Percepções de alunos e alunas do Ensino Médio sobre o conhecimento histórico: O ensino de história entre os saberes ensinados e os saberes designados a serem ensinados

Autores

  • Andrey Lopes de Souza Faculdade Funorte Janaúba/Secretaria Estadual de Educação de Minas Gerais
  • Valéria de Jesus Leite Unimontes/Secretaria Estadual de Educação de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2021v26n45.59567

Palavras-chave:

Educação, Ciência, Ensino de História, Estudantes

Resumo

A ciência está no centro do debate público. Termos e conceitos incomuns no vocabulário da população em geral como prova, ensaio randomizado, amostra, estudo cego, duplo cego e hipótese ganham a imprensa escrita e falada. Paralelo a esse contexto, a emergência de notícias falsas acompanhado das pressões externas (econômicas, políticas e sociais) ao laboratório revelam o quanto o brasileiro sabe pouco de ciência. No caso das humanidades e a História em particular esse contexto fica ainda mais complexo. Nesse sentido, o presente artigo busca identificar as percepções que alunos do 3° ano do ensino médio possuem da história. Por meio de pesquisa qualiquantitativa e questionário semiestruturado, baseado na escala likert e aplicados junto à escolas de educação básica via formulários Google, foi possível identificar as percepções dos jovens quanto ao ensino de história, ao longo da educação básica. A pesquisa indica que grande parte dos alunos não sabe identificar um conhecimento científico e o livro didático é o principal acesso ao conhecimento histórico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andrey Lopes de Souza, Faculdade Funorte Janaúba/Secretaria Estadual de Educação de Minas Gerais

Professor, presidente da Comissão Própria de Avaliação e coordenador do Núcleo de TCC da Faculdade Funorte de Janaúba. Foi Professor substituto em Humanidades da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri-UFVJM, Campus Janaúba. Avaliador externo credenciado pelo INEP/MEC na modalidade curso de graduação. Possui graduação em História pela Universidade Estadual de Montes Claros (2007). Mestre em História Social na linha de pesquisa “Trabalho e movimentos sociais”, pela Universidade Federal de Uberlândia. Doutorado em História Social pela UFU.

Valéria de Jesus Leite, Unimontes/Secretaria Estadual de Educação de Minas Gerais

Professora da rede básica de ensino de Minas Gerais e da Universidade Estadual de Montes Claros. Já lecionou na Universidade Aberta do Brasil – UAB pela Unimontes e pelo Ifnmg. Possui graduação em História pela Universidade Estadual de Montes Claros (2006). Mestrado em História Social na linha de pesquisa Trabalho e Movimentos Sociais, pela Universidade Federal de Uberlândia e Doutorado em História Social também pela Universidade Federal de Uberlândia.

Referências

Fontes

CARVALHO, Ana Paula R. Por um ensino de História que faça sentido: análise das concepções de história de alunos do Ensino Médio. Revista História Hoje, v. 8, n. 16, p. 209-233, 2019.

FONSECA, Alexandre Brasil. Ciência, Tecnologia e desigualdade social no Brasil: contribuições da Sociologia do conhecimento para a educação em Ciências. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 6, n. 2, p. 364-377, 2007.

Referências

BITTENCOURT, Circe. Ensino de história: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2008.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Livro didático e saber escolar (1810-1910). Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

HOBSBAWM, Eric J. Sobre História. São Paulo: Cia. das Letras, 1998.

MOURA, Ana. Pelo direito à diferença. In: MUNANGA, Kabengele. Superando o racismo na escola. Brasília: Ministério da Educação, 2005. p. 69-82.

PRATS, Joaquín. Ensinar História no contexto das Ciências Sociais: princípios básicos. Extraído de PRATS, Joaquín. El estudio de la Historia local como opción didáctica. ¿Destruir o explicar historia? IBER Didáctica de las Ciencias Sociales, Geografía e Historia. n. 8, abr. 1996. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/er/nspe/nspea11.pdf. Acesso em 10 out. 2020.

REIS, Aaron Sena Cerqueira. As concepções de jovens estudantes sobre assuntos históricos. Revista História Hoje, v. 8, n. 16, p. 70-89, 2019.

RÜSEN, Jörn. Didática da História: passado, presente e perspectivas a partir do caso alemão. Práxis Educativa. Ponta Grossa, PR. v. 1, n. 2, p. 07-16, jul.-dez. 2006.

SAMUEL, Raphael. Teatros da memória. Revista Projeto História – Programa de Estudos Pós-Graduados em História e do Departamento de História da PUC-SP. São Paulo, p. 41-81, 1997.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora. História do ensino de história no Brasil: uma proposta de periodização. História da Educação, v. 16, n. 37, p. 92-117, 2012. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/asphe/article/view/24245. Acesso em: 29 set. 2015.

THOMPSON, Edward P. A Miséria da Teoria. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

THOMPSON, Edward P. Intervalo: A lógica histórica. In: THOMPSON, Edward P. A miséria da teoria ou um planetário de erros: uma crítica ao pensamento de Althusser. Rio de Janeiro: Zahar, 1978. p. 47-61.

Downloads

Publicado

2021-12-29

Como Citar

SOUZA, A. L. de; LEITE, V. de J. Percepções de alunos e alunas do Ensino Médio sobre o conhecimento histórico: O ensino de história entre os saberes ensinados e os saberes designados a serem ensinados. Saeculum, [S. l.], v. 26, n. 45 (jul./dez.), p. 291–304, 2021. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2021v26n45.59567. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/srh/article/view/59567. Acesso em: 18 jun. 2024.