DISSEMINAÇÃO DA INSTRUÇÃO PÚBLICA PRIMÁRIA NA PROVÍNCIA DO PARÁ NA DÉCADA DE 1870

Autores

  • Vitor Sousa Cunha Nery UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ - UEAP
  • Maria do Perpétuo Socorro Gomes de Souza Avelino de França Universidade do Estado do Pará (UEPA

Resumo

O presente artigo tem por objetivo analisar estratégias de disseminação da instrução primária pública na província do Pará na década de 1870. Metodologicamente, este estudo se apoia numa pesquisa documental extensa e cuidadosa que inclui relatórios e ofícios de presidentes da província do Pará; relatórios de diretores da instrução pública; legislações educacionais e regulamentos das escolas primárias da província do Pará e jornais locais. Essas fontes foram pesquisadas na Biblioteca Pública do Pará Arthur Viana, Arquivo Público do Estado do Pará, Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e na Biblioteca Nacional. Para compreendermos as estratégias de disseminação da instrução primária na província do Pará, na década de 1870, nos fundamentamos em teóricos da “história cultural”. Dentre as estratégias de disseminação da instrução pública primária estão: a criação de escolas primárias noturnas, instrução pública ofertada por instituições filantrópicas, ofertadas no âmbito de instituições públicas como (Exercito, Marinha, Polícia e Cadeias) e criação de escolas primárias agrícolas. A instrução primária na província do Pará estabeleceu-se na década de 1870, sobre bases socio-político e culturais que acompanhavam o projeto moderno de construção do Estado-Nação, nesse sentido o governo provincial priorizou a instrução pública elementar enquanto política de governo. Observa-se, neste período, a emergência de iniciativas no sentido da expansão da educação popular sem a província paraense ter as condições necessárias de funcionamento e manutenção das escolas primárias. Entendemos que este estudo contribui para a escrita da história da educação na Amazônia, trazendo para discussão a instrução primária na província do Pará na segunda metade do século XIX. Acreditamos que este estudo fomentará outras pesquisas acerca da história da educação na Amazônia, sobre outros níveis de ensino, bem como outros períodos da instrução na província do Pará.

Palavras- Chave: Instrução Primária. Província do Pará. Século XIX.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vitor Sousa Cunha Nery, UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ - UEAP

Professor do Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia / História da Educação

Maria do Perpétuo Socorro Gomes de Souza Avelino de França, Universidade do Estado do Pará (UEPA

Doutora em Educação (UNICAMP), Professora do Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Educação da Universidade do Estado do Pará (UEPA), líder do Grupo de Pesquisa História da Educação na Amazônia (GHEDA).

Referências

ARANTES, Esther Maria de Magalhães. Rostos de crianças no Brasil. In: RIZZINI, Irene; PILOTTI, Francisco (org). A Arte de governar crianças: a história das políticas sociais, da legislação e da infância no Brasil. 2 ed. ver – São Paulo: Cortez, 2009.

BEZERRA NETO, José Maia. As luzes da instrução: o Asylo de Santo Antonio em Belém do Pará (1870-1912). In: ACEVEDO MARIN, Rosa Elizabeth (org). A Escrita da história. Belém: NAEA/UFPA, 1998.

_______.As oficinas do trabalho: representações sociais, institutos e ensino artístico no Pará (1830/1888). Revista Ver a educação. Belém: Centro de Educação/UFPA. vl.1, n.1, pag., 41-70, jan/jun. 1996.

BULAMARQUI, Ruth. Transformações demográficas numa economia extrativa: Pará 1872-1920. Dissertação de Mestrado em História da Universidade do Paraná. Curitiba, 1984.

CHARTIER, Roger. História Cultural: entre práticas e representações. Lisboa, Difel/Rio de Janeiro, Bertrand Brasil. 1988.

_______. O mundo como representação. In: _____. À beira da falésia: a história entre incertezas e inquietude. Trad. Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 2002, p. 61-80.

DONZELOT, Jacques. A polícia das Famílias. 3 Ed. Rio de Janeiro: Graal, 2001.

FARIA FILHO, Luciano Mendes. A legislação escolar como fonte para a História da Educação: uma tentativa de interpretação. In: Educação, Modernidade e Civilização: fontes e perspectivas de analise para a história da educação oitocentista. Belo Horizonte: Autêntica, 1998.

GATTI JUNIOR, Delcio ARAÚJO, José Carlos Souza. Novos temas em história da educação brasileira. Autores Associados; Uberlândia - MG, 2002.

HILSDORF, Maria Lucia Spedo. História da educação brasileira: leituras. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003.

MAROJA, Ana Paula. O espaço São José (Belém-Pa): libertos dos grilhões da lei e presos às imagens do tempo. Universidade da Amazônia, Belém, 2002.

MUNIZ, Palma. Estado do Grão-Pará: imigração e colonização. História e Estatística 1616-1916. Belém: Imprensa Official do Estado do Pará, 1916.

NÓVOA, Antônio. A Imprensa de Educação e Ensino: concepção e organização do repertório Português. In: CATANI, D. B.; BASTOS, M. H. C. (Org). Educação em Revista: a imprensa periódica e a história da educação. Escritura. São Paula, 1997.

NUNES, Francivaldo Alves. Sob o signo do moderno cultivo: Estado imperial e agricultura na Amazônia. Tese de Doutorado, Universidade Federal Fluminense, 2011.

O LIBERAL DO PARÁ. Belém, 16 de março de 1874.

O LIBERAL DO PARÁ. Belém, 29 de agosto de 1879.

O LIBERAL DO PARÁ. Belém, 30 de agosto de 1879.

PAIVA, V. P. Educação popular e educação de adultos. 4. ed. São Paulo: Loyola, 1987.

PARÁ. Relatório dirigido a Assembleia Legislativa do Pará na segunda sessão da décima segunda Legislatura pelo Exmo. Sr. Dr. Francisco Carlos de Araújo Brusque, presidente da mesma província, em 17 de agosto de 1861. Typ. Diário do Gram-Pará, 1861.

______. Relatório apresentado a Assembleia Legislativa Provincial na primeira sessão da décima oitava legislatura em 15 de fevereiro de 1872, pelo presidente da província Dr. Abel Graça. Pará, Typ. Diário do Gram-Pará, 1872.

______. Falla com que o Excl. Sr. Dr. João Capistrano bandeira de Mello Filho, abriu a segunda sessão da vigésima legislatura da Assembleia Legislativa da Província do Pará, em 15 de fevereiro de 1877. Pará, Typ. do Livro do Commercio, 1877.

_____. Relatório dirigido a Assembleia Legislativa do Pará na segunda sessão da vigésima segunda legislatura em 15 de fevereiro de 1881 pelo Exmo. Sr. Dr. José Coelho da Gama e Abreu. Pará Typ. Diário de Noticias do Costa & Campbell, 1881.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. História & História Cultural. 2 ed. 2 reimp. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

PROVÍNCIA DO PARÁ. Belém, 10 de agosto de 1876.

RIZZINI, Irma. O cidadão polido e o selvagem bruto: a educação dos meninos desvalidos na Amazônia Imperial, Rio de Janeiro: UFRJ/IFCS/PPGHIS, 2004.

SCHUELER, Alessandra F. Martinez. Os jesuítas e a educação das crianças: séculos XVI ao XVIII. In: RIZZINI, Irma (Org.). Crianças desvalidas, indígenas e negras no Brasil: cenas da colônia, do império e da república. Rio de Janeiro. Instituto Inter-americano del Ñino / USU, Anais, 1995 p. 299-246.

VENÂNCIO, Renato Pinto. Os aprendizes de guerra. In: História das crianças no Brasil. DEL PRIORE, Mary. São Paulo: Contexto, 2000. p. 196.

Downloads

Publicado

2014-11-26

Como Citar

NERY, V. S. C.; AVELINO DE FRANÇA, M. do P. S. G. de S. DISSEMINAÇÃO DA INSTRUÇÃO PÚBLICA PRIMÁRIA NA PROVÍNCIA DO PARÁ NA DÉCADA DE 1870. Revista Temas em Educação, [S. l.], v. 23, n. 2, p. 82–100, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rteo/article/view/20906. Acesso em: 17 jan. 2022.

Edição

Seção

ARTIGO DE REVISÃO