A TEORIA DA ATIVIDADE: UMA POSSIBILIDADE NO ENSINO DE MATEMÁTICA

Autores

  • Alissá Mariane Garcia Grymuza Universidade Federal da Paraíba
  • Rogéria Gaudencio Rêgo Universidade Federal da Paraíba

Resumo

A Teoria da Atividade, desenvolvida por Leontiev, defende que o desenvolvimento do homem se dá pela necessidade de uma relação com o meio em que está inserido com a satisfação de alguma necessidade pessoal; dessa forma, o desenvolvimento das funções psíquicas decorrerá de um processo de apropriação de algum saber, transformando a atividade externa em atividade interna. Segundo essa teoria, a aprendizagem é uma atividade humana movida por um objetivo, a qual concebe três pontos de relevância: acontece em um meio social; através de uma atividade mediada nas relações entre os sujeitos; e é uma atividade entre o sujeito e o objeto de aprendizagem. No campo escolar, a atividade está vinculada diretamente a ideia de necessidade de se ter um motivo para aprender. Assim, é o motivo que impulsiona a ação do aluno, de modo que ele seja responsável por sua aprendizagem, facilitando seu desejo por saber o porquê de determinada atividade e aonde se pretenderá chegar com ela. Um dos grandes problemas no ensino de Matemática é a falta de compreensão do propósito de determinada atividade ou ação pelo aluno, logo, não basta simplesmente trabalhar com determinado conteúdo matemático em sala de aula para garantir sua compreensão, há a necessidade de propor atividades específicas, que potencializem a internalização dos conceitos e, por consequência, o desenvolvimento da aprendizagem. Nesse sentido, a Teoria da Atividade constitui o ponto principal da presente exposição, pois é através da atividade, que ela proporcionará a interação dos conteúdos matemáticos com outras disciplinas escolares e com o contexto social, asseverando a inserção e integração social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alissá Mariane Garcia Grymuza, Universidade Federal da Paraíba

Licenciada em Matemática pela Universidade Federal da Paraíba (2009), Especialista em Ensino de Matemática pelas Faculdades Integradas da Vitória de Santo Antão (2011), Mestranda em Educação pela Universidade Federal da Paraíba (2014). Atualmente é professora do ensino básico de uma escola da rede particular de ensino. Trabalha com a formação de professores do Ensino Fundamental.

Rogéria Gaudencio Rêgo, Universidade Federal da Paraíba

Bacharel em Matemática pela Universidade Federal da Paraíba (1982), Mestre em Filosofia pela Universidade Federal da Paraíba (1994) e Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2000). Atualmente é professora Associado III do Departamento de Matemática do Centro de Ciências Exatas e da Natureza da Universidade Federal da Paraíba e professora do Programa de Pós-Graduação em Educação do CE/ UFPB. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Métodos e Técnicas de Ensino, atuando principalmente nos seguintes temas: metodologias de ensino, ensino-aprendizagem, formação de professores e formação de conceitos, na área de Matemática.

Referências

COLL, C.; et al. O Construtivismo na Sala de Aula. São Paulo: Ática, 1996.

D´AMBRÓSIO, U. Etnomatemática: Um Programa. In Educação Matemática em Revista. Nº 1, Ano 8. São Paulo: SBEM, 2001.

LEONTIEV, A. N. Activity, Consciousness and Personality – 1978. Translated: HALL, M. J.: Prencice Hall, 2000. Disponível em: http://www.marxists.org/archive/leontev/works/1978/index.htm . Acesso em: 26.jan.2014.

___________ La Importancia del Concepto de Actividad Objetal para la Psicología. In: ROJAS, L. Q.; SOLOVIEVA, Y. Las Funciones Psicológicas em el Desarrollo del Niño. – México: Trillas, 2009.

___________ Uma Contribuição à Teoria do Desenvolvimento da Psique Infantil. In: VIGOTSKI, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. Linguagem, Desenvolvimento e Aprendizagem. 12ª ed. São Paulo: Ícone, 2012.

LONGAREZI, A. M.; PUENTES, R. V. (Orgs). Ensino Desenvolvimental: Vida, pensamento e obra dos principais representantes russos. Uberlândia: EDUFU, 2013.

MENDES, I. A. Matemática e Investigação em Sala de Aula: Tecendo redes cognitivas na aprendizagem. 2ª ed. São Paulo: Livraria da Física, 2009.

MOYSÉS, L. M. Aplicações de Vygotsky à Educação Matemática. – 10ª ed. Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico. Campinas: Papirus, 1997

______________. O Desafio de Saber Ensinar. 2ª ed. Campinas: Papirus, 1995.

NUNES, T.; CARRAHER, D.; A. SCHLEIMANN, A. Na Vida Dez, Na Escola Zero. 16ª ed. São Paulo: Cortez, 2011.

NÚÑEZ, I. B. Vygotsky, Leontiev e Galperin: Formação de conceitos e princípios didáticos. Brasília: Liber Livro, 2009.

PIRES, C. M. C. Novos Desafios para os Cursos de Licenciatura em Matemática. In Educação Matemática em Revista. Nº 8, Ano 7 São Paulo: SBEM, 2000.

RÊGO, R. G. Tópicos Especiais em Matemática III. In MONTE, E. M. et. al. Licenciatura em Matemática a Distância. João Pessoa: EdUFPB, 2009.

ROJAS, L. Q.; SOLOVIEVA, Y. Las Funciones Psicológicas em el Desarrollo del Niño. – México: Trillas, 2009.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais: A pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas S.A., 1987.

VIGOTSKY, L. S. Bases de la pedologia. In ROJAS, L. Q.; SOLOVIEVA, Y. Las Funciones Psicológicas em el Desarrollo del Niño. México: Trillas, 2009.

VIGOTSKI, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. Linguagem, Desenvolvimento e Aprendizagem. 12ª ed. São Paulo: Ícone, 2012.

Downloads

Publicado

2014-11-26

Como Citar

GRYMUZA, A. M. G.; RÊGO, R. G. A TEORIA DA ATIVIDADE: UMA POSSIBILIDADE NO ENSINO DE MATEMÁTICA. Revista Temas em Educação, [S. l.], v. 23, n. 2, p. 117–138, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rteo/article/view/20864. Acesso em: 17 jan. 2022.

Edição

Seção

ARTIGO DE REVISÃO