Em tempo de silêncios, o grito da resistência não pode calar: as parcerias entre o Ensino de História e a Educação dos povos do campo

Autores

  • Tânia Mara de Bastiani Universidade Estadual do Oeste do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2021v26n45.60183

Palavras-chave:

Ensino de História, Educação dos povos do campo, Agronegócio, Silêncios

Resumo

Como o Ensino de História e a Educação dos povos do campo podem ser parceiros na transformação da sociedade? Essa é a questão central deste artigo. Veremos que ambas as temáticas, no atendimento a determinados projetos, escolheram protagonistas e, ao mesmo tempo, produziram silêncios, os quais, na atualidade, ganham novo contexto por meio das tentativas do agronegócio de ser um protagonista dos processos históricos e educacionais. Quanto aos avanços do agronegócio sobre o ensino formal, perceberemos que convergem com a popularização de tradicionais grupos conservadores e, à semelhança desses, pregam a suposta “neutralidade” e “imparcialidade” educacional, entretanto, diferente deles, que se orientam pela negação ou reinterpretação do passado, os representantes do agronegócio distorcem a realidade atual, já que tratam as características do presente como se fossem do passado. Diante de tal situação, a parceria entre o Ensino de História e a Educação dos povos do campo tem um papel de extrema relevância, uma vez que ela é capaz de revelar o verdadeiro caráter classista do agronegócio e quebrar os silêncios acerca dos atuais retrocessos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tânia Mara de Bastiani, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Mestra em Educação pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e Doutora em História pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE). Entre os temas que pesquisa, encontram-se: A questão agrária no Brasil, os Movimentos sociais do campo e a Educação do campo.

Referências

Fontes

BRASIL. Decreto 7.352, de 4 de novembro de 2010. Dispõe sobre a política de educação do campo e o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária – PRONERA.

BRASIL. Lei 8.629, de 25 de fevereiro de 1993. Dispõe sobre a regulamentação dos dispositivos constitucionais relativos à reforma agrária, previstos no Capítulo III, Título VII, da Constituição.

BRASIL. Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.

BRASIL. Lei 11.645, de 10 de março de 2008. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei no 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”.

Referências

AGRONEGÓCIO quer ditar os rumos da educação brasileira. Brasil de Fato, São Paulo/SP, 10 mai. 2021.

BALSAN, Rosane. Impactos Decorrentes da Modernização da Agricultura Brasileira. Campo-Território: Revista de Geografia agrária, v. 1, n. 2, p. 123-151, ago. 2006.

BITTENCOURT, C. Capitalismo e cidadania nas atuais propostas curriculares de História. In: BITTENCOURT, C. (org.). O saber histórico na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2020, p. 11-27.

BOMBARDI, L. M. Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia. São Paulo: FFLCH – USP, 2017.

CALDART, R. S. Educação do Campo: notas para uma análise de percurso. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 35-64, mar./jun. 2009.

CASTILHO, A. L.; PAGENOTTO, M. L. Trabalho escravo: entre 48 novos membros da “lista suja”, 33 são fazendeiros. De olho nos ruralistas, 03 abr. 2019. Disponível em: https://deolhonosruralistas.com.br/2019/04/03/trabalho-escravo-entre-48-novos-membros-da-lista-suja-33-sao-fazendeiros/. Acesso em 12 jun. 2021.

D’AGOSTINI, A; VENDRAMINI, C. R. Educação do Campo ou Educação da Classe Trabalhadora? A perspectiva do empresariado, do Estado e dos movimentos sociais organizados. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 22, n. 2, p. 299-322, jul./dez. 2014.

FERNANDES, B. M.; WELCH, C. A.; GONÇALVES, E. C. Os usos da terra no Brasil: debates sobre políticas fundiárias. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014.

FERNANDES, B. M.; MOLINA, M. C. O campo da Educação do Campo. In: MOLINA, Mônica; JESUS, Sônia M. A. de (Orgs.). Por uma educação do campo. Brasília: 2004, p. 32-53.

GOMES, N. L. Educação e Identidade Negra. Aletria: Revista de Estudos de Literatura, v. 09, p. 38-47, 2002.

GORTÁZAR, N. G. Por que os indígenas são a chave para proteger a biodiversidade planetária. El País, São Paulo/SP, 08 mai. 2019. Disponível em https://brasil.elpais.com/brasil/2019/05/07/politica/1557255028_978632.html. Acesso em 13 jun. 2021.

GRAMSCI, A. Intelectuais e a organização da cultura. São Paulo: Civilização Brasileira, 1989.

GRAMSCI, A. Concepção dialética da história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1987.

GRAZIANO, X. Educação no Brasil precisa respeitar o agro, diz Xico Graziano. Poder 360. 07.out.2020. Disponível em https://www.poder360.com.br/opiniao/educacao/educacao-no-brasil-precisa-respeitar-o-agro-diz-xico-graziano/. Acesso em 13 jun. 2021.

GRAZIANO, X.; NEVES, M. F. O agro para estudantes: 10 temas para tornar o ensino mais atrativo. Disponível em https://todosaumasovoz.com.br/site/wp-content/uploads/2021/05/TUV_COMPENDIO_10_TEMAS_L.pdf. Acesso em 10 jun. 2021.

GRAZIANO DA SILVA, J. A modernização dolorosa: Estrutura agrária, fronteira agrícola e trabalhadores rurais no Brasil. Rio de Janeiro, Zahar, 1982.

GRAZIANO NETO, F. Questão agrária e Ecologia: Crítica da moderna agricultura. São Paulo: Brasiliense, 1982.

GUILHOTO, J. J. M. et al. A importância do agronegócio familiar no Brasil. Revista de economia e sociologia rural, Brasília, v. 44, n. 3, p. 355-382, jul/.set. 2006.

HOBSBAWM, Eric J. A história de baixo para cima. In: HOBSBAWM, Eric J. Sobre história. São Paulo: Companhia das Letras, 2013, p. 280-300.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo agropecuário 2017. Resultados Definitivos. Rio de Janeiro, 2019.

LAMOSA, R. A. C. Educação e Agronegócio: a Nova Ofensiva do Capital nas Escolas Públicas. Curitiba: Appris, 2016.

LEITE, S; P.; MEDEIROS, L. S. de. Agronegócio. In: CALDART, R. S.; PEREIRA, I. B.; ALENTEJANO, P.; FRIGOTTO, G. (org.). Dicionário da Educação do Campo. São Paulo: Expressão Popular, 2012, p. 81-87.

MARTINS, José de Souza. A militarização da questão agrária no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1985.

MÉSZÁROS, I. A alienação e a crise da educação. In: MÉSZÁROS, I. A teoria da alienação em Marx. São Paulo: Boitempo, 2006. p. 263-282.

MÉSZÁROS, I. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2008.

NAPOLITANO, M. Combate ao negacionismo historiográfico confronta o obscurantismo que ameaça a democracia, diz historiador. [Entrevista concedida a] Jacqueline Boechat. Fiocruz, Rio de Janeiro/RJ, 09 mar. 2020.

PINSKY, J. Nação e ensino de História no Brasil. In: PINSKY, J. (org.). O ensino de História e a criação do fato. São Paulo: Contexto, 2020, p. 11-26.

OLIVEIRA, S. R. Ensino de História indígena: trabalhando com narrativas coloniais e representações sociais. In: PORTUGAL, A. R.; HURTADO, L. R. (Orgs.). Representações culturais da América indígena. São Paulo: Editora UNESP, 2015, p. 59-80.

PEREIRA, V. B. Concepção político-pedagógica para formação de professores do Programa Agrinho: do campo à cidade. Guarapuava/PR, 2015. 136 f. Dissertação (mestrado). Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes – Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná, 2015.

PROGRAMA BEM DA TERRA. Canal Terraviva/YouTube: 21 dez. 2020. 78 min. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=Whypb-wmFvQ. Acesso em 14 jun. 2021.

RAJÃO, R. et al. The rotten apples of Brazil's agribusiness [Maçãs podres do agronegócio brasileiro]. Science, 369(6501), p. 246-248, 17 jul. 2020.

RIBEIRO, M. Educação Rural. In: CALDART, R. S.; PEREIRA, I. B.; ALENTEJANO, P.; FRIGOTTO, G. (org.). Dicionário da Educação do Campo. São Paulo: Expressão Popular, 2012, p. 295-301.

SADER, Eder. Quando novos personagens entraram em cena: experiências, falas e lutas dos trabalhadores da Grande São Paulo, 1970-80. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

SANTOS, C. A.; PEREIRA, R. S. Militarização e Escola Sem Partido: duas faces de um mesmo projeto. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 12, n. 23, p. 255-270, jul./out. 2018.

SILVA, M. A. M. Errantes do fim do século. São Paulo: Unesp, 1999.

STROPASOLAS, P. “Lista suja” é divulgada, mas desmonte freia combate à escravidão na pandemia. Brasil de Fato, São Paulo/SP, 13 abr. 2021. Disponível em https://www.brasildefato.com.br/2021/04/13/lista-suja-e-divulgada-mas-desmonte-freia-combate-a-escravidao-na-pandemia. Acesso em 12 jun. 2021.

WEBINAR. O agro para estudantes. Canal Todos a uma só voz/YouTube: 13 maio 2021. 84 min. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=-9oqxsyLgcw. Acesso em 14 jun. 2021.

ZAMBONI, Ernesta; BERGAMASCHI, Maria Aparecida. Povos indígenas e ensino de história: memória, movimento e educação. Anais do Congresso de leitura do Brasil (COLE), 17. Campinas: ALB, 2009.

Downloads

Publicado

2021-12-29

Como Citar

BASTIANI, T. M. de. Em tempo de silêncios, o grito da resistência não pode calar: as parcerias entre o Ensino de História e a Educação dos povos do campo. Saeculum, [S. l.], v. 26, n. 45 (jul./dez.), p. 216–230, 2021. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2021v26n45.60183. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/srh/article/view/60183. Acesso em: 18 jun. 2024.