Cárcere da mente: algumas experiências de homens internados no hospital de alienados de Pernambuco no Estado Novo

Autores

  • Carlos Cunha Miranda Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2019v0n40.44204

Palavras-chave:

Loucura, Prontuário, Estado Novo.

Resumo

Muito se tem escrito sobre a História da Loucura e das Instituições Psiquiátricas, porém pouco são os estudos que tentam desvendar os labirintos da loucura, trazendo à tona - mesmo que sutis e fragmentados - aspectos da vida dos considerados “loucos”, apresentando dados sobre histórias de vida dentro e fora dos muros dos hospícios. Nosso objetivo é resgatar dados importantes sobre a história de alguns homens em situação de sofrimento psíquico, no período em que passaram pelo Pavilhão de Observação e, posteriormente, internados no Hospital de Alienados, espaço que não era apenas destinado à prática médica, mas que estava implantado em uma rede de poder e de saber no campo da psiquiatria institucional. São os prontuários que nos fornece pistas significativas para reconstituição da trajetória dos internos no Hospital de Alienados. Como fonte imprescindível, utilizamos alguns livros dos prontuários masculino correspondentes ao período do Estado Novo, marcado por posições autoritárias de seu interventor Agamenon Magalhães.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Cunha Miranda, Universidade Federal de Pernambuco

Formado em Direito pela UFPE, com Pós-Graduação, Mestrado e Doutorado no PPGH da UFPE. Atualmente é Professor Associado II do Departamento de História da UFPE e trabalha com as temáticas de História da Saúde e das Doenças.

Downloads

Publicado

2019-07-06

Como Citar

MIRANDA, C. C. Cárcere da mente: algumas experiências de homens internados no hospital de alienados de Pernambuco no Estado Novo. Saeculum, [S. l.], n. 40, p. 108–130, 2019. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2019v0n40.44204. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/srh/article/view/44204. Acesso em: 18 jun. 2024.