POPULAÇÃO, COMPADRIO E TRAJETÓRIAS DE GENTE NEGRA NA CIDADE DA PARAÍBA OITOCENTISTA

Autores

  • Solange Pereira Rocha UFPB

Palavras-chave:

População Negra, Compadrio, Trajetórias, Cidade da Paraíba Oitocentista.

Resumo

Este artigo apresenta alguns resultados de projeto de pesquisa em andamento, no qual se investiga a população negra e as redes de sociabilidade da freguesia de Nossa Senhora das Neves, a mais antiga da Paraíba. Tendo como aporte teórico a História Social da Cultura, que considera os sujeitos anônimos como agentes históricos relevantes, a exemplo das experiências da população negra da Cidade da Paraíba que firmaram laços espirituais, o compadrio, como forma de se estabelecer em sociedade escravista, hierarquizada e com relações de poder marcadas por práticas clientelísticas. O estudo teve como base documental as fontes paroquiais, sobretudo, os assentos de batismo (anos de 1833 a 1860), que, a partir da utilização de procedimentos da demografia histórica para a organização de dados seriais, proporcionou análises acerca da gente parda livre sobre seus arranjos familiares, as alianças e estratégias de sobrevivência e de sociabilidade forjadas na sociedade escravista, mostrando o predomínio de laços espirituais horizontais, ou seja, as pessoas negras livres procuravam formar suas alianças com indivíduos da sua mesma condição e, em alguns casos, com prestígio social e/ou com bens materiais, o que potencialmente facilitaria suas vidas, uma vez que poderiam receber apoios em momentos difíceis, tanto para comprovar sua condição jurídica quanto para adentrar ou permanecer em atividades econômicas. Ademais, apesar das dificuldades para a obtenção de dados qualitativos sobre a experiência de pessoas negras livres que viveram na Paraíba do século XIX, foi possível identificar e elaborar a trajetória de dois sujeitos singulares, um deles nascido no final da década de 1840, Manuel Pedro Cardoso Vieira (1848-1880), e outro no início dos anos de 1870, chamado Eliseu Elias César (1871-1923), ambos fizeram parte da elite paraibana e exerceram diferentes funções intelectuais e políticas nos últimos anos da Monarquia brasileira, procurei, assim, retirálos da invisibilidade e ampliar conhecimentos sobre a experiência histórica de sujeitos outrora silenciados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Solange Pereira Rocha, UFPB

Doutora em História pela Universidade Federal de Pernambuco. Professora Adjunta do Departamento e do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal da Paraíba

Downloads

Publicado

2015-12-31

Como Citar

ROCHA, S. P. POPULAÇÃO, COMPADRIO E TRAJETÓRIAS DE GENTE NEGRA NA CIDADE DA PARAÍBA OITOCENTISTA. Sæculum – Revista de História, [S. l.], n. 33, p. 183–199, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/srh/article/view/27722. Acesso em: 16 jan. 2022.