Mulheres e Cidadania:

o alistamento eleitoral feminino e a ampliação dos direitos políticos no Rio Grande do Norte (1927-1928)

Palavras-chave: Movimentos feministas, Relações de Gênero, Cidadania feminina, Rio Grande do Norte, Primeira República Brasileira

Resumo

O presente artigo tem por objetivo propor uma reflexão sobre as condições que levaram uma parte das mulheres a interpelar o poder judiciário para garantir/acessar os direitos políticos no Rio Grande do Norte a partir de 1927. Algumas autoras/es como Carole Pateman, Flávia Biroli, Luís Felipe Miguel, Elisa Reis, Donna Haraway são lastros teóricos que permitem refletir sobre o feminismo liberal, direitos políticos e cidadania, conceitos fundamentais para se compreender a inclusão de novos grupos no jogo político nesse período. Com base na análise de um corpus documental diversificado – jornais, atas, correspondências, leis, entre outros – se avança na compreensão histórica da mobilização e da luta das mulheres pelo direito ao voto. A campanha pelo alistamento e a participação de parcela das mulheres nas eleições, como eleitoras e candidatas nesse pequeno estado do País, fortaleceu a mobilização pelo sufrágio em nível nacional, alcançado em 1932. A história da Primeira República precisa ser revista e narrada também a partir da contestação dos movimentos feministas, em especial a atuação da Federação Brasileira para o Progresso Feminino, que foram fundamentais para ampliar os direitos políticos e sociais às mulheres que desobedeceram, questionaram, criticaram e lutaram pela democracia no País.

Biografia do Autor

Alcileide Cabral do Nascimento, Universidade Federal Rural de Pernambuco

Alcileide Cabral do Nascimento tem pós-doutorado pela Universidade Federal Fluminense (2017), e pela Unicamp-SP (2011). É doutora em História pela Universidade Federal de Pernambuco (2006). É docente do Curso de Licenciatura em História e da Pós-Graduação em História da Universidade Federal Rural de Pernambuco. Pesquisa História do Movimento Feminista, Relações de Gênero, Maternidade, Infância e Políticas Públicas para Infância. Coordena o Grupo de Pesquisas e Estudos em Gênero (NUPEGE/UFRPE); integra o ProjetaH - História das Mulheres, Gênero, Imagens, Sertões, sediado na UFPB. 

Referências

ALBUQUERQUE JR. Durval M. A invenção do Nordeste e outras artes. 4. ed. Recife: FJN; Massangana; São Paulo: Cortez, 2009.

ARAÚJO, Tânia Bacelar. Seridó: uma região viável. Disponível em: http://www.fundaj.gov.br/index.php?option=com_content&id=1957%3Aserido-uma-regiao-viavel-&Itemid=414. Acesso em: 15 abr. 2017.

BARBOSA, Marialva. História da Comunicação no Brasil. Petrópolis/RJ: Vozes, 2013.

BESSE, Susan Kent. Modernizando a desigualdade. Reestruturação da ideologia de gênero no Brasil, 1914-1940. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1999.

BIROLI, Flávia. Gênero e Desigualdades: limites da democracia no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018.

CANÊDO, Letícia Bicalho. Aprendendo a votar. In: PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla B. (Orgs.) História da Cidadania no Brasil. 5 ed. São Paulo: Contexto, 2010. p. 517-543.

CARVALHO, José Murilo. Cidadania no Brasil: o longo caminho. 10Ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

CARNEIRO, Sueli. Mulheres em movimento. Estudos Avançados 17 (49), p. 11-132, 2003. cielo.br/pdf/ea/v17n49/18400.pdf. Acesso em: 15 mai. 2020.

CUNHA, Paulete dos Santos. Leolinda Daltro, a caminhante do futuro: uma análise de sua trajetória catequista a feminista. (Doutorado em História) – Universidade do Vale do Rio Sino, São Leopoldo, Rio Grande do Sul. 2014.

DUBOIS, Ellen. The Radicalism of The Woman Suffrage Movement: notes toward the reconstruction of nineteenth century feminism. Feminist Studies. College Park/Maryland, v.3, n. ½, Autumn, 1975, p. 63-71.

HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, Campinas, Unicamp, n. 5, p. 07-41, 1995.

HAHNER, June. A Mulher Brasileira e Suas Lutas Sociais e Políticas: 1850-1937. São Paulo: Brasiliense, 1981.

GONZALEZ, Lélia. Por Um Feminismo Afro-latino-americano. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/271077/mod_resource/content/1/Por%20um%20feminismo%20Afro-latino-americano.pdf. Acesso em: 10 ago. 2017.

KARAWEJCZYK, Mônica. As Filhas de Eva Querem Votar: os primórdios da questão à conquista do sufrágio feminino no Brasil (1850‒1932). Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

MARQUES, Teresa C.de N. Bertha Lutz. Brasília: Câmara dos Deputados, Ed. Câmara, 2016.

MARQUES, Teresa C. de N. O voto feminino no Brasil. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2018.

MATTOS, Hebe. A vida política. In: SCHWARTZ, Lilia Moritz (Coord.). Abertura para o mundo. v. 3. Madrid/RJ: Fundação Mapfre/Objetiva, 2012. p. 85-131.

MEDEIROS, Cristiana Moreira Lins de; ARAÚJO, Marta Maria de. O Educador e Intelectual Norte-rio-grandense: Juvenal Lamartine de Faria (1874-1956). Disponível em: http://www.sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe2/pdfs/Tema4/0477.pdf. Acesso em: 18 maio 2017.

MIGUEL, Luís Felipe; BIROLI, Flávia. Feminismo e Política. São Paulo: Boitempo, 2014.

MOREIRA, Núbia. Entrevista da Socióloga no Café Filosófico. Tema: Movimento Feminista Negro no Brasil, publicada em 20/11/2016. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=TQa0La1YlFw. Acesso em: 20 jul. 2017.

REIS, Elisa. Cidadania: história, teoria e utopia. In: PANDOLFI, Dulce (et al). Cidadania, justiça e violência Rio de Janeiro: Ed. Fundação Getúlio Vargas, 1999. p. 11-18.

NAZARIO, Diva. N. Voto feminino e Feminismo. São Paulo: Imprensa Oficial, 2009.

NICOLAU, J. História do Voto no Brasil. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

PATEMAN, Carole. Críticas Feministas à Dicotomia Público/privado. In: MIGUEL, Luis Felipe; BIROLI, Flávia (Orgs.). Teoria Política Feminista: textos centrais. Vinhedo: Horizonte, 2013. p. 55-79.

PINTO, Céli Regina Jardim. Uma História do Feminismo no Brasil. São Paulo: Perseu Abramo, 2003.

RAGO, Elisabeth Juliska. Feminismo e medicina na Bahia (1836-1931). Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 2005.

RAGO, Margareth. Anarquismo e Feminismo no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Achiamé, 2007.

RAGO, Margareth. Do cabaré ao lar. A utopia da cidade disciplinar. Brasil (1890-1930). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

RIBEIRO, Gladys Sabina. Cidadania e luta por direitos na Primeira República: analisando processos da Justiça Federal e do Supremo Tribunal Federal. Tempo, Niterói, v. 13, n. 26, p. 101-117, 2009.

RICCI, Paolo; ZULINI, Jaqueline Porto. Quem ganhou as eleições? a validação dos resultados antes da criação da Justiça Eleitoral. Revista de Sociologia Política, Curitiba, v. 21, n. 45, p. 91-105, mar. 2013.

RODRIGUES, João Batista Cascudo. A Mulher Brasileira. Direitos políticos e civis. 3. ed. Brasília: Senado Federal, 1993.

SANTOS, Renato Marinho Brandão. Natal, Outra Cidade: o papel da Intendência Municipal no desenvolvimento de uma nova ordem urbana (1904-1929). 2012. Dissertação (Mestrado em História e Espaços) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, 2012.

SCHUMAER, Shuma; CEVA, Antonia. Mulheres no Poder. Trajetórias na política a partir da luta das sufragistas do Brasil. Rio de Janeiro: Janeiro, 2015.

SCHWARCZ, Lilia M. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil, 1870-1930. São Paulo: Cia das Letras, 1993.

SHUMAHER, Shuma; BRAZIL, Érico. 2. ed. Dicionário das Mulheres do Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 2000.

SOIHET, Rachel. A pedagogia da conquista do espaço público pelas mulheres. Revista Brasileira de Educação. São Paulo, n. 15, p. 97-117, nov./dez., 2000.

SOIHET, Rachel. O Feminismo Tático de Bertha Lutz. Florianópolis: Mulheres; Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2006.

SOUSA, Jorge Pedro. Uma História Breve do Jornalismo no Ocidente. Disponível em: http://www.infocambiouniversitario.com.br/pag/sousa-jorge-pedro-uma-historia-breve-do-jornalismo-no-ocidente.pdf. Acesso em: 5 mar. 2017.

SPINELLI, José Antônio. Coronéis e Oligarquias na Primeira República. Disponível em: http://www.fundaj.gov.br/geral/observanordeste/spinelli_05.pdf. Recife, 2005, p.24-25. Acesso em: 16 jan. 2017.

TELES, Maria Amélia de A. Breve história do feminismo no Brasil. São Paulo: ed. Brasiliense, 1999.

VAINSENCHER, Semira Adler. Júlia Alves Barbosa. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife, 30/06/2008. Disponível em: http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/. Acesso em: 23 jan. 2017.

WOLLSTONECRAFT, Mary. Reivindicação dos Direitos da Mulher. São Paulo: Boitempo, 2016.

Publicado
2020-06-16
Como Citar
NASCIMENTO, A. C. DO. Mulheres e Cidadania:. Sæculum – Revista de História, v. 25, n. 42, p. 138-156, 16 jun. 2020.
Seção
Artigos