Do Desterro aos porões da ditadura: a memória e as subjetividades de uma militante na resistência política

Autores

  • Ary Albuquerque Cavalcanti Junior Universidade Federal da Grande Dourados

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2018v39n39.41025

Palavras-chave:

Ditadura, Mulheres, Memória

Resumo

O presente artigo, oriundo de minha pesquisa de mestrado, busca a partir das memórias de uma ex-militante política, analisar como se deu o processo de sua trajetória e a relação direta com a Ditadura Civil-Militar instaurada em 1964. Fazendo uso da história oral como método, neste trabalho serão analisados os episódios narrados levando a contento as subjetividades e a relação com o tempo presente no seu processo de rememoração/construção. Perpassando a formação política, o movimento estudantil bem como prisões e perseguições vivenciadas, a partir da experiência de Maria Liége, esperamos contribuir em reflexões que tangenciem o período e a relação direta entre a participação da mulher na resistência política. Para isso, levaremos em consideração a visão da esquerda e dos órgãos de repressão acerca das militantes, tendo a memória de nossa personagem relações diretas com o que é dito e com que foi vivido. Por fim, o presente trabalho busca problematizar a região Nordeste do país não como zona de recuo de militantes perseguidos em outras regiões, mas, também, detentor de uma forte estrutura de repressão e de perseguição. Logo, concluímos que as mulheres tiveram importância para o processo de resistência contra a ditadura, bem como houveram inúmeros focos de luta política fora do eixo Sul-Sudeste.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ary Albuquerque Cavalcanti Junior, Universidade Federal da Grande Dourados

Doutorando em História pela Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD). Mestre em História Regional e Local pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB) realizo estudos voltados para as "Ditaduras" que ocorreram na América Latina ao longo do século XX, tendo como foco a ação e a resistência de mulheres no período relacionado ao Brasil a partir do golpe de 1964. Também desenvolvo estudos sobre a historiografia ditatorial, história das mulheres, relações de gênero e ensino. Atualmente faço parte dos grupos de pesquisa História Oral e Memória; Estudos do Tempo Presente - ligados ao Programa de Pós Graduação da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Memórias, Ditaduras e Contemporaneidades ligado ao Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e ao Laboratório de Estudos de Gênero, História e Interculturalidade (LEGHI) ligado ao Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal da Grande Dourados em conjunto com Cátedra Unesco.

Downloads

Publicado

2018-12-17

Como Citar

CAVALCANTI JUNIOR, A. A. Do Desterro aos porões da ditadura: a memória e as subjetividades de uma militante na resistência política. Sæculum – Revista de História, [S. l.], v. 39, n. 39, p. 295–310, 2018. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2018v39n39.41025. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/srh/article/view/41025. Acesso em: 17 jan. 2022.

Edição

Seção

Dossiê: As ditaduras militares no Brasil e no Cone Sul: História, Historiografia e Memória