LIÇÕES DE SI NA ESCOLARIZAÇÃO DE PESSOAS JOVENS E ADULTAS

Autores

  • Rosângela Tenório Carvalho Universidade Federal de Pernambuco
  • Natália Machado Belarmino Universidade Federal de Pernambuco
  • Camila Maria Oliveira Universidade Federal de Pernambuco

Resumo

RESUMO

Este artigo constitui uma análise do ritual da lição como modo de subjetivação de pessoas jovens e adultas. A análise privilegiou uma conceitualização desenvolvida por Michel Foucault em sua perspectiva arqueogenealógica, a exemplo de jogos de verdade; técnicas de si; centros locais de saber-poder; experiências de si, regras de formação discursiva e modos de subjetivação. O corpus de análise compreendeu um conjunto de lições identificadas em artefatos curriculares (cadernos escolares, cartilhas e livros didáticos) utilizadas nos últimos 40 anos na escolarização de pessoas jovens e adultas. A análise permitiu identificar no ritual da lição práticas do falar de si, escrever sobre si, ora por meio de modelos, ora justificadas como práticas de autoconhecimento, ou de rememoração de si. Entende-se que tais práticas, embora justificadas como processos de emancipação e liberdade, estão também associadas a processos de subalternização das experiências de si.

 

Palavras-chave: Lição de si. Subjetivação. Escolarização de Pessoas Jovens e Adultos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosângela Tenório Carvalho, Universidade Federal de Pernambuco

Professora do Departamento de Métodos e Técnicas de Ensino do Centro de Educação da Universidade Federal de Pernambuco.

Natália Machado Belarmino, Universidade Federal de Pernambuco

Pedagoga pela UFPE. Mestranda em Educação no PPGE/UFPE. Projeto de Pesquisa: Os cadernos escolares que “falam”: artefato de subjetivação de gênero e sexualidade

Camila Maria Oliveira, Universidade Federal de Pernambuco

Pedagoga pela UFPE. Mestranda em Educação no PPGE/UFPE. Projeto de Pesquisa: Discursos sobre observação e registro no campo curricular da Educação de Jovens e Adultos.

Referências

ALVES, Evandro. Práticas de escrita e tecnologias digitais na educação de adultos: novelas a-paralelas. 2006. Tese (Doutorado em Educação) - Pós-graduação em Educação, UFRGS, 2006.

AVELINO, Nildo. Errico Malatesta e a revolução como estética da existência. Revista Aulas. Dossiê Foucault e Estéticas da Existência. Org. Margareth Rago. UNICAMP. 2010.

BELARMINO, Natália Machado; CARVALHO, Rosângela Tenório. Os cadernos escolares e as lições como modos de subjetivação na Educação de Jovens e Adultos. In: XX Congresso de Iniciação Científica da UFPE, 2012, Recife.

CARVALHO, R. T. Discursos pela interculturalidade no campo curricular da Educação de Jovens e Adultos no Brasil nos anos 1990. Recife: NUPEP/UFPE/Edições Bagaço, 2004.

______. Escolarización de jóvenes y adultos y formas de subjetivación. Desicio, México, n. 30, p. 44-48, set./dez. 2011.

______. O discurso curricular intercultural na Educação de Jovens e Adultos e a produção de subjetividades. Educação e pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 1, p. 47-61, 2012.

COSTA, Maria Betânia G. da. A Educação de Jovens e Adultos: uma análise dos aspectos subjetivos envolvidos no processo de alfabetização. 2009. Tese (Doutorado em Psicologia) - Pós-graduação em Psicologia, PUC, Campinas, 2009.

_____. Subjetividades e aprendizagem na Educação de Jovens e Adultos, 2005. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Pós-graduação em Psicologia, PUC, GO, 2005.

CORREA, Licínia Maria; SOUZA, Maria Celeste Reis Fernandes; BICALHO, Maria Gabriela Parenti. Os significados que jovens e adultos atribuem à experiência escolar. 26ª Reunião Anual da ANPED, Poço de Caldas, 2003.

DELEUZE, G. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 2005.

FOUCAULT, Michel. A Escrita de si. In: MOTA, Manuel B. da (Org.). Michel Foucault, ética, sexualidade, política. Rio de Janeiro: Forense, 2004.

_____. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 1999.

_____. As palavras e as coisas. Lisboa: Portugalia, 1996.

______. Em defesa da sociedade. Curso no Collége de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 2002.

______. Nascimento da Biopolítica: curso dado no Collège de France (1878-1979. São Paulo: Martins Fontes, 2008. (Coleção tópicos).

GUIMARO, Maria Luiza O. A formação na linha de fogo: videogames de guerra e a psique danificada. 2010. Tese (Doutorado em Educação) - Pós-graduação em Educação, UFSCAR, 2010.

HENN, Iara A. Sujeitos de conhecimento, cultura e poder: educação de pessoas jovens e adultas. 2006. Dissertação (Mestrado em Educação e Ciências) – Pós-graduação em Educação e Ciências, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, 2006.

LARROSA, Jorge. Tecnologias do eu e educação. In: SILVA, Tomaz Tadeu (Org.). O sujeito da educação. Petrópolis: Vozes, 1994. p. 35-86.

LIMA RAPHAEL, Andreia de. O aluno adulto: conhecendo o sujeito psicossocial. 2003. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pós-graduação em Educação, UNESP, 2003.

MORTATTI, Maria do Rosário Longo. Cartilha de alfabetização e cultura escolar: um pacto secular. Caderno Cedes, ano XX, n. 52, novembro, 2000, p. 41-54.

NASCIMENTO, Elisete R. do. Jovens urbanos da periferia de Porto Alegre: a arte de dar forma à própria vida. 2008. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pós-graduação em Educação, UFRGS, 2008.

OLIVEIRA, Camila Maria; CARVALHO, Rosângela Tenório de. A lição nas cartilhas de alfabetização de jovens e adultos e modos de subjetivação. In: 17ª JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC/FACEPE, 2013, Recife.

OLIVEIRA, Julieta F. de. Leitura e subjetividade: relações e fundamentos da aquisição da escrita na Educação de Jovens e Adultos. 2005. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pós-graduação em Educação, UFAM, 2005.

OLIVEIRA, Sandra de. Aprender por toda a vida: tramas de efeito na Educação de Jovens e Adultos. 2009. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pós-graduação em Educação, ULBRA, 2009.

PIMENTEL, Álamo. As narrativas identitárias das produções textuais em Educação de Jovens e Adultos. In: 30ª REUNIÃO ANUAL DA ANPED, Caxambu, 2007.

RAIMONDI, Graciela Messina. La sistematización y la narrativa como caminos para la construcción de comunidade de aprendizaje. Revista Decisio, México, n. 28, jan./abr., p. 9-15, 2011.

REVISTA DECISIO. Saberes para la acción en educación de adultos. CREFAL, México, n. 19, jan./abr., 2008. Relatos de personas adultas en alfabetización. 2002-2011.

RODRIGUES, Vera M. L. Grupos juvenis na periferia: recompondo relações de gênero e de raça e etnia. 2005. Tese (Doutorado em Serviço Social) – Pós-graduação em Serviço Social, PUC, São Paulo, 2005.

SALCIDES, Arlete Maria Feijó. Evasão como forma de exclusão: silêncio como forma de resistência. In: 25ª REUNIÃO ANUAL DA ANPED, Caxambu, 2002.

SARFATI, Georges-Élia. Princípios da análise do discurso. São Paulo: Ática, 2010.

SANTOS, V. M. dos. Caderno escolar: um dispositivo feito peça por peça para a produção de saberes e subjetividades. In: 25ª REUNIÃO DA ANPED, Caxambu, 2002, GT 2. História da Educação.

SILVA, Cláudio B. da. "Eu tive uma vida que foi bem mais que uma escola! Agora só falta estudar!" Elaboração de conhecimentos e de subjetividades na educação de jovens e adultos. 2007. Tese (Doutorado em Educação) – Pós-graduação em Educação, UNICAMP, Campinas, 2007.

Arquivo analisado

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Primeiro guia de leitura. Rio de Janeiro: Gráfica Muniz, 1956.

“...Já sei ler, vou ler mais...” O ser humano, sua organização e as relações sociais: conhecimento e política. Livro de Atividades. Programa Trabalhadores Informais. NUPEP/UFPE, Escola Nordeste. CUT. Recife: Bagaço, 2000.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Viver e aprender. Educação de Jovens e Adultos. v. 1. Módulos 1 e 2. Brasília, 2002.

Downloads

Publicado

2014-11-25

Como Citar

CARVALHO, R. T.; BELARMINO, N. M.; OLIVEIRA, C. M. LIÇÕES DE SI NA ESCOLARIZAÇÃO DE PESSOAS JOVENS E ADULTAS. Revista Temas em Educação, [S. l.], v. 23, n. 2, p. 101–116, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rteo/article/view/21455. Acesso em: 17 jan. 2022.

Edição

Seção

ARTIGO DE REVISÃO