CORDEL E RELIGIOSIDADE: A FIGURA DO PROTESTANTE NA OBRA DA PRIMEIRA GERAÇÃO DE CORDELISTAS

Autores

  • Micheline Reinaux de Vasconcelos

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2017v36n36.28041

Palavras-chave:

Cordel, Protestantismo, Catolicismo

Resumo

O artigo aborda a produção de cordel de dois autores da primeira geração, Leandro Gomes de Barros e João Melchiades Ferreira da Silva, entre as décadas de 1890 e 1930, cujos folhetos traziam como tema, entre outros assuntos, discussões entre católicos e protestantes. Os estudos que trataram da penetração protestante no Brasil, do início do Oitocentos à primeira metade do séc. XX, ainda não contemplaram o uso dos cordéis como fontes históricas, que nos permitem uma aproximação da perspectiva, em parte, popular do contato com formas de religiosidade que eram novas para a sociedade brasileira. Pela análise dos folhetos, percebemos uma caracterização específica dos protestantes feita pelos cordelistas, os quais destacavam a rejeição do culto a Maria, aos santos, o uso de imagens (a crucifixo), a polêmica em torno da posse e leitura da Bíblia protestante e a descrição pejorativa dos protestantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2018-03-27

Como Citar

VASCONCELOS, M. R. de. CORDEL E RELIGIOSIDADE: A FIGURA DO PROTESTANTE NA OBRA DA PRIMEIRA GERAÇÃO DE CORDELISTAS. Sæculum – Revista de História, [S. l.], v. 36, n. 36, 2018. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2017v36n36.28041. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/srh/article/view/28041. Acesso em: 24 jan. 2022.

Edição

Seção

Dossiê