Lima Barreto: um “juristinista” na tribuna das letras

Autores

  • Thiago Venicius de Sousa Costa Universidade Federal do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2021v26n45.59908

Palavras-chave:

Direito, Burocracia, Espaço, Lei, Corpo

Resumo

Esta pesquisa busca destacar um pouco das relações que o escritor Lima Barreto manteve com o direito e os espaços do jurídico. Essa leitura possibilita a avaliação de um perfil do autor ainda pouco estudado e discutido por parte dos pesquisadores de sua fortuna, com enfoque para a figura do homem burocrata, do indivíduo de pele enrijecida e comumente associado a alguém sem vontade, que sofreu os apagamentos das sensibilidades e que esteve preso às amarras do poder estatal. A figura do “juristinista” é apresentada como uma possibilidade de discutir as visibilidades e dizibilidades que o escritor traçou acerca do direito e diz respeito a uma nova percepção corpórea que sempre forjou e criou sobre si, em paralelo às fachadas sociais do jornalista e do literato, geralmente situadas como perfis combativos do homem burocrata. Na articulação do debate, realiza-se uma análise dos artigos e crônicas barretianos, bem como de outras documentações escritas que ajudam a tornar evidente de que forma Lima Barreto fez constantes travessias entre as fronteiras do direito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Venicius de Sousa Costa, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutorando em História pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Norte – PPGH/UFRN, bolsista Capes. Mestre em História pelo PPGH/UFRN. Especialista em História Social da Cultura e Bacharelado em História pela Universidade Federal do Piauí – UFPI. Especialista em Direito Civil e Processual Civil e Bacharel em Direito pelo Centro Universitário UNINOVAFAPI. Integra o Corpus: Grupo de Estudos e Pesquisas em História dos Corpos e das Sensibilidades.

Referências

ALVARADO, José Tomás. ¿Derecho a la felicidad? Díkaion, Chia, v. 25, n. 2, p. 243-265, 2016.

BARBOSA, Francisco de Assis. A vida de Lima Barreto. 7. ed. São Paulo: EdUSP, 1988.

BARRETO, Lima. Diário do hospício; cemitério dos vivos. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, Departamento Geral de Documentação e Informação Cultural, Divisão de editoração, 1993.

BARRETO, Lima. Diário íntimo. São Paulo: Brasiliense, 1956c.

BARRETO, Lima. Toda crônica (1890-1919). Apresentação e notas: Beatriz Resende. Organização: Rachel Valença. v. 1. Rio de Janeiro: Agir, 2004a.

BARRETO, Lima. Toda crônica (1919–1922). Apresentação e notas: Beatriz Resende. Organização: Rachel Valença. v. 2. Rio de Janeiro: Agir, 2004b.

BARRETO, Lima. Vida e morte de M. J. Gonzaga de Sá. São Paulo: Edição da Revista do Brasil, 1919.

BOTELHO, Denilson. Letras militantes: história, política e literatura em Lima Barreto. Tese (Doutorado em História). Campinas-SP: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, 2001.

BURKE, Peter. A fabricação do rei: a construção da imagem pública de Luís XIV. Tradução Maria Luiza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.

CANCELLI, Elizabeth. A cultura do crime e da lei: 1889-1930. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2001.

FREYRE, Gilberto. O diário íntimo de Lima Barreto (Prefácio). In: BARRETO, Lima. Diário íntimo. São Paulo: Brasiliense, 1956.

GAMA, Maria Sandra da. Entre mulheres e fronteiras, um escritor: lugares do feminino na obra de Lima Barreto (1902-1922). Dissertação (Mestrado em História). Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2015.

GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. Tradução de Dante Moreira. 9ed. São Paulo: Perspectiva, 2018.

LEAL, Adisson; BORGES, João Paulo. O código civil de 1916: tão liberal quanto era lhe permitido ser. Revista Brasileira de História do Direito, Brasísila, n. 1, p. 16-35, 2017.

LE BRETON, David. Antropologia do corpo e modernidade. 2. ed. Tradução Fábio dos Santos Creder. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

LE BRETON, David. A sociologia do corpo. 2. ed. Tradução de Sonia M. S. Fuhrmann. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

LE BRETON, David. Desaparecer de si: uma tentação contemporânea. Tradução Francisco Morás. Petrópolis, RJ: Vozes, 2018.

MALUF, Marina; MOTT, Maria Lúcia. Recônditos do mundo feminino. In: SEVCENKO, Nicolau (org.). História da vida privada no Brasil. v. 3. Coordenação geral da coleção Fernando A. Novais. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

OST, François. Contar a lei: as fontes do imaginário jurídico. Tradução Paulo Neves. São Leopoldo, RS: Editora UNISINOS, 2007.

RAMOS, Margarida Danielle. Reflexões sobre o processo histórico-discursivo do uso da legitima defesa da honra no Brasil e a construção das mulheres. Revista Estudos Feministas, v. 20, n. 1, p. 53-73, 2012.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Contos completos de Lima Barreto. São Paulo. Companhia das Letras, 2010.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Lima Barreto: triste visionário. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

SILVA, Roger Anibal Lambert da. Em nome da ordem: o jornal do Commercio e as batalhas da abolição. Tese (Doutorado em História). Rio de Janeiro: Universidade Federal Fluminense, 2017.

SOIHET, Rachel. O corpo feminino como lugar de violência. Projeto História, São Paulo, v. 25, p. 269-289, 2002.

VASCONCELLOS, Eliane. Entre a agulha e a caneta: a mulher na obra de Lima Barreto. Rio de Janeiro: Lacerda, 1999.

Downloads

Publicado

2021-12-29

Como Citar

COSTA, T. V. de S. Lima Barreto: um “juristinista” na tribuna das letras. Saeculum, [S. l.], v. 26, n. 45 (jul./dez.), p. 73–88, 2021. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2021v26n45.59908. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/srh/article/view/59908. Acesso em: 23 maio. 2024.