O DISCURSO EVOLUTIVO NA OBRA ORIGEM DAS ESPÉCIES PODE SER CONSIDERADO UMA TELEOLOGIA NATURAL?

  • Rafael Francisco Hiller Unisinos
  • Heloisa Allgayer Unisinos
Palavras-chave: Teleologia, Evolucionismo, Darwin

Resumo

Neste artigo, iremos usar como aporte teórico a teoria da evolução desenvolvida na sexta edição da Origem das espécies de Charles Darwin, analisaremos a relação causal desenvolvida pelo autor na estruturação do argumento de seleção natural, a partir disso, será investigado possíveis traços teleológicos nas estratégicas argumentativas de Darwin. Como metodologia desse trabalho, serão examinados os capítulos que contém o principal arcabouço para a estruturação da hipótese de seleção natural, com base nisso, os elementos causais serão destacados, bem como serão elencados os possíveis traços de um discurso teleológico por parte de Darwin. A partir da análise que foi realizada é possível afirmar que discurso de Darwin possui pressupostos teleológicos no que se refere ao processo que leva a produção de novas formas orgânicas se mostra claramente na noção de mudanças que são produzidas como adaptações. A seleção natural, determina à preservação/extinção na natureza, possui a função de direcionamento do processo evolutivo, afim de que, surjam novas formas aperfeiçoadas. A partir disso, pode-se supor um princípio teleológico na estratégia argumentativa darwiniana, pois tem como causa final o surgimento de uma nova forma aperfeiçoada.

Palavras-chave: Teleologia; Evolucionismo; Darwin

Referências

DARWIN, Charles. The Origin of Species by Means Of Natural Selection, or the

Preservation of Favored Races in the Struggle for Life. 6 ed. London: John Murray, 1872.

DARWIN, Charles. The variation of animals and plants under domestication. London: John Murray, 1868. 2 vols.

KANT, I., Critique of the Power of Judgment, Edited by Paul Guyer, translated by Paul Guyer and Eric Mathews, Cambridge and New York: Cambridge University Press, 2000. The Cambridge Edition of the Works of Immanuel Kant.

HUNEMAN, Philippe (2007). Understanding Purpose. University of Rochester Press. pp. 1–37.

MARTINS R. A., MARTINS, L. A. C.P., SILVA, C. C., FERREIRA, J. M. H.(eds.). Filosofia e história da ciência no Cone Sul: 3º Encontro. Campinas: AFHIC, 2004.

OLIVA, A. 1990a. A hegemonia da concepção empirista de ciência a partir do Novum Organon de F. Bacon./n: OLIVA, A. org. Epistemologia: a cientificidade em questão. Campinas, Papirus. p. 11 -33.

REGNER, A. C. K. O conceito da natureza em “A origem das espécies”. p. 35-40, in: VI Seminário Nacional de História da ciência e da tecnologia. Anais. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de História da ciência, 1997.

REGNER, A. C. K. A teoria darwiniana da seleção natural sem a leitura de Malthus. p. 47 -63, in

VILLA, M. M. (coord.). Dicionário de Pensamento Contemporâneo. São Paulo: Ed. Paulus,

Publicado
2020-05-19
Seção
Artigos