SABERES CULINÁRIOS E A BOTICA DOMÉSTICA: BEBERAGENS, ELIXIRES E MEZINHAS NO IMPÉRIO PORTUGUÊS (SÉCULOS XVI-XVIII)

Autores

  • Leila Mezan Algranti

Resumo

O intercâmbio de plantas e sementes utilizadas na culinária ou com fins terapêuticos foi intenso e permanente entre as partes do império português ao longo da época moderna. Com base em livros de culinária e tratados sobre a arte de curar procura-se captar os usos e saberes relacionados a algumas dessas plantas. Interessam especialmente aquelas disponíveis nas despensas, hortas e quintais. O artigo argumenta que as aproximações existentes entre a cozinha cotidiana e a botica doméstica se expressam além da matéria prima utilizada na confecção de alimentos e mezinhas e enfatiza a importância da dietética para a conservação da saúde no período estudado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2012-12-31

Como Citar

ALGRANTI, L. M. SABERES CULINÁRIOS E A BOTICA DOMÉSTICA: BEBERAGENS, ELIXIRES E MEZINHAS NO IMPÉRIO PORTUGUÊS (SÉCULOS XVI-XVIII). Sæculum – Revista de História, [S. l.], n. 27, 2012. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/srh/article/view/16422. Acesso em: 21 jan. 2022.

Edição

Seção

Dossiê: História e Práticas Cotidianas