Vida, trabalho e cotidiano – história e memória das mulheres na colonização da transamazônica

  • Filipe Menezes Soares Universidade Federal do Pará

Resumo

O decreto que institui o Programa de Integração Nacional, em junho de 1970, prevê como parte de seus intentosuma política de colonização às margens da rodovia Transamazônica. A ação consistia na transferência de grandes contingentes de mão-de-obra proveniente do Nordeste e a posterior concessão de terras para essas famílias na Amazônia –abrandando as consequências da seca na primeira região e garantindo a soberania nacional nas áreas de fronteira, como aponta a retórica oficial do regime da ditadura. No artigo, pretendo destacar a memória das mulheres migrantes que se deslocaram às regiões de colonização em busca de novos locaisde moradia e trabalho. Com o rigor metodológico da história oral, serão analisadas as entrevistas a mim concedidas por Creuza Azevedo de Melo e Maria Eunice Alves. Através da memória do deslocamento e da recriação da vida nas margens da rodovia, poderemoster contato com o cotidiano dessas mulheres no início da década de 1970. Entende-se que a história do cotidiano é um espaço privilegiado para investigarmos o papel de gênero desempenhado pelas mulheres na constituição familiar, assim comotambém auxilia acrítica àconsequente divisão sexual do trabalho no campo. Seus depoimentos também permitem o resgate e a problematizaçãode uma política governamental orientada pela ditadura militar e direcionada às classes populares do Nordeste. De maneira geral, a vida e o trabalho das mulheres migrantes na Transamazônica expõem a complexidade dos processos de ocupação dos sertões brasileiros no século XX. Por sua vez, o uso de seus depoimentos é fundamental para entendermos a participação feminina na constituição de novas territorialidades. As mulheres, agora protagonistas de uma nova vida na Amazônia, são sujeitos determinantes na configuração das práticas culturais em regiões de“colonização dirigida”.

Biografia do Autor

Filipe Menezes Soares, Universidade Federal do Pará

Professor substituto de História Moderna e contemporânea. Especialista nas áreas de História dos regimes ditatoriais, ditadura militar brasileira, teoria e metodologia da História, Nordeste e Amazônia

Publicado
2019-12-15
Como Citar
SOARES, F. M. Vida, trabalho e cotidiano – história e memória das mulheres na colonização da transamazônica. Sæculum – Revista de História, v. 24, n. 41, p. 335-353, 15 dez. 2019.
Seção
Dossiê: Mulheres, gênero e sertanidades