Menstruação e pobreza menstrual, precisamos falar sobre isso!

Experimentações didáticas no Programa Residência Pedagógica

Autores

  • Thais Viana das Chagas Lima UFPA
  • Neyson Andriew Torres do Nascimento UFPA
  • Sandra Nazaré Dias Bastos UFPA

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2359-7003.2023v32n1.64955

Palavras-chave:

Ensino de Ciências, Formação de Professores, Corpo Humano

Resumo

Cientes da relevância do ensino contextualizado de Biologia, delineamos como objetivo principal deste trabalho analisar e discutir as situações de ensino vivenciadas ao longo da abordagem do sistema reprodutor feminino a partir de atividades que, para além da morfologia/fisiologia, problematizaram questões do cotidiano dos alunos, tais como mitos e tabus relacionados à menstruação, pobreza menstrual e a imposição de padrões corporais. As atividades foram desenvolvidas no âmbito do Programa Residência Pedagógica (PRP) em uma escola pública com alunos do 9º ano do Ensino Fundamental. Foi possível observar que os estudantes sustentam e manifestam algumas crenças e tabus a respeito da menstruação e nunca haviam ouvido falar da pobreza menstrual. Alguns concordam que a menstruação é algo vergonhoso e que deixa a mulher impura e foram unânimes em afirmar que a tensão pré-menstrual deixa as mulheres mais estressadas. Diante desses resultados evidencia-se a importância de se trabalhar esses temas nas escolas para problematizar as interdições impostas aos corpos que menstruam e ao mesmo tempo, diante da pobreza menstrual, fomentar a criação de políticas públicas e promoção de ações pontuais que possam reduzir os casos de evasão escolar durante o período menstrual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thais Viana das Chagas Lima , UFPA

Licenciada em Ciências Biológicas – UFPA – Faculdade de Ciências Biológicas – Campus Universitário de Bragança

Neyson Andriew Torres do Nascimento , UFPA

Licenciado em Ciências Biológicas – UFPA – Faculdade de Ciências Biológicas – Campus Universitário de Bragança

Sandra Nazaré Dias Bastos, UFPA

Doutora em Educação em Ciências e Matemáticas. Professora do Instituto de Estudos Costeiros (IECOS-UFPA), Faculdade de Ciências Biológicas. Docente do Programa de Pós-Graduação em Linguagens e Saberes na Amazônia (PPLSA)

Referências

BANCO MUNDIAL. “Menstrual Hygiene Management Enables Women and Girls to Reach their Full Potential”, site do Banco Mundial, 2018. Disponível em: https://www.worldbank.org/en/news/feature/2018/05/25/menstrual-hygiene-management [acesso em 27/10/2022].

BRAGA, P. et al. Representações do corpo: com a palavra um grupo de adolescentes populares. Ciência & Saúde Coletiva, v.15, n.1, p. 87-95, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018.

BRITO, L. E. B. Artigo de luxo ou necessidade básica: uma análise sobre a violência simbólica de gênero no documentário Absorvendo o Tabu. In: OLIVEIRA, G. F. et al. (Orgs.). Mídia, discurso e sociedade: problematizações contemporâneas. São Carlos: Pedro & João Editores, 2022. E-book disponível em: https://pedroejoaoeditores.com.br/site/wp-content/uploads/2022/01/Midia-Discurso-e-Sociedade.pdf [acesso em junho 2022].

CALDERANO, M. O estágio curricular e os cursos de formação de professores: desafios de uma proposta orgânica. Juiz de fora: Editora UFJF, 2012. p. 237-260.

CARDOSO, L. Por que temos vergonha da menstruação? Menos um Lixo, 2019. Texto Disponível em https://www.menos1lixo.com.br/posts/por-que-temos-vergonha-da-menstruacao. [acesso em junho de 2022).

CARDOSO, E.; VELOZO, E. O corpo feminino na adolescência: os saberes de estudantes sobre anorexia e bulimia. Cinergis. Rio Grande do Sul, v. 10, n. 2, p. 62-68, jul-dez. 2009.

CARBONELL, J. A aventura de inovar: a mudança na escola. São Paulo: Artes Médicas, 2002.

CASTELO, M. A didática na reforma do ensino. 2ª ed. Rio de Janeiro. Francisco Alves. 1985.

DIAS, A. F.; OLIVEIRA, D. A.; SANTOS, M. S. Uma revisão sistematizada da produção do conhecimento sobre corpo, gênero e sexualidades na educação. Revista Temas em Educação, João Pessoa, Brasil, v. 27, n.2, p. 119-133, jul/dez 2018

FÁVERI, M.; VENSON, A. Entre vergonhas e silêncios, o corpo segredado. Práticas e representações que mulheres produzem na experiência da menstruação. Porto Alegre, v. 14 n. 25, p.65-97, jul. 2007.

FERNANDES, M. G. M. O corpo e a construção das desigualdades de gênero pela ciência. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 19 [4]: 1051-1065, 2009.

FERREIRA, A. F. Sangue menstrual e magia amatória: concepções e práticas históricas. Aedos, Porto Alegre, v. 9, n. 21, p. 514-531. Dezembro, 2017.

FURLANI, J. Mitos e tabus da sexualidade humana. 3.ed. Belo Horizonte: Autêntica. 2009.

GOMES, T. L. M. Percepção da autoimagem em escolares do Ensino Médio na Rede Federal de Educação e Tecnologia, São Luis, MA, 2015. 85 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública e Meio Ambiente) - Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro. 2015.

HOGA, L. et al. Comportamento masculino diante da mulher com Síndrome Pré-Menstrual: narrativas de mulheres. Acta Paulista de Enfermagem, v. 23, n. 3, p. 372-378, 2010.

KRASILCHIK, M. Prática de Ensino de Biologia. 4º Ed, São Paulo, Edusp, p.197, 2004.

LABURU, C. et al. Pluralismo metodológico no ensino de ciências. Ciências e educação, Bauru, v. 9, n. 2, 2003.

LERNER, G. A criação do patriarcado: história da opressão das mulheres pelos homens; tradução Luiza Sellera. São Paulo: Cultrix, 2019.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 6ª Edição. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

MACIEL, A. M. A importância da imagem no cenário da contemporaneidade: uma necessidade da educação do olhar. Revista Temas em Educação, João Pessoa, v. 22, n. 1, p. 95-109, jan.-jun. 2013.

MORAN, J.; BACICH, L. Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem téorico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018.

MUNDIM, M. et al. Transformações da percepção da menstruação entre gerações. Tensões Mundiais, Fortaleza, v. 17, n. 33, p. 229-247, 2021.

NASCIMENTO, T.; COUTINHO, C. Metodologias ativas de aprendizagem e o ensino de ciências. Multiciência Online, v. 2, p. 134, 2017.

NATANSOHN, G. O corpo feminino como objeto O corpo feminino como objeto médico e “mediático” médico e “mediático”. Estudos Feministas, Florianópolis, 13(2): 256, maio-agosto/2005.

NÓVOA, A. Professores: imagens do futuro presente. Lisboa: Educa, 2009.

RATTI, C. R. et al. O Tabu da Menstruação Reforçado pelas Propagandas de Absorvente. In: XXXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2015, Rio de Janeiro. Anais do 38º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2015.

SAIKALI, J. et al. Imagem corporal nos transtornos Alimentares. Rev. Psiq. Clin. v.31, n. 4, p. 164-166, 2004.

SANGIORGI, M. A preferência de homens e mulheres em relação à depilação genital feminina: implicações clínicas da depilação da genitália. Dissertação (Mestrado) Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, 2017.

SANTANA, M.; WALDHELM, M. Abordagem da sexualidade humana em livro didático de ciências: desvelando os bastidores de uma proposta. Ensino, Saúde e Ambiente, v.2 n.2 p 2-20 agosto 2009.

SOARES, M. N. T.; GASTAL, M. L. A. A vulva e seus segredos: diálogos sobre a genitália feminina em aulas de ciências. In: VII Encontro Nacional de Ensino de Biologia e I Encontro Regional de Ensino de Biologia da Regional 6 - Norte, 2018, Belém. Anais VII Encontro Nacional de Ensino de Biologia e I Encontro Regional de Ensino de Biologia da Regional 6 - Norte, 2018.

UNFPA; UNICEF. Pobreza menstrual no Brasil: desigualdades e violações de direitos. 2021. (Relatório). Disponível em: https://unicef.org/brazil/relatorios/pobrezamenstrual-no-brasil-desigualdade-e-violacoes-de-direitos. [Acesso em junho de 2022].

VARGENS, O. M. C. et al. A percepção de mulheres sobre a menstruação: uma questão de solidariedade. Rev enferm UERJ, Rio de Janeiro. 27: e40120, 2019.

WILLIG, C. L.; SCHMIDT, S. P. “Tá na TPM”: Estigmas da menstruação na mídia e na escola. Anais da VIII Reunião de Antropologia da Ciência e da Tecnologia. VIII ReACT – 22 a 26 de novembro de 2021.

Downloads

Publicado

2022-12-15

Como Citar

VIANA DAS CHAGAS LIMA , T.; TORRES DO NASCIMENTO , N. A.; DIAS BASTOS, S. N. Menstruação e pobreza menstrual, precisamos falar sobre isso! : Experimentações didáticas no Programa Residência Pedagógica. Revista Temas em Educação, [S. l.], v. 32, n. 1, p. e-rte321202308, 2022. DOI: 10.22478/ufpb.2359-7003.2023v32n1.64955. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rteo/article/view/64955. Acesso em: 18 jun. 2024.

Edição

Seção

RELATOS DE EXPERIÊNCIA