DO BANHO “DE CHUVA” E OUTRAS “DANAÇÕES”: SOCIABILIDADES NOS “TEMPOS DE MENINOS” EM FORTALEZA (1890-1940)

Autores

  • Emy Falcão Maia Neto

Resumo

Entre as “mil maneiras de caça não autorizada” que fazem o cotidiano, as astúcias envolvendo a água nos ambientes urbanos são extremamente significativas. Buscou-se trazer ao debate a discussão sobre as mudanças na cidade de Fortaleza a partir das sociabilidades nas águas, uma relação ao mesmo tempo tensa e inventiva, entre o uso e a norma. A partir dos banhos dos meninos nas chuvas, riachos e lagoas da cidade é possível pensar nas mudanças que ocorriam em Fortaleza e os sentidos dados a elas. Alterações nas fachadas dos prédios, nas ruas e nas sensibilidades provocavam ou propiciavam mudanças nos banhos dos meninos e na forma de usar e inventar a cidade. O recorte temporal escolhido – 1890 até 1940 – se deve por compreender o período em que se passam as reminiscências e relatos dos autores estudados e por abranger importantes intervenções – abastecimento de água para uma parte da cidade, ampliação do arruamento e das linhas do bonde à tração animal, advento do bonde elétrico e outras – que modificaram de forma significativa o morar e a dinâmica das águas em Fortaleza.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2012-12-31

Como Citar

MAIA NETO, E. F. DO BANHO “DE CHUVA” E OUTRAS “DANAÇÕES”: SOCIABILIDADES NOS “TEMPOS DE MENINOS” EM FORTALEZA (1890-1940). Sæculum – Revista de História, [S. l.], n. 27, 2012. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/srh/article/view/16431. Acesso em: 28 jan. 2022.

Edição

Seção

Dossiê: História e Práticas Cotidianas