

NOWAK,M. Five Rules for the Evolution of Cooperation. Science, vol 314, 2019.

KREBS,J.R. DAVIES,N.B. An introduction to behavioural ecology.2nd. Oxford: Ed. Blackwell Scientific Publication,1987.

REALE, G. História da Filosofia: do Humanismo a Kant. São Paulo, Paulus,

PLUTCHIK, R. (1987). Evolutionary bases of empathy. In: N. Eisenberg, & J. Strayer (Eds.), Empathy and its development (pp. 38-46). New York: Cambridge University Press.

TUGENDHAT, E. Lições sobre ética. 1. ed. Petrópolis: Vozes, 1997

PRESTON, S. D. DE WALL, F. B. M. (2002). The communication of emotions and the possibility of empathy in animals. In: Altruistic love: Science, philosophy, and religion in dialogue, ed. S. Post, L. G. Underwood, J. P. Schloss & W. B. Hurlburt. Oxford University Press.

Publicado
2019-12-24
Seção
Artigos