Registros de Fundações, Ereções e Posses de Vilas

um olhar sobre as vilas de índios do Maranhão

Autores

  • Soraia Sales Dornelles Universidade Federal do Maranhão

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2021v26n44.58882

Palavras-chave:

Índios, Vilas de Índios, Maranhão, Século XVIII

Resumo

Este artigo tem por tema a formação das Vilas de Índios da capitania do Maranhão durante o regime do Diretório pombalino, que transformou antigos aldeamentos jesuítas e fazendas da região em vilas e lugares. O objetivo é discutir os múltiplos sentidos da formação das vilas e lugares indígenas a partir deuma abordagem conjunta das informações contidas no Livro deRegistros de Fundações, Ereções e Posses de Vilas(1757-1767) e outros documentos produzidos no período, procurando analisar o modus operandido governador Gonçalo Pereira Lobato e Sousa quanto aforma de aplicar os dispositivos do Diretório na capitania do Maranhão. Além disso, busco problematizar a participação política dos indígenas nas câmaras. Por fim, faço reflexões sobre o dinamismo econômico nas vilas e lugares indígenas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Soraia Sales Dornelles, Universidade Federal do Maranhão

Doutora em História Social pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (2017), Mestre em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) (2011). É Professora Adjunta do Departamento de História na Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e do Programa de Pós-Graduação em História (PPGHIS-UFMA).

Referências

Referências

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. Política indigenista e políticas indígenas no tempo das reformas pombalinas. In: FALCON, Francisco; RODRIGUES, Claudia (orgs.). A “Época Pombalina” no mundo luso-brasileiro. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2015, p. 175-214.

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. Os Índios na história do Brasil. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 2010.

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. Metamorfoses Indígenas: identidade e cultura nas aldeias coloniais do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2003.

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. Os vassalos d’El Rei nos confins da Amazônia: colonização da Amazônia Ocidental,1750-1798. Dissertação (Mestrado em História). Niterói: Universidade Federal Fluminense, 1990.

ALMEIDA, Rita Heloísa de. O Diretório dos Índios. Um projeto de civilização no Brasil do século XVIII. Brasília: Editora UnB, 1997.

ASSUNÇÃO, Paulo. Negócios Jesuíticos, o cotidiano da administração dos bens Divinos. São Paulo: Editora da USP, 2004.

BANDEIRA, Arkley Marques. A vila de Índios do Vinhais Velho, em São Luís – Maranhão: Aspectos históricos de um assentamento humano de longa duração. Caminhos da História, Revista do Departamento de História do Centro de Ciências Humanas, Universidade Estadual de Montes Claros, v. 21, n. 2, p. 01-23, 2016.

BELLOTO, Heloísa Liberalli. Política indigenista no Brasil colonial (1570-1757). Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 29, p. 49-60, 1988.

BOMBARDI, Fernanda Aires. Pelos interstícios do olhar do colonizador: descimentos de índios no Estado do Maranhão e Grão-Pará (1680-1750). Dissertação (Mestrado em História). São Paulo: Universidade de São Paulo, 2014.

BOMBARDI, Fernanda Aires; PRADO, Luma R. Ações de liberdade de índias e índios escravizados no estado do Maranhão e Grão-Pará, primeira metade do século XVIII. Brasiliana: Journal for Brazilian Studies, vol. 5 (1), p. 174-199, 2016.

BOXER, Charles R. O império marítimo português 1415-1825. São Paulo: Companhia das Letras, 2002 [1969].

BLUTEAU, Raphael. Vocabulario portuguez & latino: aulico, anaomico, architectonico… Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesus, 1728.

CABRAL, Maria do Socorro Coelho. Caminhos do gado: conquista e ocupação do sul do Maranhão. São Luís: SIOGE, 1992.

CARVALHO Jr., Almir Diniz de. Índios cristãos: poder, magia e religião na Amazônia colonial. CRV: Curitiba, 2017.

CHAMBOULEYRON, Rafael. Plantações, sesmarias e vilas. Uma reflexão sobre a ocupação da Amazônia seiscentista. Nuevo Mundo Mundos Nuevos, n. 6, 2006.

COELHO, Elizabeth Maria Beserra. Territórios em confronto: a dinâmica da disputa pela terra entre índios e brancos no Maranhão. São Paulo: HUICITEC, 2002.

COELHO, Elizabeth Maria Beserra. A política indigenista no Maranhão Provincial. São Luís: SIOGE, 1990.

COELHO, Mauro César. Do Sertão para o mar: um estudo sobre a experiência portuguesa na América: o caso do Diretório dos Índios. Tese (Doutorado em História). São Paulo: Universidade de São Paulo, 2005.

CORRÊA, Helidacy Maria Muniz. “Para o aumento da conquista e bom governo dos moradores”: o papel da câmara de São Luís na conquista, defesa e organização do território do Maranhão (1615-1668). Tese (Doutorado em História). Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2011.

COSTA, João Paulo Peixoto. Atuação política indígena na câmara municipal da vila de índios de Monte-mor o Novo no Ceará. Faces da História, v. 7, p. 97-115, 2020.

COSTA, João Paulo Peixoto. Cultura política na Câmara Municipal da Vila de Índios em Messejana no Ceará. Cadernos de Pesquisa do CDHIS (on-line), v. 32, p. 34-54, 2019.

DIAS, Camila Loureiro. L’Amazonie avant Pombal. Politique, économie, territoire. Doutorado. Paris, EHESS, 2014.

DIAS, Camila Loureiro; BOMBARDI, Fernanda Aires; COSTA, Eliardo Guimarães da. Dimensão da população indígena incorporada ao Estado do Maranhão e Grão-Pará entre 1680-1750: uma ordem de grandeza. Revista de História, São Paulo, n. 179, p. 01-40, 2020.

DIAS, Joel Santos. Os verdadeiros conservadores do Estado do Maranhão: poder local, redes de clientela e cultura política na Amazônia colonial (primeira metade do século XVIII). Dissertação (Mestrado em História). Belém: Universidade Federal do Pará, 2008.

DOMINGUES, ngela. Quando os Índios eram vassalos: colonização e relações de poder no Norte do Brasil na segunda metade do século XVIII. Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 2000.

FALCON, Francisco; RODRIGUES, Claudia (orgs.). A “Época Pombalina” no mundo luso-brasileiro. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2015.

FARAGE, Nádia. As Muralhas dos Sertões: os povos indígenas do rio Branco e a colonização. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991.

FARIA, Regina Helena Martins. Mundos do trabalho no Maranhão oitocentista: os descaminhos da liberdade. São Luís: EDUFMA, 2012.

FERREIRA, André Luís Bezerra. Injustos cativeiros: os índios no Tribunal da Junta das Missões do Maranhão. Belo Horizonte: Caravana Grupo Editorial, 2021.

FERREIRA, André Luís Bezerra. “Mães das Liberdades”: os processos de mulheres indígenas no tribunal da Junta das Missões na Capitania do Maranhão (1720-1757). Fronteiras: Revista Catarinense de História. n. 31, p. 69-85, 2018.

FLEXOR, Maria Helena Ochi. O Diretório dos Índios do Grão-Pará e Maranhão e o direito indiano. Politeia: Hist. e Soc, Vitória da Conquista, v. 2, n.1, p. 167-183, 2002.

FONTANELE, Francisca Nescykene. Grão Pará Pombalina: Trabalho, Desigualdade e Relações de Poder. Dissertação (Mestrado em História). São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2008.

GAIOSO, Raimundo José de Sousa. Compêndio histórico-político dos princípios da lavoura do Maranhão. Rio de Janeiro: Livros do Mundo Inteiro, 1970 [1818].

GARCIA, Elisa Frühauf. As diversas formas de ser índio: políticas indígenas e políticas indigenistas no extremo sul da América portuguesa. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2009.

GUZMÁN, Décio de Alencar; RAIOL Jr, Leonardo. A reorganização e a fluidez do uso da mão de obra indígena no Grão-Pará: segunda metade do século XVIII (1750-1765). Tellus, Campo Grande, MS, ano 19, n. 39, p. 177-205, 2019.

LEITE, Serafim. História da Companhia de Jesus no Brasil. Lisboa/Rio de Janeiro: Portugália/Civilização Brasileira, 1945, v. III.

LIMA, Alam José da Silva. Do “dinheiro da terra” ao “bom dinheiro”: moeda natural e moeda metálica na Amazônia colonial (1706-1750). Dissertação (Mestrado em História). Belém: Universidade Federal do Pará, 2006.

LOUREIRO, Maria Rosalina Bulcão. Criando laços e reinventando famílias: adaptações e estratégias indígenas na Capitania do Maranhão no século XVIII. Faces da História, Assis/SP, v. 7, n. 1, p. 50-74, 2020.

MARANHÃO. Testamentos Maranhenses (1781-1791): histórias e legados. Coleção Documentos Históricos do Poder Judiciário do Maranhão. Série Testamento; v. 2. São Luís: Tribunal de Justiça do Estado do Maranhão, Coordenadoria da Biblioteca, 2015

MARQUES, Cezar Augusto. Diccionario historico-geographico da provincia do Maranhão. São Luís: Typ. Do Frias, 1870. Disponível em: http://www2.senado.leg.br/bdsf/handle/id/221726

MEIRELES, Mário Martins. História do Maranhão. São Luís: Academia Maranhense de Letras, 2015 [1960].

MELO, Patrícia Maria. Fronteras de la libertad. Tutela indígena en el directorio pombalino y en la carta regia de 1798. Boletín Americanista, Año lxii. 1, n. 64, p. 13-23, 2012.

MELO, Patrícia Maria. Espelhos partidos: etnia, legislação e desigualdade na Colônia. Manaus: Editora da Universidade Federal do Amazonas, 2011.

MELO, Vinícius Zúniga. Os diretores de povoações: serviços e transgressões no Grão-Pará do diretório dos índios (1757-1798). Dissertação (Mestrado em História). Belém: Universidade Federal do Pará, 2016.

MONTEIRO, John. Negros da Terra: Índios e Bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo: ed. Cia das Letras, 1994.

MONTEIRO, John. O Escravo índio, esse desconhecido. In: GRUPIONI, Luís Donisete Benzi (org.). Índios no Brasil. São Paulo, Secretaria da Cultura, 1992, p. 105-120.

MOREIRA, Vânia Maria Losada. Reinventando a autonomia: liberdade, propriedade, autogoverno e novas identidades indígenas na capitania do Espírito Santo, 1535-1822. São Paulo: FFLCH Humanitas, 2019.

MOTA, Antônia da Silva. As famílias principais: redes de poder no Maranhão colonial. São Luís: Editora da Universidade Federal do Maranhão, 2012.

MOTA, Antônia da Silva. Família e fortuna no Maranhão Colônia. São Luís: Editora da Universidade Federal do Maranhão, 2006.

MOTA, Antônia da Silva; BARROSO, Daniel Souza. Economia e demografia da escravidão no Maranhão e no Grão-Pará: uma análise comparativa da estrutura da posse de cativos (1785-1850). Revista História, São Paulo, n. 176, p. 01-41, 2017.

MOTA, Antônia da Silva; SILVA, Kelcilene; MANTOVANI, José Dervil (orgs.). Cripto maranhense e seu legado. São Paulo: Siciliano, 2001, p. 284-287.

NEVES NETO, Raimundo. Um patrimônio em contendas: os bens jesuíticos e a magna questão dos dízimos no Estado do Maranhão e Grão-Pará (1650-1750). Jundiaí: Paco Editorial, 2013.

ROCHA, Rafael Ale. Os oficiais índios na Amazônia Pombalina: Sociedade, Hierarquia e Resistência (1751-1798). Dissertação (Mestrado em História). Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2009.

ROLAND, Samir. Sesmarias, índios e conflitos de terra na expansão portuguesa no vale do Parnaíba (Maranhão e Piauí, éculos XVII e XVIII). Dissertação (Mestrado em História). Belém: Universidade Federal do Pará, 2018.

SANTOS, Fabiano Vilaça dos. Os governos das conquistas do norte: trajetórias administrativas no Estado do Grão-Pará e Maranhão (1751-1780). Tese (Doutorado em História Social). São Paulo: Universidade de São Paulo, 2008.

SANTOS, Rafael Rogério Nascimento dos. “Diz o índio...”: políticas indígenas no Vale Amazônico (1777-1798). Jundiaí: Paco Editorial, 2019.

SOMMER, Bárbara. Adquirindo e defendendo os privilégios concedidos pela coroa no norte do Brasil. In: MONTEIRO, Rodrigo Bentes (org.). Raízes do privilégio: hierarquias sociais no mundo ibérico do Antigo Regime. Rio de Janeiro: Record, 2011, p. 617-638.

SOMMER, Bárbara. Colony of the Sertão: Amazonian expeditions and the Indian slave trade. The Americas, v. 61, n. 3, p. 401-428, 2005.

SOMMER, Bárbara. Negotiated settlements: native Amazonians and Portuguese policy in Pará, Brazil, 1758-1798. Thesis (PhD) – University of New Mexico, New Mexico, 2000.

SOUSA NETO, Francisco Alves. A vila de índios de Vinhais e a produção de arroz: trabalho e protagonismo indígena na Capitania do Maranhão (1770-1780). Monografia (Graduação em História). São Luís: Universidade Federal do Maranhão, 2020.

VIVEIROS, Jerônimo de. História do Comércio do Maranhão, 1612-1895. São Luís: Associação Comercial do Maranhão, 1954.

Downloads

Publicado

2021-07-29

Como Citar

DORNELLES, S. S. Registros de Fundações, Ereções e Posses de Vilas: um olhar sobre as vilas de índios do Maranhão. Sæculum – Revista de História, [S. l.], v. 26, n. 44, p. 308–327, 2021. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2021v26n44.58882. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/srh/article/view/58882. Acesso em: 28 set. 2021.

Edição

Seção

Diretório dos Índios: Políticas Indígenas e Indigenistas na América Portuguesa