O golpe de 2016, as mulheres e o futuro da democracia: neoliberalismo, desigualdade e misoginia

Autores

  • Sônia Weidner Maluf Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2021v26n45.59101

Palavras-chave:

Golpe de 2016, Mulheres, Neoliberalismo, Neofascismos, Feminismo

Resumo

Este artigo analisa as dimensões de gênero do golpe de estado de 2016 no Brasil. Ele busca somar-se a outras tentativas de entendimento desse processo histórico, social e político e de um de seus aspectos centrais que foi o uso de discursos e práticas misóginas e o recuo que as políticas adotadas posteriormente à saída de Dilma Rousseff significaram nas conquistas e nos direitos das mulheres. A análise é desenvolvida a partir de quatro aspectos: o o dispositivo da misoginia e seu uso nas campanhas pelo impeachment e nos discursos pronunciados no evento do sacrifício político de Dilma Rousseff; os efeitos do golpe sobre os direitos e políticas sociais, sobretudo aqueles dirigidos às mulheres pobres e negras; as convergências entre neoliberalismo e neofascismos no contexto político recente do país; a centralidade da perspectiva feminista na resistência contra o fascismo e o neoliberalismo e na luta pela democracia. A exclusão das mulheres dos espaços de poder, a perda de direitos conquistados, o empobrecimento da população feminina, o aumento da violência de gênero e das taxas de feminicídio, principalmente de mulheres negras, são abordados como aspectos centrais das motivações do golpe e do programa do fundamentalismo neoliberal e não como efeitos secundários dessas políticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sônia Weidner Maluf, Universidade Federal de Santa Catarina

Professora do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da UFSC e pesquisadora do CNPq. Tem doutorado em Antropologia Social e Etnologia pela Ecole des Hautes Études en Sciences Sociales, França. Coordena do Núcleo de Antropologia do Contemporâneo (Transes/UFSC) e é coordenadora executiva do INCT Brasil Plural.

Referências

ALVES, Giovanni et al. Enciclopédia do golpe. Bauru: Canal 6, 2017.

ALVES, Gionanni et al. Enciclopédia do golpe. Vol. 2: o papel da mídia. Bauru: Canal 6, 2018.

AZZURA, Cinzia; BATTHACHARYA, Tithi; FRASER, Nancy. Feminismo para os 99%: um manifesto. São Paulo: Boitempo, 2019.

BROWN, Wendy. Nas ruinas do neoliberalismo. A ascensão da política antidemocrática no ocidente. São Paulo: Ed. Filosófica Politeia, 2019.

BUTLER, Judith. Discurso de ódio. Uma política do performativo. São Paulo: Ed. UNESP, 2021.

COLLINS, Patricia Hill. Black feminist thought: knowledge, consciousness, and the politics of empowerment. New York: Routledge, 2000.

COOPER, Melinda. Family Values: Between Neoliberalism and the New Social Conservatism. New York: Zone Books, 2017.

COSTA, Petra. Democracia em vertigem, documentário, 2015.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo. Ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. Anatomia do novo neoliberalismo. Tradução publicada no site do Instituto Humanitas (Unisinos). Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/78-noticias/591075-anatomia-do-novo-neoliberalismo-artigo-de-pierre-dardot-e-christian-laval%23. Acesso em: 18/01/2020.

DEMOCRACIA em vertigem. (Documentário) Direção: Petra Costa. Produção: Busca Vida Filmes, 2019, Netflix, (113 min.).

DIAPP (Diretoria de Análises de Políticas Públicas). Encarceramento feminino. Policy Paper Segurança e Cidadania. Rio de Janeiro: FGV, 2018.

FEDERICI, Silvia. O ponto zero da revolução: trabalho doméstico reprodução e luta feminista. São Paulo: Elefante, 2019.

FOUCAULT, Michel. Le jeu de Michel Foucault (entretien sur l´Histoire de la sexualité). In: FOUCAULT, Michel. Dits et écris, vol. III. Paris: Gallimard, 1994.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

GALVÃO, Ana Carolina; ZAIDAN, Claudia Santana de Mattos; SALGUEIRO, Wilberth. Foi golpe! O Brasil de 2016 em análise. Campinas: Pontes Editores, 2019.

GERALDES, Elen Cristina et al. Mídia, misoginia e golpe. Brasília: FacUnB, 2016.

GUIMARÃES, Juarez. A ditadura neoliberal e os caminhos para vencê-la. Carta Maior. Fev. 2018. Disponível em: https://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Politica/A-ditadura-neoliberal-e-os-caminhos-para-vence-la/4/39391. Acesso em: 19/01/2020.

HARVEY, David. O neoliberalismo: história e implicações. São Paulo: Ed. Loyola, 2011.

JINKINGS, Ivana; DORIA, Kim; CLETO, Murilo. Por que gritamos golpe? Para entender o impeachment e a crise política no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2016.

KLEIN, Naomi. The Shock Doctrine. The rise of disaster capitalism. New York: Metropolitan Books, 2007.

MACHADO, Igor Renó (org.). Dossiê “Antropologia do impeachment”. R@U – Revista de @ntropologia da UFSCar, v. 8, n. 2, p. 6-65, jul./dez. 2016.

MALUF, Sônia Weidner. Políticas da família, neoliberalismo e conservadorismos no Brasil, 2021. (Manuscrito submetido).

MARTUSCELLI, Danilo Enrico. Polêmicas sobre a definição do impeachment de Dilma Rousseff como golpe de Estado. Revista de Estudos e Pesquisas sobre as Américas, v. 14, n. 2, p. 67-102, 2020.

MATTOS, Hebe; BESSONE, Tânia; MAMIGONIAN, Beatriz G. Historiadores pela democracia: o golpe de 2016 e a força do passado. São Paulo: Alameda, 2016.

MIGUEL, Luis Felipe. O colapso da democracia no Brasil. Da Constituição ao golpe de 2016. São Paulo: Fundação Rosa Luxemburgo/Expressão Popular, 2019.

NAPOLITANO, Marcos. Golpe de Estado: entre o nome e a coisa. Estudos Avançados, v. 33, n. 96, p. 397-420, 2019.

PAXTON, Robert O. Anatomia do fascismo. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

PINHEIRO, Luana et al. Os desafios do Passado no Trabalho Doméstico do Século XXI: reflexões para o caso brasileiro a partir dos dados da Pnad Contínua. Textos para Discussão. IPEA, 2019.

SANTOS, Wanderley Guilherme. A Democracia Impedida: o Brasil no século XXI. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 2017.

SANTOS, Cláudio Hamilton; GENTIL, Denise Lobato. A CF/88 e as finanças públicas brasileiras. In: CARDOSO JR, José Celso (org.). A Constituição brasileira de 1988 revisitada: recuperação histórica e desafios atuais das políticas públicas nas áreas econômica e social. Brasília: Ipea, 2009, p. 123-160.

SCHILD, Verónica. Feminism and Neoliberalism in Latin America. New Left Review, n. 96, p. 59-74, 2015.

SOUZA, Daniel Maurício Viana de. O golpe de 2016 e o futuro da democracia no Brasil. Pelotas: EdUFPel, 2021.

TIBURI, Marcia. A máquina misógina e o fator Dilma Rousseff na política brasileira. Revista Cult, julho de 2016. Disponível em: https://revistacult.uol.com.br/home/maquina-misogina-e-o-fator-dilma-rousseff-na-politica-brasileira/. Acesso em: 18/01/2020.

WACQUANT, Löic. Três etapas para uma antropologia histórica do neoliberalismo realmente existente. Caderno CRH, Salvador, v. 25, n. 66, p. 505-518, 2012.

Downloads

Publicado

2021-12-29

Como Citar

MALUF, S. W. O golpe de 2016, as mulheres e o futuro da democracia: neoliberalismo, desigualdade e misoginia. Saeculum, [S. l.], v. 26, n. 45 (jul./dez.), p. 140–158, 2021. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2021v26n45.59101. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/srh/article/view/59101. Acesso em: 18 jun. 2024.